Crítica | Star Wars Rebels – 4X05 e 4X06: The Occupation e Flight of the Defender

– Contém spoilers do episódio. Confiram todas as nossas críticas da série aqui.

Beirando o término dessa primeira metade da última temporada de Star Wars Rebels, era de se esperar que o grupo de Hera retornasse à Lothal, principalmente considerando a preocupação de Ezra em relação ao seu planeta natal. The OccupationFlight of the Defender dão início ao arco de quatro capítulos que marca o midseason finale, colocando Thrawn novamente em primeiro plano, enquanto os rebeldes tentam obter informações e sabotar a produção dos novos Tie Defenders, ainda mais poderosos que os modelos anteriores.

Mantendo a linha que vimos nas semanas anteriores, a dupla de episódios divide o grupo em núcleos menores, mantendo Ezra e Sabine lado a lado (junto de Chopper, ocasionalmente), enquanto que Kanan fica com Hera e Zeb com Ryder. Tal escolha do roteiro pode significar uma possível subtrama pessoal envolvendo os dois mais jovens – não necessariamente algo romântico, mas essa aproximação, já vista nos capítulos anteriores, certamente não é por acaso. Vale ressaltar como o texto claramente busca traçar um paralelo com os primórdios da série animada, não somente pela localização, como pela forma como os rebeldes agem, com menos recursos, sem apoio da Aliança como um todo.

É interessante observar como a costumeira ausência de urgência de inúmeros capítulos não se faz presente aqui, visto que o futuro de Lothal está em jogo, sem falar na própria Rebelião, que irá encontrar grandes problemas caso os Tie Defenders sejam, de fato, fabricados em larga escala. Além disso, as sequências de ação são muito bem conduzidas, sempre deixando bem claro o aperto no qual os personagens centrais se encontram – uma das poucas ocasiões que vemos stormtroopers colocarem pressão de verdade no grupo.

A mera presença do Grão Almirante também coloca toda a operação em xeque, com sua ameaça sendo constantemente ressaltada pela reação de Ezra ou a própria personalidade do vilão, sempre demonstrando calma, mesmo diante do perigo iminente. Apesar disso, depois de termos visto o antagonista planejar durante toda a temporada anterior, um pouco mais de ação seria conveniente, a fim de tirá-lo da mesmice – esperamos que a próxima dupla de capítulos resolva isso, caso contrário, a tensão provocada por ele poderá se esvair.

Não podemos deixar de lado, também, a aparição do misterioso lobo branco, que indica mais uma trilha espiritual para Bridger, algo que já estava fazendo falta nesse quarto ano, que, aliás, não tem colocado muito o aprendiz junto de seu mestre. O fato de somente ele conseguir enxergar a criatura demonstra que a Força irá trazer uma jornada pessoal ao personagem, algo que provavelmente será explorado em breve, talvez nos próximos dois episódios.

The OccupationFlight of the Defender, portanto, provam ser mais duas ótimas adições à série animada passada no universo Star Wars. Como primeira metade de um arco de quatro episódios, a escolha de fazer o grupo de rebeldes retornar à Lothal foi acertada, criando uma narrativa cíclica, que nos mostra o antes e depois desse planeta e dos próprios personagens. Resta torcer para que Thrawn saia da mesmice e prove ser um formidável antagonista e que Ezra aprenda mais sobre a Força – descobriremos isso nos próximos episódios, certamente.

Star Wars Rebels – 4X05/06: The Occupation e Flight of the Defender (EUA, 30 de outubro de 2017)
Showrunner: 
Dave Filoni
Direção:
Dave Filoni, Steward Lee, Saul Ruiz
Roteiro:
Christopher Yost, Dave Filoni, Steven Melching
Elenco: 
Taylor Gray, Vanessa Marshall, Freddie Prinze Jr., Tiya Sircar,  Cary-Hiroyuki Tagawa, Katee Sackhoff,  Andrew Kishino, Kevin McKidd, Dave Filoni, Sharmila Devar, Tobias Menzies, Lars Mikkelsen
Duração: 
44 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.