Crítica | Star Wars Rebels – 3X01: Steps Into Shadow

estrelas 5,0

  • Obs.: contém spoilers do episódio.

Quando anunciaram que o Grão Almirante Thrawn apareceria na terceira temporada de Star Wars Rebels, muitos fãs da franquia foram à loucura. Por muito tempo se especulou que o vilão de Herdeiro do Império (e suas duas sequências) seria um dos antagonistas de O Despertar da Força e, quando a teoria caiu, de Rogue One. Mas somente agora, o icônico personagem criado por Timothy Zahn, ganha sua primeira aparição canônica dentro dessa galáxia muito, muito distante e dublado por ninguém menos que Lars Mikkelsen, mais recentemente conhecido pelo seu trabalho em Sherlock e House of Cards.

Thrawn não poderia aparecer em um melhor momento dentro da série. Após os eventos do final da segunda temporada, o pequeno grupo de rebeldes que acompanhados desde o início da animação foi profundamente abalado. Kanan está cego, Ezra flerta com o lado negro e Ahsoka foi, aparentemente, morta em seu combate contra Darth Vader. Estamos diante de uma grande mudança do status quo nessa equipe e já podemos enxergar isso claramente através da personalidade de Bridger desde os primeiros minutos desse primeiro capítulo, Steps Into Shadow. Há uma maior violência em suas ações, como se o jovem jedi não se importasse nem um pouco com as vidas ao seu redor, muito menos com a dos imperiais.

Sua disposição em metamorfose é muito bem representada pelo seu novo sabre de luz. Ele dispensa o lançador de projéteis da antiga em favor do design clássico, representando a confiança em suas próprias habilidades. E, de fato, Ezra cresceu muito desde os primórdios da série e não somente em tamanho. Desde seu manuseio da arma dos jedi, até o controle da Força em si, é interessante enxergar como seu afastamento, ainda que temporário, de seu mestre o tornou um jedi diferente. Enquanto Jarrus age com uma maior cautela, seu aprendiz demonstra uma maior audácia e até arrogância, criando um nítido paralelo entre Obi-Wan e Anakin.

O roteiro de Steven Melching e Matt Michnovetz fazem um bom trabalho em lidar com as pontas soltas deixadas na temporada anterior. Claro que nem todas são resolvidas, mas a cegueira de Kanan era uma das que precisavam ser trabalhadas mais cedo, por motivos óbvios. A decisão de utilizar o Bendu, dublado por ninguém menos que o 4º Doutor, Tom Baker, uma criatura que manuseia a Força sem ser um jedi, é bastante acertada, visto que Jarrus está carente de um guia. O interessante é como a sequência envolvendo os dois procede de maneira ágil – provavelmente ainda veremos mais essa criatura, mas aqui ela cumpre sua função, sem uma maior enrolação, que poderia prejudicar o ritmo do episódio.

O que mais se destaca em Steps Into Shadow é como ele é essencialmente diferente do season première da segunda temporada. Evidente que a presença de Darth Vader no outro garante uma carga dramática gigantesca ao episódio. O que temos aqui funciona de outra maneira. Vemos uma maior calma no roteiro, uma necessidade menor de espetáculo, como uma primeira jogada de xadrez, apenas construindo o que virá posteriormente e ninguém deixa isso mais claro que o Grão Almirante Thrawn.

Há uma tranquilidade gigantesca no personagem desde sua primeira aparição, ele realmente tem pouco tempo em tela nesse primeiro capítulo de Rebels, mas já podemos sentir nele uma total segurança do que faz, garantida perfeitamente pelo trabalho de dublagem de Lars Mikkelsen, que já provara antes como encarnar um fascinante antagonista. Thrawn não é movido pela emoção, pela raiva ou angústia como Vader, o Inquisidor e até mesmo Darth Maul, ele é um homem de tática e aqui tece os primeiros fios da grande teia na qual pretende prender os insurgentes. Sua decisão de deixar os rebeldes escapar no final do episódio é uma prova disso, ele sabe que uma guerra não se ganha apenas com vitórias imediatas, como dito antes mesmo dele aparecer, ele pensa no quadro maior, fazendo com que mesmo uma aparente derrota se transforme em uma posterior vitória, o que, por si só, já cria um interessante paralelo com o final de Herdeiro do Império e como não ficar tenso com essa serenidade do personagem? Logo se vê que o Grão Almirante irá mudar todo o cenário do seriado.

Steps Into Shadow se configura, portanto, como um capítulo bastante diferente de Star Wars Rebels. Não temos a grandiosidade de um season première como estamos acostumados, o que pode decepcionar alguns, o que vemos aqui é apenas a introdução de algo maior, que prefere nos trazer uma trama que foca no psicológico dos personagens enquanto insere outras peças no tabuleiro. Um ar mais sombrio é criado na animação e a elipse temporal criada entre a segunda e a terceira temporadas foi bem colocada para mostrar um maior crescimento de cada personagem. Com um novo vilão e inúmeros conflitos internos, esse terceiro ano da série definitivamente promete algo diferente do que vimos antes, possivelmente um capítulo mais sombrio da saga desse grupo de rebeldes.

Star Wars Rebels – 3X01: Steps Into Shadow (EUA, 2016)
Showrunner:
Dave Filoni
Direção: Bosco Ng, Mel Zwyer
Roteiro: Steven Melching, Matt Michnovetz
Elenco: Taylor Gray, Vanessa Marshall, Freddie Prinze Jr., Tiya Sircar, Steve Blum, Dee Bradley Baker, David Oyelowo, Tom Baker, Derek Partridge, Lars Mikkelsen, Stephen Stanton, Jim Cummings
Duração: 44 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.