Crítica | Os Smurfs 2

os-smurfs-2-plano-critico

estrelas 1,5

O primeiro filme dos Smurfs em computação gráfica, realizado pela Sony Pictures Animation, passou longe de ser um sucesso de crítica, mas isso não refletiu em sua bilheteria, o que, naturalmente, geraria sua sequência Os Smurfs 2. O conjunto da obra, contudo, fora de início concebida como dois filmes e é importante lembrar que a terceira adaptação moderna, Os Smurfs e a Vila Perdida, é um reboot e não mais uma continuação. Ainda que siga a mesma estrutura narrativa do primeiro, esse segundo longa-metragem não se saiu tão bem, denunciando que a fórmula não foi tão certeira quanto os realizadores imaginavam.

A projeção tem início com os smurfs contando a história de como a Smurfette tornou-se parte do grupo, já nos preparando para qual seria o foco da trama. Pouco depois descobrimos os planos de Gargamel (Hank Azaria) para raptar sua criação da vila smurf e trazê-la de volta a seu lado, com a ajuda de Vexy (Christina Ricci) e Hackus (J.B. Smoove), os danadinhos, também criados pelo bruxo. Sabendo desse sequestro, as criaturas azuis precisam viajar para Paris a fim de resgatar Smurfette e, para isso, pedem ajuda a Patrick (Neil Patrick Harris) e Grace (Jayma Mays) novamente.

É bastante evidente, desde os primeiros minutos, qual o público-alvo da obra. Ao contrário de produções da Disney, Pixar e Dreamworks, que buscam proporcionar aventuras que satisfazem tanto o público adulto quanto o infantil, Os Smurfs 2 mira exclusivamente nas crianças, o que acaba transformando o longa-metragem em uma experiência realmente difícil para os mais velhos. Estamos falando, claro, de uma comédia “pastelão” bastante exagerada que assola toda a projeção, com gags atrás de gags que basicamente são formadas de personagens tropeçando, caindo ou fazendo caretas.

A trama em si também não ajuda, configurando-se como altamente previsível. Desde os primeiros minutos já sabemos exatamente o que irá acontecer, quebrando qualquer chance de imersão do espectador adulto, que espera uma boa história e é recebido com algo sequer capaz de entreter. A intenção dos realizadores é clara, mas não custava um pouco mais de refinamento por parte da equipe de roteiristas, que poderiam ter construído uma narrativa mais engajante, desenvolvendo de verdade seus personagens e não apenas os jogando em situações que buscam unicamente risadas da audiência. Dito isso, Os Smurfs 2 é um filme vazio, que não oferece muito ao espectador.

Nem mesmo Neil Patrick Harris ou John Oliver (como dublador do Vaidoso) conseguem nos cativar por todo o longa-metragem, ainda que consigam extrair algumas poucas risadas do público adulto em determinados pontos da história. Nada, porém, que salve a experiência como um todo. Estamos falando de interpretações exageradas em razão do que o texto pede, repetindo inúmeras vezes as mesmas piadas, nos fazendo sentir como se estivéssemos nas mesmas cenas, com elas apenas “coloridas” de forma diferente.

Se a obra conta com um trunfo, porém, é a sua computação gráfica, que consegue criar realistas texturas, especialmente no que diz respeito à peles dos smurfs. Além disso, toda a movimentação funciona de forma extremamente fluida e o que prejudica tudo é a inserção desse CGI em nossa realidade, ainda que, na maior parte das vezes, isso acabe funcionando ao longo do filme. No anterior tivemos Nova York e, agora, Paris, o que pode soar como uma receita de bolo, claro. Felizmente a cidade é bem utilizada em certos pontos, justificando a escolha.

Os Smurfs 2, portanto, segue a mesma fórmula de seu antecessor, se apoiando em um humor para lá de infantil, refletindo qual o público alvo da produção. Trata-se de uma experiência sofrida para os espectadores mais velhos e, por mais que esperemos uma maior profundidade do roteiro, isso jamais aparece. Não é por mero acaso que o longa se saiu tão mal na bilheteria, mostrando que é preciso saber entreter audiências de todas as idades quando se trata de animações em longa-metragem.

Os Smurfs 2 (The Smurfs 2) — EUA, 2013
Direção:
 Raja Gosnell
Roteiro: J. David Stem, David N. Weiss, Jay Scherick, David Ronn, Karey Kirkpatrick
Elenco: Neil Patrick Harris, Jayma Mays, Katy Perry, Hank Azaria, Brendan Gleeson, Jacob Tremblay, Christina Ricci, Jonathan Winters, J.B. Smoove, George Lopez, Anton Yelchin, John Oliver, Fred Armisen, Alan Cumming
Duração: 105 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.