Crítica | Sherlock 3X03: His Last Vow

estrelas 4

Charles Augustus Magnussem. O episódio abre com uma cena que aos poucos forma a nossa ideia de quem é esse homem. Já tínhamos o visto de relance nos momentos finais do primeiro episódio, mas nada além disso. Aos poucos descobrimos que ele é o maior chantagista, ou como ele próprio diria, o dono de grande parte da civilização ocidental. Londres, é claro, está inclusa. A introdução finaliza com uma indagação digna de quadrinhos de super-herói: quem poderá ir contra esse homem? A resposta você pode imaginar.

Esse terceiro episódio da terceira temporada acaba sofrendo com dois problemas, em geral oriundos dos outros dois que o antecederam. Eu mantenho minha crítica a eles: acredito que funcionam de maneira impecável separadamente, contudo, onde estava a ameaça do vilão que tentam formar no capítulo de encerramento? Ao fazerem essa escolha de somente construí-lo no terceiro episódio, Moffat e Gatiss poderiam ter ocupado mais tempo desse para elaborá-lo melhor. A ameaça do chantagista é clara, mas somente está presente em algumas situações.

Essa sensação de falta de perigo é também causada pela presença de um drama que estoura no meio do episódio e acaba tirando o foco de Magnussen. Nesse sentido o episódio oscila entre o perigo e o dramático, sem conseguir manter os dois ao mesmo tempo na tela (um lado esquecendo do outro).

Mas até aqui parece que não teve nada de bom. Muito pelo contrário. His Last Vow conta com plot twists geniais, especialmente aqueles ligados ao vilão – ao serem revelados não se pode deixar de pensar que estavam debaixo de nosso nariz, mas muito bem mascarados. As cenas que temos o chantagista na tela são de tirar o fôlego, ao vermos o desafio que ele representa para o detetive e também, seu poder que é muito bem sutilmente empregado. Tal retratação do personagem somente é possível pela ótima atuação de Lars Mikkelsen, irmão do também talentoso Mads Mikkelsen.

Ao falar de atuação, porém, eu não poderia deixar de incluir os dois atores principais. Tanto Benedict quanto Martin deixam ainda mais explícito a alma que dão a Sherlock e John. Esse episódio está repleto de cenas bastante específicas que deixam isso claro.

A trilha sonora se mantém a mesma que conhecemos e muito bem se encaixa na obra, mas com uma adição ideal: o tema referente a Magnusson. É uma música forte que consegue passar com exatidão o porte do adversário de Holmes. Sua ameaça é ainda mais solidificada por ela, construindo perfeitamente o único homem que Sherlock realmente odeia.

Eu não poderia fechar, é claro, sem falar dos momentos finais do capítulo, que nos deixam em um gigantesco cliffhanger. De um dramático encerramento pulamos para o inacreditável, o impossível (como o próprio Mycroft considera) e à ansiedade.

His Last Vow encerra a terceira temporada com alguns tropeços, mas nos oferecendo, ainda assim, um fantástico episódio. Ele conta com alguns problemas de ritmo, mas que consegue se estabelecer no final. Temos mais uma referência (dessa vez muito mais explícita) ao uso de drogas por parte do detetive, fato que somente descobri recentemente, já que as edições brasileiras da obra de Doyle censuram tal característica de Holmes. É um episódio que irá deixar o espectador na ponta da cadeira em diversos momentos, proporcionando um gigantesco cliffhanger.

Obs.: Assistam até depois dos créditos.

Sherlock 3X03: His Last Vow (UK, 2014)
Showrunner: Steven Moffat, Mark Gatiss
Roteiro: Mark Gatiss, Steve Thompson, Steven Moffat, Sir Arthur Conan Doyle (baseado em seus livros)
Elenco: Benedict Cumberbatch, Martin Freeman, Lars Mikkelsen,  Jonathan Aris, Rupert Graves, Mark Gatiss, Louise Brealey, Una Stubbs, Amanda Abbington.
Duração: 90 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.