Crítica | Preacher – 2X12: On Your Knees

Preacher-Jesse-Get-On-Your-Knees plamo critico
Há SPOILERS! Clique aqui para ler todas as críticas dos episódios. E clique aqui para ler todas as críticas dos quadrinhos.

.
É com grande apreensão e dúvidas que chegamos ao final deste penúltimo episódio de Preacher. Toda a Segunda Temporada, na verdade, foi pautada por esta apreensão. Depois da excelente abertura, em On the Road, que tinha todos os bons ingredientes que marcaram a 1ª Temporada, demorou um pouco para termos algo no mesmo nível. Só em Dirty Little Secret é que outra excelente trama se apresentou, embora tenhamos passado pelo também muito bom Damsels, que representou o primeiro encontro de Jesse com aquele que ele estava procurando, mas de uma maneira que não pudesse ser reconhecido. O que tiramos disso é que este segundo ano do show trouxe muito mais arcos do que deveria e pareceu se debater em apenas um aspecto deles ao longo do ano, com exceção dos três capítulos já citados. E isso é um problema.

Já no momento de ligar os pontos para o Finale, temos novamente o arco do Santo dos Assassinos ganhando destaque, agora para dar o golpe final de separação entre Jesse, Cass e Tulipa, pelo menos em um primeiro momento. Como bônus, tivemos o Santo voltando para o Inverno (e pedindo uma audiência com Satã, o que foi ótimo) e a estranha e de certa forma patética fuga de Eugene, ajudado por Hitler. O que me parecera uma ideia interessante lá em Viktor, chegou ao final desta temporada como uma incômoda pedra no sapato que ainda causará desconforto, pois os roteiristas precisam se livrar do problema e parece que qualquer coisa que se coloque nesse bloco, mesmo com o tom violento e cínico da temporada anterior, não funciona mais.

O que pode nos confortar um pouco é que ainda existe bastante coerência na forma como o ciclo dramático da temporada está se fechando, apesar de muitos tropeços, exageros e ausências no desenvolvimento. O esforço dos produtores agora é fazer uma ponte entre o “problema” que eles criaram e os ingredientes que aproximam a série das HQs. Já foi comentado aqui no site, pelo Ritter Fan, na minha crítica de Call and Response, o interessante estilo “louco e genial” da série. A forma como os quadrinhos foram utilizados — em sua essência, não em seu rastro — e as mudanças feitas para algo novo, em uma espécie de Preacher Terra-2 ainda parecem funcionar, mas não no mesmo bom nível que fora a 1ª Temporada.

Ainda podemos destacar com bastante precisão a direção de fotografia para o apartamento de Cass — até aqui, me parece o lugar que mais atenção constante recebeu desse setor da produção — e a direção de arte, primeiro para o passado do Santo dos Assassinos e depois para a casa de Tracy. Apesar desses dois blocos serem lentos, não funcionarem ou parecerem soltos no restante enredo, eles certamente possuem um bom cuidado técnico, bem, exceto da parte da edição, que usa muitos fades sem necessidade, dando uma impressão de que o início do episódio era tão somente uma sequência de curtas-metragens acoplados.

Agora é esperar o que deve acontecer com o Lord Jesse. Notem que a falha na voz do pastor voltou a ocorrer, e talvez isso não seja bem a presença de alguém da família de Jesse, mas uma tecnologia do Graal, que consegue colocar ruídos na voz, impedindo que ela atinja diretamente o receptor da ordem. Claro que a deixa para caminhos opostos entre os protagonistas é apenas uma jogada momentânea, mas o status temporal da relação entre o trio deverá ser o principal ponto na temporada seguinte. Agora com todo mundo assumindo o desaparecimento de Deus, parece que a maior preocupação não é encontrá-lo, mas substituí-lo. Dentro da escatologia cristã isso é muito parecido como a chegada do Anticristo, que certamente Jesse deve representar, ao menos no conceito analítico atual de seu personagem. Se ainda for mantida a essência dos quadrinhos e a profusão de arcos e enrolação não mais existirem, há uma boa promessa para a Quarta Temporada. Mas antes, que venha o Finale.

Preacher 2X12: On Your Knees (EUA, 4 de Setembro de 2017)
Direção: Michael Slovis
Roteiro: Sam Catlin, Rachel Wagner (baseado nos personagens de Garth Ennis e Steve Dillon)
Elenco: Dominic Cooper, Joseph Gilgun, Ruth Negga, Ian Colletti, Julie Ann Emery, Ted Ferguson, Gianna LePera, Graham McTavish, Terence Rosemore, Noah Taylor, Pip Torrens
Duração: 44 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.