Crítica | Penny Dreadful 1X06: What Can Join Together

estrelas 3

À medida que o tempo foi passando e a série se aproximando do seu season finale, a preocupação com a resolução de toda a trama que se deu em torno do desenvolvimento de Penny Dreadful se tornou uma constante. Se anteriormente as dúvidas estavam centradas na capacidade de conclusão do vasto roteiro, agora vigora o temor de que o fim da história esteja bem diante de nossos olhos e nos aguarde com previsibilidade e poucas surpresas.

O 6º episódio da temporada serviu, acima de tudo, para confirmar a série de eventos que foram desenvolvidos durante a temporada. Digo confirmar, pois What Can Join Together pouco acrescenta ao conteúdo da série e é em nada conclusivo.

Temos aqui, finalmente, o encontro entre Vanessa e Dorian Gray, o que não é surpresa alguma, visto que a série já vinha dando inúmeros índices de que isso aconteceria em algum momento. Numa sequência de cenas muito bem construída. Reeve Carney está bem longe de ser genial como Eva Green e parece nunca convencer em seu papel, mas, juntos, conseguem mostrar entrosamento e fazem um bom trabalho.

Os demais núcleos aparecem sem muitas novidades. Brona está mais doente que nunca e Chandler aparenta mesmo ter afetos pela moça. As pesquisas de Victor Frankenstein ganham mais corpo, mas são atrapalhadas pela morte do Professor Van Helsing, que parece ter servido apenas de filler nos míseros dois episódios em que aparece. A Criatura permanece na busca por uma companheira e parece a ter finalmente encontrado.

O clímax do episódio tem lugar em um navio cargueiro. Sir Malcom, Chandler e Sambene empreendem mais uma expedição em busca de Mina. A série ganha pontos com os momentos de ação e o contraste que apresentam juntos aos instantes de suspense. O único e grave problema é que as cenas de mais movimento e adrenalina de Penny Dreadful são muito parecidas. Cenas com o mesmo formato estão presentes em pelo menos 4 dos 6 episódios que foram ao ar até agora. Isso revela uma construção narrativa preguiçosa que parece ter encontrado uma forma e nela encaixa seu enredo.

Sobre todos os aspectos técnicos e plásticos, a série se mantém impecável. Não temos aqui o uso do terror pelo terror, mas sim uma preocupação em associar uma gama de elementos conceituais que abarcam um universo muito maior em que Penny Dreadful está inserida. Espero somente que os dois próximos episódios possam suprir a pouca aplicabilidade deste e dar conta de uma temporada que precisa urgentemente de um caminho.

Penny Dreadful 1X06: What Can Join Together (EUA, 2014)
Showrunner: John Logan.
Direção: Coky Giedroyc.
Roteiro: John Logan.
Elenco: Eva Green, Josh Hartnett, Timothy Dalton, Harry Treadway, Billie Piper, Reeve Cartney.
Duração: 50 min.

FILIPE MONTEIRO . . . O exército vermelho no War, os indianos em Age of Empires, Lannister de Rochedo Casterly. Entrou em órbita terrestre antes que a Estrela da Morte fosse destruída, passou pela Alameda dos Anjos, pernoitou em Azkaban, ajudou a combater o crime em Gotham e andam dizendo por aí que construiu Woodburry. Em uma realidade alternativa, é graduando em Jornalismo, estuda Narrativas e Cultura Popular, gosta de cerveja e tempera coentro com comida.