Crítica | Sully: O Herói do Rio Hudson

sully

estrelas 3,5

Às vezes é difícil para a ficção contar uma história real, ainda mais uma que pareça tão direta e simples. É um cenário onde facilmente o contador de histórias pode cair na velha armadilha da enrolação, de inventar elementos demais para preencher as lacunas e esticar a trama além do necessário, já que há também um serviço com a veracidade dos eventos. Com Sully: O Herói do Rio Hudson, o cineasta Clint Eastwood claramente tem problemas para manter o feito heróico do protagonista envolvente por seu curto tempo de duração, mas o resultado acaba pendendo mais para o positivo.

A trama dramatiza os eventos de Janeiro de 2009, quando o piloto Chesley ‘Sully’ Sullenberger (Tom Hanks) foi forçado a realizar um pouso de emergência no rio Hudson, logo após algumas aves danificarem as turbinas de seu avião. Carregando mais de 150 passageiros, o ato de Sully conseguiu deixar todos saírem com vida, em algo sem precedentes na história da aviação americana. Porém, a vida de Sully vira um tumulto com a pressão da mídia e da seguradora da companhia aérea, que acredita que o capitão poderia ter retornado ao aeroporto sem ter destruído a aeronave.

Eu sei o que você está pensando. Piloto de avião que faz uma manobra arriscada e sortuda para salvar um grupo de passageiros e depois ter sua atitude heróica questionada pela mídia e grandes corporações? Exato, é a mesmíssima premissa de O Voo, filme de Robert Zemeckis com Denzel Washington que foi claramente inspirado nos eventos do Milagre no Hudson. E ainda que tivesse seus problemas, o filme de 2013 é consideravelmente mais interessante do que Sully, já que ao menos beneficiava-se de um protagonista nada confiável e que no fundo sabíamos ser um canalha, enquanto Sully é inegavelmente uma boa pessoa, e vê-lo atravessar essa dor de cabeça de audiências e questionamentos da imprensa é um exercício de paciência, já que temos plena consciência de que todos ao redor estão errado.

É aí que o roteiro de Todd Komarnicki deixa a desejar, já que parece direto demais e sem muitoa criatividade na forma de elaborar a situação. Não temos muito diálogos memoráveis ou grandes insights sobre os personagens, ainda que o discurso final de Sully durante sua audiência com a empresa aérea seja de fato inspirada (assim como a bem-vinda piadinha do personagem de Aaron Eckhart). Porém, o fato de termos cenas de Sully aprendendo a voar quando criança, pousando um caça pela primeira vez ou todo o drama que o personagem passa pelo telefone com sua mulher – sem falar nas filhas que nunca vemos em cena – acrescentam em muito pouco.

O que torna a experiência interessante é o talento de Clint Eastwood, que mantém um bom controle da narrativa durante boa parte de sua duração de 90 minutos. O diretor acerta ao manter Sully isolado durante os momentos intimistas, apostando em planos abertos que diminuem o personagem em relação ao mundo, ou closes que tentam fazer o espectador literalmente entrar na cabeça do piloto. Porém, é mesmo a tal cena da queda do avião que deve interessar à maioria, e Eastwood faz um trabalho excelente ao manter a tensão e o perigo em uma escala crescente, algo que deve-se muito ao ótimo trabalho de mixagem de som do filme, cujos efeitos sonoros antecipam a queda da aeronave com realismo e imersão. Créditos também para o fato de que vemos essa sequência da queda durante três momentos diferentes, e Eastwood as dirige como se fossem diferentes, graças à troca de pontos de vista (em uma vemos os passageiros, na outra nunca deixamos a cabine do piloto, na terceira vemos a Marinha) e sua ótima condução.

O outro grande responsável por nos manter entretidos é o grande Tom Hanks. Com um visual marcante que inclui um bigode branco classudo, Hanks é eficiente ao trazer a calma e sabedoria de Sully até mesmo durante seus momentos mais tensos, jamais levando sua performance para algo grandiloquente ou dramático demais. Mesmo sofrendo tanta pressão e ciente de sua razão, Hanks mantém o nível de voz baixo quando a maioria das pessoas já estaria explodindo e quebrando paredes, rendendo esta que é uma de suas atuações mais sutis. Vale apontar também as ótimas cenas em que Hanks contracena com o subestimado Aaron Eckhart, onde podemos ver ali uma relação de camaradagem forte e divertida.

Prejudicado pela simplicidade da história e a dificuldade em torná-la atraente em níveis temáticos, Sully: O Herói do Rio Hudson torna-se competente graças ao ótimo trabalho em conjunto da performance de Tom Hanks e da direção de Clint Eastwood. Uma boa homenagem ao feito histórico do Capitão Sully, mas confesso que uma carreira de cocaína com Denzel Washington deixou a história bem mais interessante…

Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully) – EUA, 2016
Direção: Clint Eastwood
Roteiro: Todd Komarnicki
Elenco: Tom Hanks, Aaron Eckhart, Laura Linney, Anna Gunn, Mike O’Malley
Duração: 96 min

LUCAS NASCIMENTO . . . Estudante de audiovisual e apaixonado por cinema, usa este como grande professor e sonha em tornar seus sonhos realidade ou pelo menos se divertir na longa estrada da vida. De blockbusters a filmes de arte, aprecia o estilo e o trabalho de cineastas, atores e roteiristas, dos quais Stanley Kubrick e Alfred Hitchcock servem como maiores inspirações. Testemunhem, e nos encontramos em Valhalla.