Crítica | Preacher – 3X01: Angelville

PLANO CRITICO PREACHER ANGELVILLE PLANO CRITICO

  • Há SPOILERS do episódio e da série. Leia, aquias críticas dos outros episódios.

A estagnação dos eventos de Preacher em New Orleans, ao longo da temporada passada, foi algo que impediu a série de alçar voos mais altos. Embora o resultado final tenha sido bom (no entanto, inferior à 1ª Temporada), os showrunners precisavam de algo que trouxesse vigor à saga, e isso veio com o crescendo do bloco de Herr Starr e a consequente morte de Tulipa, com Jesse impedindo que Cassidy transformasse a moça em vampira. O resultado? A entrada em cena da única pessoa que Jesse conhecia que poderia ajudar com a morte de alguém. Sua querida, bondosa e amada vovó Marie. Com um misto de histórias iniciais pinçadas em Até o Fim do Mundo e já sugerindo coisas de Orgulho Americano, Histórias Antigas e Rumo ao Sul, foi dada a largada para a magia negra e para algumas outras formas de manifestações divinas e demoníacas na série. O trio protagonista chega à infame propriedade de Angelville.

Escrito por Sam Catlin, o episódio não cria exatamente muita coisa nova, pois se trata de uma trama de apresentação. Se compararmos com as outras duas estreias do show, PilotOn the Road, estamos em um mar de rosas, mas só quando olhamos para a quantidade de ação presente. Sim, existem blocos de lutas, mas eles não são nem de longe a grande atração: temos coisas mais interessantes, mais preocupantes e mais intrigantes para prestar considerar aqui, e por isso tudo, podemos dizer… Marie, a avó de Jesse, interpretada por Betty Buckley. Sim, existem mudanças na personagem em relação à HQ, mas em nenhum momento a vovó da série se mostra limpinha ou livre de horrores, com já andam falando aos quatro ventos pelas redes sociais.

O “novo” olhar para vovó constrói uma personagem tão podre quanto a que temos no original, mas com uma face e um comportamento mais… ‘sociável’, por assim dizer. Aqui, ela não é uma bruxa desde o primeiro olhar. Ela é alguém amaçadora, uma mulher má, todavia, com uma máscara de mistério, num comportamento capaz de enganar alguns, algo que Betty Buckley encarna com perfeição. Para mim, funcionou bem e, dentro da proposta da série — aliás, a mudança da Presença de Deus já indica outra guinada de rumos — deve gerar uma extensão muito maior de sua presença na vida do neto, que tem um pacto de sangue para honrar. Oh, Jesse… cuidado com o que deseja.

Michael Slovis volta a dirigir um episódio do programa, e seu trabalho habilidoso com filmagens em internas faz das cenas com vovó as mais interessantes, ao lado do excelente bloco no Purgatório. Não vou fazer a linha de crítico insuportavelmente exigente, mas devo dizer que direção de arte da série já fui muito mais ousada do que foi aqui. E trago esse assunto à tona não porque não gostei do desenho de produção neste capítulo. Da fotografia à forma como os sets nos foram apresentados, o episódio vai bem. Mas notem que as cenas no Purgatório. Apesar de conceitualmente muito boas — uma variação do Inferno, em termos de confinamento, mas com um tom de cinza mais claro, possibilidades de contato externo e um tipo diferente de “tormento” –, esse momento poderia se ligar de maneira bem mais fluída com o restante da trama, algo que a montagem parece não ter se importado muito em fazer, o que acabou tendo um peso negativo na exposição visual.

O reencontro de Jesse com TC me pareceu bobinho demais, mas todos os momentos com Jody mantiveram o mesmo poder que observamos nos quadrinhos, mostrando o tipo de pessoa que ele é e como Jesse está cercado de perfídia, tanto pela presença dominadora e demoníaca da avó, quanto por esse cão de guarda que odeia o “menino Custer”. Agora conhecemos o lugar, a família e temos uma pista sobre Deus. Vamos esperar para ver até onde a Sua Divina Graça irá nos levar.

Preacher 3X01: Angelville (EUA, 24 de junho de 2018)
Direção: Michael Slovis
Roteiro: Sam Catlin (baseado nos personagens de Garth Ennis e Steve Dillon)
Elenco: Dominic Cooper, Joseph Gilgun, Ruth Negga, Graham McTavish, Ian Colletti, Pip Torrens, Noah Taylor, Julie Ann Emery, Malcolm Barrett, Colin Cunningham, Betty Buckley, Jeremy Childs, Liz McGeever, Charles Green, Kristin Daniel, Jibrail Nantambu, Tadasay Young, Beth Burvant, RaeLynn Bratten, Keith Burke, John Wilmot, Kelly Murtagh, Renes Rivera, Mike Howard, Michael Martin
Duração: 41 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.