Crítica | Star Wars: Episódio II – Ataque dos Clones (Trilha Sonora Original)

estrelas 4,5

Mesmo com a recepção fraca para Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma, George Lucas segue seus planos para concluir a nova trilogia de sua space opera, agora apresentando Episódio II – Ataque dos Clones. Novamente, o mestre John Williams retorna para fazer a trilha sonora, e revela que seu talento é tão inabalável quanto no filme anterior.

Primeiramente, se o anterior era marcante pelo tema do Lado Sombrio lentamente se revelando com Duel of the Fates, Ataque dos Clones concentra suas forças no romance proibido entre Anakin Skywalker e Padmé Amidala. Assim, Williams cria o belíssimo Across the Stars, uma grande e poderosa orquestra que impressiona pelas notas mais lentas a fim de criar um tema que traduza toda a noção do amor entre os protagonistas, tendo inteligentes variações de instrumentos de sopro (especialmente a trombeta mais pesada) que os colocam dentro de uma tragédia e a chegada das Guerras Clônicas. No filme, realiza a impressionante proeza de servir tanto para cenas românticas (sendo o grande afrodisíaco da inexistente química entre os atores) quanto para grandes cenas de ação, na qual adotam uma variação dentro da escala épica – ver Love Pledge and The Arena. É uma faixa inesquecível que consegue ser ainda melhor do que o tema criado por Williams para a relação de Han e Leia em O Império Contra-Ataca.

Além do romance, a grande inovação musical fica com os clones do título, e seu originador: Jango Fett. Adotando uma marcha ameaçador que vai crescendo lentamente no final de Bounty Hunters Pursuit, Williams ainda traz alguns acordes de The Droid Army de A Ameaça Fantasma, ao passo em que traz uma vibrante orquestra para as cenas de ação envolvendo o caçador de recompensas. Jango’s Escape é usada na cena de ação perfeita – um duelo entre Obi-Wan Kenobi e Fett – com fortes instrumentos de sopro, uma divertida percussão de xilofone e uma longuíssima nota que mantém a tensão no momento em que o Jedi encontra-se pendurado por um fio.

Caçadores e assassinos de aluguel também ganham voz na longa Zam The Assassin And the Chase Through Coruscant, onde Williams acrescenta um rápido e ágil tambor para a personagem de Zam Wesell, levando a uma alucinante perseguição de speeders temperada por uma pontual guitarra distorcida. Finalmente, a faixa de 11 minutos termina com uma orquestra mais silenciosa para quando Anakin procura pela assassina Zam Wesell em um bar, e mesmo que todos nós saibamos que o futuro Darth Vader não vá morrer em meros 20 minutos de filme, a bela música de Williams consegue nos fazer temer por sua segurança.

Com exceção da magnífica faixa central e os caçadores de recompensa, John Williams não traz muito de novo para seu trabalho aqui. Muitos temas já haviam sido introduzidos em A Ameaça Fantasma, e funcionam bem para manter a continuidade, especialmente ao evocar Duel of the Fates na dramática Return to Tatooine, assim como o tema de Anakin e Amidala e algumas peças originais, na forma de sombrios instrumentos de corda para retratar o sequestro de Shmi Skywalker. De maneira similar, Williams traz de volta trechos de Imperial March para marcar o início das Guerras Clônicas e o exército da República, fechando magistralmente com o casamento secreto de Anakin e Padmé, em Confrontation with Dooku and Finale.

Ataque dos Clones não traz tantos temas originais quanto A Ameaça Fantasma, mas isso nem de longe representa um trabalho preguiçoso de John Williams. O veterano continua criando temas épicos e maravilhosos, dessa vez concentrando-se em um romance trágico que ganha força graças à poesia de seus poderosos instrumentos.

Porém, seria só no próximo Episódio que Williams revelaria uma face verdadeiramente inédita.

Star Wars: Episode II – Attack of the Clones (Original Motion Picture Soundtrack)
Composto e conduzido por John Williams
País:
Estados Unidos
Ano: 2002
Gravadora: Sony Classical
Estilo: Música Clássica, Trilha Sonora

LUCAS NASCIMENTO . . . Estudante de audiovisual e apaixonado por cinema, usa este como grande professor e sonha em tornar seus sonhos realidade ou pelo menos se divertir na longa estrada da vida. De blockbusters a filmes de arte, aprecia o estilo e o trabalho de cineastas, atores e roteiristas, dos quais Stanley Kubrick e Alfred Hitchcock servem como maiores inspirações. Testemunhem, e nos encontramos em Valhalla.