Crítica | Red Dead Redemption: Undead Nightmare

estrelas 5,0

Como já disse em minha crítica de Red Dead Redemption, o game da Rockstar é uma perfeita amálgama dos diferentes subgêneros do western, utilizando elementos que vão do clássico, passando pelos northerners até o spaghetti. Porém, as inúmeras referências do jogo deixaram de fora aquela referente ao horror western, algo que é “consertado” aqui em Undead Nightmare através de, como o nome já deve deixar bastante explícito, zumbis. Afinal, o que pode dar errado em misturar o Velho Oeste com os decrépitos canibais? E se você é um daqueles que leva a (incrível) história de Red Dead muito a sério para sequer contemplar este dlc, peço que reconsidere pelos fatores que apresentarei a seguir.

Undead Nightmare pode ser encarado de duas formas. A primeira delas é admitir que tudo se passa em um sonho ou uma realidade alternativa; já a segunda, e que considero mais divertida e ousada, é considerar que os eventos transpassados aqui fazem, de fato, parte da cronologia de Red Dead, ainda que essa linha de raciocínio traga uma ou outra inconsistência narrativa. Com um preciso posicionamento na linha do tempo do game – após Marston reencontrar sua família – a Rockstar abre espaço para a imaginação do jogador, tornando possível inúmeras teorias de como o apocalipse zumbi quase tomou a Terra – ou, ao menos, o norte do México e Sul dos EUA.

undeadnightmare-1-pc

Rick Grimes não está com nada!

A premissa é bastante simples, herdando de gigantes como o clássico A Noite dos Mortos Vivos e os mais recentes Extermínio e The Walking Dead (os quadrinhos, não a série). John Marston acorda uma noite e descobre que um estranho sintoma abala Uncle, que ataca a esposa e filho de John. Logo após esta crise ambos são transformados em zumbis e o cowboy deve percorrer as planícies infestadas de criaturas canibais atrás da cura para tal aflição. A jornada, contudo, está longe de ser tão curta quanto ele próprio esperava (similarmente ao que acontece no jogo base) e Marston deve encontrar diversos dos icônicos personagens apresentados em Redemption para progredir em sua missão.

Apesar de ser um dlc, Undead Nightmare pode ser facilmente visto como um standalone (e de fato foi lançado nesse formato posteriormente). Com inúmeras missões, sidequests e colecionáveis, o jogo pode ocupar o jogador por horas a fio, trazendo não só uma divertida história como mecânicas diferenciadas. A primeira – e mais óbvia – é a resistência dos zumbis aos tiros normais, algo que deve ser contornado através dos clássicos headshots. Marston novamente tem acesso a seu extenso arsenal e cabe ao jogador escolher qual a melhor maneira de se livrar das criaturas sedentas pelo seu sangue.

Um ponto notadamente interessante da expansão é como as diferentes áreas trazem uma peculiar sensação ao jogador. O clima de terror realmente se faz presente e a cada momento esperamos nos deparar com um zumbi – os riscos estão maiores que nunca. Cavalgar pelo deserto definitivamente não é a mesma coisa do que em Redemption, nos fazendo sentir como se realmente estivéssemos em um game verdadeiramente distinto. As diferenças estéticas tanto no céu quanto nas cidades ampliam esse fator, criando uma efetiva atmosfera de tensão.

Wow there!

Wow there!

Além disso, o dlc traz os famosos random encounters, que garantem uma maior dinâmica ao cruzarmos de um lado ao outro o mapa. Um deles, em específico, traz uma divertida referência ao famoso episódio da resistência de General Custer. Esses eventos, em geral, recompensam o jogador com munições, uma verdadeira iguaria dentro desse mundo devastado. Muitas dessas ocasiões, assim como o modo história, trazem pitadas do humor negro característico da Rockstar. Porém, o que realmente é um gigantesco atrativo dentro da expansão é a busca pelos cavalos do apocalipse. Cada um com uma habilidade única, esses devem ser adquiridos em condições específicas – trata-se de uma tarefa igualmente difícil e recompensadora, estendendo o tempo que ousamos permanecer no hostil deserto do jogo.

Undead Nightmare é um conteúdo adicional que não deve ser deixado de lado. Conta com a mesma qualidade de seu jogo base e merece ser conferido por qualquer um que tenha terminado Red Dead Redemption. Com um humor ácido, um divertido modo história, mecânicas e conquistas diferenciadas, temos aqui um game que nos permite mergulhar por horas e horas dentro do rico universo criado pela Rockstar, dessa vez, no horror western.

Red Dead Redemption: Undead Nightmare
Desenvolvedor:
 Rockstar San Diego
Lançamento: 26 de Outubro de 2010
Gênero: Ação
Disponível para: PS3, Xbox 360

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.