Crítica | Star Wars Rebels – 3X20: Zero Hour

estrelas 4

  • Contém spoilers do episódio.
  • Confiram todas as nossas críticas da série aqui.

Depois de termos presenciado um dos encontros mais dramáticos de toda a série animada em Twin Suns, chegou a hora de testemunharmos o season finale da terceira temporada de Star Wars Rebels e a esperada batalha entre o Império e a Rebelião. Evidente que o hype estava prestes a atingir seu ápice logo no primeiro trailer desse último episódio, especialmente considerando que, enfim, veríamos Thrawn em ação de verdade, já que, segundo ele próprio, todos os outros encontros entre o vilão e os heróis foram apenas um ensaio para essa grande batalha. Zero Hour consegue atender às expectativas até o seu trecho final, no qual acaba jogando para o ar toda a tensão construída até aqui.

Na trama, os rebeldes estão prestes a atacar a fábrica imperial em Lothal – pouco, sabiam, contudo, que o Grão Almirante Thrawn já sabia de suas intenções e estava preparando uma defesa capaz de acabar com o grupo. Kallus, porém, consegue avisar a rebelião sobre isso, sendo em seguida capturado por Thrawn, que, através da transmissão de Fulcrum, descobre, enfim, a localização da base rebelde. Os heróis, portanto, devem agora se defender ao invés de atacar, na esperança de conseguirem evacuar seu quartel general antes que sejam dizimados pelo Império.

É praticamente impossível não notar o paralelo entre a premissa desse episódio e o início de O Império Contra-Ataca, tudo é elaborado a fim de nos remeter ao filme da trilogia original, a tal ponto que, mesmo com os rebeldes escapando, não sentimos como se isso fosse uma vitória. De imediato já temos a sensação de que tudo pode se perder aqui, algo que somente aumenta com cada nave rebelde destruída, em destaque o sacrifício do Comandante Sato, mostrando que a morte não é algo distante mesmo dentro desse desenho cujo público, também, é o infantil.

Já era esperado que o estúpido Almirante Konstantine iria desobedecer as ordens de Thrawn, colocando todo o ataque em xeque e, de fato, se ele houvesse seguido os planos do Grão Almirante, mesmo com a intervenção de Bendu, o resultado sairia a favor do Império. O grande problema de Zero Hour está justamente no Bendu, que atua como um gigantesco deus-ex machina, tirando todo o sucesso das mãos dos heróis, visto que, no fim, ele quem salva o dia, embora tenha almejado destruir, também, Kanan, que o irritara. Se há algo de bom a ser tirado desse fator é o trabalho de dublagem de Tom Baker, que já se destacara com a primeira aparição da criatura, através de sua voz imponente.

Há algo de interessante a ser extraído de toda essa situação, contudo. Até então, Thrawn não levava em consideração o poder da Força em seus cálculos, algo que o personagem original de Herdeiro do Império faz desde o início. É possível, portanto, que na próxima temporada (provavelmente a última) vejamos ele buscando uma forma de cortar a conexão dos Jedi com seus poderes. Além disso, é importante lembrar que no livro original, Thrawn também perde essa grande batalha inicial, o que não o impede de ir atrás de seus inimigos, dito isso, a adaptação parece estar se tornando cada vez mais fiel, mesmo que toda a trilogia não seja mais canônica.

A inclusão de Sabine na jogada foi outro grande acerto do roteiro de Steven Melching, não só por não esquecer da personagem, como por preparar o terreno para o futuro do seriado, visto que, no fim, ela diz que precisa resolver a situação com o seu povo. Dos maiores destaques que vemos nesses minutos finais, contudo, é a mudança de localização do grupo de rebeldes para Yavin-4, anunciando uma possível batalha de Scarif na próxima temporada, afinal, um dos easter-eggs de Rogue One é justamente a Ghost voando no espaço acima do planeta onde os planos da Estrela da Morte se encontram. Fica somente a dúvida de como a narrativa da série irá aproveitar a do filme, especialmente considerando que há dois Jedi nessa célula da rebelião.

Com um desfecho muito aquém do ideal, Zero Hour ainda conseguiu nos entregar um bom episódio de Star Wars Rebels, criando evidentes paralelos com O Império Contra-AtacaHerdeiro do Império, além de preparar o terreno para a nova temporada, que promete se diferenciar consideravelmente desta, já que Ezra, Kanan, Hera, Zeb e Chopper estarão agora abrigados em Yavin-4. O que exatamente isso significa para o futuro do desenho não sabemos, mas certamente denota uma promissora quarta temporada.

Star Wars Rebels – 3X20: Zero Hour (EUA, 2017)
Showrunner:
Dave Filoni
Direção:
Justin Ridge
Roteiro:
Steven Melching
Elenco:
Taylor Gray, Vanessa Marshall, Freddie Prinze Jr., Tiya Sircar, Steve Blum, Dee Bradley Baker, David Oyelowo,  Derek Partridge, Stephen Stanton, Jim Cummings, Sam Witwer, Nathan Kress, Tom Baker, Lars Mikkelsen
Duração: 
44 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.