Crítica | Os Três, de Sarah Lotz

capatres

estrelas 3,5Sabe aquele livro pelo qual você passa inúmeras vezes pela livraria e que sempre atrai o seu olhar? É o que acontece com Os Três de Sarah Lotz. A capa preta com detalhes em vermelho consegue prender a atenção com facilidade, assim como o seu conteúdo.

As primeiras páginas te dão um pequeno vislumbre do que virá. A jornalista Elspeth conta em seu livro sobre a Quinta-Feira Negra, onde num mesmo dia houve quatro quedas de aviões em quatro continentes diferentes. Em três locais distintos, três crianças conseguiram sobreviver sem maiores sequelas. No primeiro local, no Japão, uma senhora que sobreviveu momentaneamente a queda, deixa uma mensagem que trará consequências perturbadoras.

“Pastor Len, avise a eles, o menino não é…”

Foi o suficiente para que milhares de teorias conspiratórias fossem criadas. Os evangélicos pregavam que havia uma quarta criança e que isso era o símbolo que precisam explicando que o Arrebatamento não iria demorar. As quatro crianças simbolizavam os quatro cavaleiros do apocalipse descritos na Bíblia. Havia também aqueles que acreditavam se tratar de um milagre divino ou mesmo, que as crianças estavam possuídas por microchips e sendo controladas por aliens.

Em meio a tudo isso, Elspeth narra os acontecimentos logo após o acidente e conta como viveram essas crianças e suas famílias, assim como também os que se envolveram direta ou indiretamente nas teorias. Pelos relatos, os três estavam agindo de forma estranha, diferentes do que costumavam ser, mas, os especialistas afirmavam ser algo normal devido ao tamanho do trauma que sofreram.

Os relatos apurados por Elspeth, apontam para outra resposta.

A autora Sarah Lotz é bastante conhecida por seus thrillers com narrativa instigante, e Os Três da Editora Arqueiro, não fica atrás. É praticamente impossível soltar o livro até chegar à última página e se certificar que aquela realmente é a última.

As diferentes formas de narrativa acrescentam em muito para que a leitura seja leve, fluida e interessante. Tem relatos por email, conversas ping-pong, script de chats, matérias de jornal, transcrições de áudios para citar alguns. Os personagens são ricos, cheios de nuances e incrivelmente verossímeis, possibilitando ao leitor situá-los no cotidiano ou identificá-los como pessoas reais.

O tema em si é atual e nos deixa na dúvida, até certo ponto, se a história é mesmo de ficção ou não. As questões filosóficas abordadas, principalmente as teorias conspiratórias, são a chave para ditar a evolução da trama que se baseia basicamente no comportamento humano e em que como as distorções de um mesmo fato, acabam tendo diversas interpretações. A relação da mídia com causas sobrenaturais e acidentes também é deveras interessante e recai no velho assunto das manipulações e até onde um veículo busca fontes reais para embasar suas matérias.

Mesmo após terminar o livro não dá para chegar exatamente a uma conclusão, apenas a inúmeras reflexões. De qualquer modo, é uma leitura válida para aqueles que curtem a temática citadas acima.

Os Três (The Three – USA 2014)
Autora: 
Sarah Lotz
Editora EUA: Little, Brown and Company
Editora Brasil: Arqueiro
Páginas: 400

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.