Crítica | Star Wars Rebels 2X05: Always Two There Are

estrelas 5,0

Aviso: spoilers aqui irá você encontrar

Always two there are, no more, no less: a master and an apprentice.

A Regra de Dois (ou Rule of Two), doutrina introduzida primariamente em A Ameaça Fantasma e posteriormente trabalhada em livros  do antigo Universo Expandido, dá as caras aqui em Always Two There Are, que traz de volta a inquisição, dessa vez, personificada por dois personagens.  O grau de qualidade da temporada, estabelecido em The Siege of Lothal se mantém aqui, nos oferecendo inúmeras informações importantes para a progressão deste ano e não apenas algo simplesmente filler, como é o costume em diversos seriados que encontramos hoje em dia.

Demonstrando uma coesão narrativa ainda maior que no primeiro ano da série, o episódio dá continuidade direta aos eventos do arco anterior, com o grupo de rebeldes seguindo as coordenadas das antigas bases republicanas e separatistas oferecidas por Rex. Ao chegarem em uma dessas, porém, eles se deparam com dois inquisidores e, sem a ajuda de Kanan, que permaneceu na base, devem escapar com vida. O roteiro de Kevin Hopps sabe inovar não só pela razão óbvia de trazer dois vilões, mas por colocá-los contra uma parte diferente do grupo. Em geral, na primeira temporada, víamos o sinistro personagem contra Ezra e seu mestre, enquanto que agora a luta cabe a Sabine, Zeb, o padawan e o pequeno astromech.

Outros pontos interessantes, porém, devem ser notados. O Inquisidor que conhecemos no ano passado é aqui referido como Grand Inquisitor, curioso se pensarmos que aqueles que veremos agora estão hierarquicamente abaixo e provavelmente em um grau de poder menos elevado, o que justifica o fato de terem sido despachados mais de um. Além disso, a diferença de táticas utilizada pela Seventh Sister (dublada com maestria por Sarah Michelle Gellar) e pelo Fifth Brother garantem um dinamismo nos encontros, além, é claro, de seus nomes remeterem a uma ordem ainda maior e que os vilões da temporada provavelmente não irão parar por aqui – algo que será crucial para a construção deste ano, já que Tarkin provavelmente não dará as caras novamente tão cedo.

A caracterização dos antagonistas é outro ponto que chama a atenção – enquanto o Inquisidor adotava um design não muito estranho ao que esperaríamos de um sith (por mais que ele não fosse um), aqueles que vimos aqui contam com uma maior variedade estética, em geral em suas roupas, que respeitam o visual imperial ao mesmo tempo que realçam as características de cada personagem. A mascara da Seventh Sister, em conjunto com sua voz, passam um ar sinistro que enche o espectador de calafrios, enquanto o Fifth Brother representa um aspecto mais bruto do lado negro – temos aqui a força (não com F maiúsculo, por favor) e a manipulação, dois lados cruciais da doutrina Sith.

Com os dois vilões apresentados, causando uma surpresa em Kanan, o que ajuda a construir o seu personagem, como um mestre autodidata em grande parte, logo, ignorante a muitos aspectos do Império, Star Wars Rebels finaliza a introdução de sua segunda temporada. Agora o que veremos, provavelmente, será a dinâmica gato e rato exibida em seu primeiro ano – esperemos, contudo, que os roteiristas saibam continuar cativando nossa atenção, sem cair na mesmice. Mais um episódio e mais cinco estrelas para Rebels!

Star Wars Rebels 2X05: Always Two There Are (EUA, 2015)
Showrunner:
Dave Filoni
Direção: Brad Rau
Roteiro: Kevin Hops
Elenco: Taylor Gray, Vanessa Marshall, Freddie Prinze Jr., Tiya Sircar, Steve Blum, David Oyelowo, Ashley Eckstein, Keone Young, Philip Anthony-Rodriguez, Sarah Michelle Gellar
Duração: 22 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.