Crítica | Quarteto Fantástico – Especial de Aniversário de 100 Anos da Marvel

estrelas 4

Se o leitor estiver se perguntando – com razão – se o título dessa postagem, que fala de 100 anos da Marvel, está correto, saiba que está. Caso queira entender exatamente (ou quase) a razão para isso, leia minha crítica do one-shot dos Guardiões da Galáxia dentro desse “projeto” comemorativo da editora, bem aqui. Vá lá, eu espero.

Voltou?

quarteto fantastico aniversario marvel capaPois bem. Estamos no futuro, em 2061, com a Marvel ainda publicando suas histórias. Nesse futuro da editora, o Quarteto Fantástico mudou bastante. Nada de Reed Richards, Johnny Storm e Doutor Destino (não mais inimigo do Quarteto) que, junto com Franklin Richards, aparentemente morreram. Agora, o grupo não só é odiado e vigiado por uma polícia temporal, como é formado por Fantasm, identidade de Trin Richards-Banner e seu irmão gêmeo Slip, identidade de Kirby Richards-Banner (filhos de Valeria Richards com Bart Banner, filho de um tal de Bruce Banner), além de Enchantress, identidade de Victoria Harkness (neta de Destino) e o novo Tocha Humana, Lee Minh Cam. Se alguém tem alguma dúvida, os nomes Kirby e Lee, lógico, não foram escolhidos aleatoriamente e são homenagens a Jack Kirby e Stan Lee, os co-criadores do Quarteto, em 1961.

O interessante do número especial é que ele realmente é uma publicação como se estivesse sendo lançada no futuro, ou seja, não há explicações muito detalhadas sobre quem é quem. Os novos heróis estão lá e a breve história da aparente morte de Reed, Johnny, Victor e Franklin só é contada pois ela é importante para os eventos contados nas breves 22 páginas. Entramos no bonde com ele andando mesmo.

E o bonde não para e, por incrível que possa parecer, resulta em uma história engajante e divertida. Todas as marcas registradas do Quarteto Fantástico clássico estão lá para quem quiser ver, com o bônus de uma Sue Richards envelhecida, mas mais badass do que nunca mostrando a que veio. O novo Quarteto, apesar do espaço apertado que Jen Van Meter tem para trabalhar o roteiro, gera curiosidade e seus membros são suficientemente bem trabalhados para todos fazerem perfeito sentido depois de uma ou duas páginas de ajuste.

A arte de Joanna Step, que também faz as cores, tem uma qualidade etérea interessante, com uma espécie de verniz suave por toda a narrativa. Mas ela não hesita em trazer muitos detalhes gráficos para a história, cuidando para que a tecnologia que vemos pareça funcional dentro desse futuro possível. Seus rostos e corpos são esguios – mesmo o do Coisa, ao menos comparativamente – e com poucos, mas certeiros traços, algo que combina perfeitamente com a aura de fábula que ela acaba imprimindo.

Essa história tem uma pseudo continuação na edição comemorativa dos Guardiões da Galáxia, o que ajuda na impressão de “formação de universo” que essa jogada de marketing da Marvel parece criar. Fica, porém, um gosto de “quero mais”, de que há potencial inexplorado nesse trabalho que, talvez, merecesse atenção da editora. Quem sabem esse Quarteto não volta um dia?

Quarteto Fantástico – Especial de Aniversário de 100 Anos da Marvel (100th Anniversary Special: Fantastic Four, EUA – 2014)
Roteiro: Jen Van Meter
Arte: Joanna Estep
Letras: VC’s Joe Sabino
Tradução: Levi Trindade
Editora (nos EUA): Marvel Comics
Data de publicação (nos EUA): julho de 2014
Páginas: 22

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.