Crítica | [REC] Possuídos

estrelas 3,5

[REC] foi uma das grandes surpresas para o gênero do horror em 2008. Além de oferecer uma história simples e que realmente era capaz de provocar medo e sustos genuínos, garantiu um uso inovador do banal formato do found footage, fornecendo uma experiência imersiva como não víamos desde A Bruxa de Blair. Com o sucesso do filme na Espanha e ao redor do filme, uma improvável sequência foi anunciada pelo Filmax, e cá estamos em [REC] Possuídos.

Novamente escrito e dirigido por Jaume Balagueró e Pablo Rosso (e com Manu Díez juntando-se ao roteiro), a trama começa imediatamente após os eventos sinistros do primeiro, com uma equipe policial de elite sendo enviada para o prédio em quarentena e averiguar a situação. Armados com metralhadoras e uma série de câmeras gravadoras, a equipe se deparará com o horror do vírus e muitas reviravoltas.

É uma tarefa ingrata produzir continuações no gênero do terror, já que ela raramente se equiparam ao nível do original. Como havia dito em minha crítica sobre o ótimo Invocação do Mal 2, um dos grandes exemplos dessa estratégia foi uma mudança na tonalidade do gênero como a que James Cameron adotou ao fazer Aliens, o Resgate, que transformava o terror claustrofóbico de Alien, o Oitavo Passageiro em um épico de ação com fortes toques de horror. O que Balagueró e Rosso fazem aqui é muito parecido com a saída de Cameron, a começar pelo fato de termos protagonistas militares que têm a capacidade de lutar diretamente com a ameaça antagonista.

Mas se Aliens é essencialmente um filme de ação/aventura, [REC] 2 é um terror pesado com alguns toques de ação. Mesmo que nossos protagonistas tenham armas de fogo, estão completamente despreparados para os ataques dos infectados, que aqui são revelados como hospedeiros de um vírus que provoca possessão demoníaca; descartando a denominação de zumbis que os permeavam no original. A presença de múltiplas câmeras espalhadas entre os personagens possibilita sequências muito bem elaboradas, principalmente quando dois personagens se separam e temos uma estética de picture in picture para acompanhar ações paralelas.

O problema começa quando os cineastas veem a necessidade de enfiarem uma segunda história no filme, protagonizada por um grupo de adolescentes babacas e nada carismáticos que acaba tendo seu caminho cruzado com o dos policiais e o prédio em quarentena. Não acrescenta nada ao longa, apenas o choque e o elemento de surpresa quando vemos vestígios de sua narrativa sob o ponto de vista dos policiais. No fim, tudo se amarra e comprova a inutilidade do recurso, ainda que tenha sido um experimento interessante.

A expansão da mitologia, porém, funciona. O clímax do original já sugeria algo muito maior do que um mero vírus, trazendo referências à exorcistas, possessões e a própria Igreja Católica, e [REC] 2 leva isso além com reviravoltas muito interessantes. O retorno de Manuela Velasco na pele de Angela Vidal é outro ponto fascinante, rendendo uma clara inspiração no arco de Ellen Ripley e uma conclusão instigante e que novamente faz ótimo uso da fotografia found footage.

[REC] Possuídos é uma boa continuação que sabiamente soube explorar as fronteiras do terror e expandir seu universo para novos temas e gêneros, sendo o de ação uma boa saída.

[REC] Possuídos ([REC]², Espanha – 2009)

Direção: Jaume Balagueró e Pablo Rosso
Roteiro:  Jaume Balagueró, Pablo Rosso e Manu Díez
Elenco: Jonathan D. Mellor, Manuela Velasco, Óscar Zafra, Ariel Casas, Alejandro Casaseca, Claudia Silva, Javier Botet
Duração: 85 min

LUCAS NASCIMENTO . . . Estudante de audiovisual e apaixonado por cinema, usa este como grande professor e sonha em tornar seus sonhos realidade ou pelo menos se divertir na longa estrada da vida. De blockbusters a filmes de arte, aprecia o estilo e o trabalho de cineastas, atores e roteiristas, dos quais Stanley Kubrick e Alfred Hitchcock servem como maiores inspirações. Testemunhem, e nos encontramos em Valhalla.