Crítica | Outcast – 1X05: The Road Before Us

estrelas 4,5

Obs: Contém spoilers. Leia as críticas dos demais episódios, aqui e dos quadrinhos, aqui.

Obs 2: Nosso querido Ritter Fan ainda está em sua peregrinação anual pelo Zagreb, portanto o substituo aqui nesta crítica.

O episódio anterior de Outcast nos deixou com um angustiante cliffhanger: estaria a ex-mulher de Kyle ainda possuída? Seria esse um dos motivos pelo qual ela, de forma tão veemente, procura mantê-lo a uma considerável distância, o impedindo, inclusive, de ver sua filha? Junto dessa dúvida veio uma de ordem mais pragmática – utilizaria essa questão, o showrunner Chris Black, como uma linha narrativa paralela, mantendo-nos e os personagens na incerteza até o derradeiro season finale? Um possibilidade, certamente, uma que traria certa dilatação à trama. Felizmente não é isso o que temos em The Road Before Us.

O episódio já abre com Alison Barnes (interpretada por Kate Lyn Sheil) sendo retratada como um tanto fora do normal – também não é por menos, considerando que sofrera um grande trauma recentemente e seu comportamento errático é a reação esperada. Mas a questão acima mencionada já estava no ar e o roteiro de Robin Veith se aproveita disso para construir uma atmosfera de constante incerteza que nos impede, a qualquer minuto, de tirar os olhos da televisão. Ao mesmo tempo, Kyle e Anderson vão de casa em casa, nos antigos casos “resolvidos” do reverendo, buscando uma confirmação da expulsão da entidade do corpo de cada um. O interessante é que temos aqui duas linhas distintas, mas que forte e evidentemente se relacionam – uma traz respostas e mais perguntas à outra, de forma que a narrativa não se torna fragmentada.

A única fragmentação em vista é aquela relacionada ao chefe da polícia, Giles, que busca uma explicação para os cadáveres de animais na floresta e a cabana queimada. As suspeitas em volta de seu amigo aumentam, mas não levam a nada conclusivo. Se isso está relacionado aos eventos em torno de Kyle não sabemos, similarmente à subtrama das duas semanas anteriores envolvendo Megan e seu estuprador. O ponto positivo dessas histórias paralelas é o fato de ajudar a construir um clima muito específico para o seriado. Temos a nítida percepção de que tudo está indo por água abaixo, há uma desolação, uma forte depressão no ar e a forte presença de demônios na Terra podem facilmente criar esse antro de hostilidades.

De fato chega a ser praticamente impossível enxergar um final feliz para Outcast – estamos à beira da metade da temporada e a situação está tão ou até mais sombria do que estivera no season première. E os eventos de The Road Before Us certamente não ajudaram, desde o coma da garota até a relação de Barnes e sua ex, que encerrou o capítulo com um poderoso ato de auto-sacrifício, com Kyle escondendo a verdade do passado a fim de proteger a mulher que ama e sua filha. Aqui a atuação de Patrick Fugit, juntamente de um trabalho de maquiagem e figurino fazem toda a diferença, suas olheiras e seu olhar desesperançoso somente são rivalizados por sua atitude que oscila entre a ira e a tristeza, um homem que busca lutar, mas que parece genuinamente cansado frente aos traumas do passado e as provações do presente.

Dito isso, o episódio dessa semana mostrou o que pode vir de encontro ao protagonista no restante dessa temporada. O homem de preto, que estivera no funeral do vizinho de Kyle finalmente se revela como um demônio – não que fosse uma grande surpresa, mas o fato de estar “encarregado” do reverendo e o exilado certamente traz uma certa preocupação. Sabemos que ele é diferenciado de alguma forma, especialmente pela forma como o diálogo entre ele e a velha possuída é construído – há um medo no discurso da senhora e ela especificamente se refere à aparência do sujeito como uma forma de fantasia, nos levando a crer que não se passa apenas de um caso a mais a ser exorcizado.

O tempo, portanto, fecha em torno de Barnes e Anderson, ao passo que Outcast se prova, semana atrás de semana, como uma das melhores séries estreantes deste ano. Até agora não tivemos nenhum deslize, pequenos defeitos aqui e lá, sim, mas nada gritante, demonstrando um domínio de Chris Black sobre a obra que conduz. Torçamos para que os muitos mistérios apresentados nos levem a um desenvolvimento e finale satisfatórios.

Outcast – 1X05: The Road Before Us (EUA, 1 de julho de 2016)
Criação:
Robert Kirkman
Showrunner: Chris Black
Direção: Craig Zobel
Roteiro: Robin Veith
Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt, David Denman, Julia Crockett, Kate Lyn Sheil, Reg E. Cathey, Gabriel Bateman, Callie Brook McClincy, Brent Spiner, Zach Shirey
Produtora: Cinemax
Disponibilização no Brasil (à época da elaboração da crítica): Canal Fox
Duração: 60 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.