Crítica | Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma (Trilha Sonora Original)

estrelas 4,5

Quando George Lucas arriscou voltar para o universo de Star Wars em maio de 1999 com sua nova trilogia, ele não poderia deixar de fora o compositor John Williams. Responsável por todas as músicas dos filmes anteriores e uma infinidade de temas clássicos do cinema, Williams retornou para compor a trilha de Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma, assim como dos filmes seguintes. Ele gravou o álbum com a Orquestra Sinfônica de Londres e o grupo de coro London Voices no Abbey Road Studios da EMI, em fevereiro de 1999.

A trilha começa com o obrigatório tema clássico da saga, que acompanha a leitura do texto de abertura, logo para nos lançar na cena de invasão à Federação de Comércio pelo cavaleiro Jedi Qui-Gon Jin e seu Padawan, Obi-Wan Kenobi. Aí, Williams traz a aventuresca e heróica Fighting the Destroyer Droids, que logo se converteria em um dos principais temas para os Jedi nos filmes da nova trilogia – e também iconizar uma série de videogames relacionados à saga (quem lembra de Star Wars: Jedi Power Battles?). Na mesma linha, The Sith Spacecraft & The Droid Battle e The Queen’s Protectors são grandes orquestras clássicas (especialmente nos fortes instrumentos de sopro) que ajudam a construir uma atmosfera empolgante, mesmo que a narrativa seja dominada por subtramas políticas que realmente diferem da Trilogia Original.

O Escolhido e O Odiado

Mas se a primeira trilogia era mesmo sobre o arco de Luke Skywalker, esta é sobre seu pai: Anakin Skywalker, o futuro Darth Vader. Anakin’s Theme é uma dócil composição com instrumentos de sopro, que ajuda a capturar a inocência do jovem escravo e também seus dons notáveis. À medida em que a música avança, Williams insere o lado trágico com cordas, chegando ao ponto em que traz trechos sutis do icônico Imperial March, antecipando sua futura transformação no cruel Darth Vader. A música, aliás, ajuda a transmitir sentimentos que nem o roteiro de Lucas ou o péssimo ator Jake Lloyd são capazes de passar, devendo muito a Williams pelo mínimo de apelo emocional que o arco de Anakin consegue desenvolver.

Um núcleo importante do filme é o da raça Gungan, que divide o planeta de Naboo com a corte da Rainha Amidala. De longe o personagem mais odiado de toda a saga, Jar Jar Binks ganha um tema brincalhão dominado por flautas e uma percussão divertida, enquanto os Gungans são tratados com um mistério quase místico, como observado em Swim to Otoh Gunga e Passage Through the Planet Core. E, claro, não poderíamos deixar de fora a faixa que encerra o filme, Augie’s Great Municipal Band, que mantém a tradição de uma balada alienígena, que agora assume um grandioso tom pop para a celebração dos heróis, mas que não consegue passar da breguice de temas como Jedi Rocks de O Retorno de Jedi.

O Aprendiz Sith

Esta peça de coral, que tem a ver com a luta de espadas e vem no final do filme, é o resultado do meu pensamento de que algo ritualístico e/ou pagão e antigo pode ser muito eficaz.

John Williams

https://www.youtube.com/watch?v=Q5ZY8Fz9GGU

Então chegamos naquele que é o tema mais fascinante não só de A Ameaça Fantasma, mas de toda a saga: Duel of the Fates. Tocada durante o confronto de sabres de luz entre Qui-Gon Jin e Obi-Wan Kenobi com o misterioso Sith Darth Maul, ela é uma faixa grandiosa e sombria, formada por uma orquestra épica e um poderoso canto ritualístico. Williams afirmou que sua inspiração do tema veio de seu desejo de apostar em elementos pagãos, além de trazer trechos do poema célta Cad Goddeu (em inglês, The Battle of the Trees), no qual árvores são enfeitiçadas por um bruxo para tornarem-se guerreiras, apenas para depois serem novamente transformadas em sua condição natural.

O compositor colaborou com amigos da Universidade de Harvard para encontrar um idioma apropriado para traduzir o trecho escolhido, e optou pelo sânscrito (um dos 23 idiomas falados na Índia), acreditando ser um belo e exótico som.Williams também afirmou que adotou o “efeito Hallellujah”, no qual a repetição constante da palavra – ou trecho, no caso – contribui na criação de uma atmosfera. Durante o coral, a tradução em inglês ou português não consiste em uma passagem coerente, já que o próprio Williams afirmou em uma entrevista que escolheu as palavras sânscritas que tivessem o melhor som.

A letra do coral de Duel of the Fates é a seguinte:

Kor-ah, Mah-tah, Kor-ah, Rah-tah-mah.

Kor-ah, Rah-tah-mah. Yood-hah, Kor-ah.

Kor-ah, Syahd-ho. Rah-tah-mah, Daan-yah. Kor-ah, Kee-lah, Daan-yah.
Nyo-hah, Kee-lah, Kor-ah, Rah-tah-mah. Syahd-ho, Kee-la, Kor-ah, Rah-tah-mah.
Kor-ah, Daa-nyah. Kor-ah, Rah-tah-mah.

Kor-ah, Daa-nyah. Kor-ah, Rah-tah-mah.
Nyo-hah, Kee-lah, Kor-ah, Rah-tah-mah. Syahd-ho, Kee-la, Daan-yah, Rah-tah-mah. Kor-ah!

É quase uma sensação religiosa, marcado pelos choques de sabres de luz no ponto alto do filme, como se fosse o momento pelo qual todos estávamos esperando, depois de aguentar papos de negociações, políticas e conspirações tediosas.

Ainda que o resultado da Trilogia Prelúdio tenha decepcionado a maioria dos fãs, é indiscutível que o trabalho de John Williams nesta seja um dos melhores de sua carreira. Ataque dos Clones e A Vingança dos Sith só iriam comprovar que o mestre viria com temas mais sombrios e empolgantes, comprovando que mesmo com os erros de George Lucas, o Mestre Williams estaria lá para trazer equilíbrio à Força.

—–

Leiam as críticas de todas as trilhas sonoras da franquia Star Wars, aqui.

Star Wars: Episode I – The Phantom Menace (Original Motion Picture Soundtrack)
Composto e conduzido por John Williams
País:
Estados Unidos
Lançamento:
1999
Gravadora:
Sony Classical
Estilo:
Música clássica, Trilha Sonora

LUCAS NASCIMENTO . . . Estudante de audiovisual e apaixonado por cinema, usa este como grande professor e sonha em tornar seus sonhos realidade ou pelo menos se divertir na longa estrada da vida. De blockbusters a filmes de arte, aprecia o estilo e o trabalho de cineastas, atores e roteiristas, dos quais Stanley Kubrick e Alfred Hitchcock servem como maiores inspirações. Testemunhem, e nos encontramos em Valhalla.