Crítica | Supergirl – 1X06: Red Faced

estrelas 4Agora que voltamos a programação normal, parece que a Supergirl finalmente vai se encontrar como heroína, o que é uma pena tendo em vista que a série chegou a sua metade.

O que a princípio parecia ser disputa sobre triângulo amoroso, tornou-se algo a mais e que ninguém estava esperando. Kara possui sentimentos por Jimmy, mas o problema vai um pouco além do disso.

O episódio tem uma abordagem mais feminista do que os anteriores, focando bem na problemática que é ser mulher e ter papel de destaque no mercado de trabalho. Para isso Cat e Kara se unem e, novamente, a chefe passa a ter o papel da mentora que lhe falta algumas vezes. A heroína descobre que precisa aprender a canalizar sua raiva ou os habitantes vão vê-la como uma louca com super poderes e não é isso que ela quer, que a diminuam pelo fato de ser mulher e uma alienígena, motivo que a tem deixado bem irritada. Porém, como controlar se não sabe exatamente a origem da raiva?

E óbvio que a presença do General Lane e de sua filha não facilitou em nada a vida de Kara. Principalmente quando o General aparece com um projeto para testar a Supergirl e tudo indica que há segundas intenções nessa ideia. Entretanto, Kara quer demonstrar serviço e provar que não há nada que não possa fazer, mas, claro, que a situação foge ao controle, dando mais motivos para atiçar a desconfiança do General. Pelo menos assim ela conseguiu descobrir a real causa da sua raiva e canalizá-la. E não, não era por causa do triangulo amoroso, mas porque nunca poderá fazer parte de um romance assim. Sua vida de heroína e cheia de segredos não permite que tenha amores. Mais ou menos o dilema de todos os heróis existentes não é verdade? Achei a justificativa digna, pois raramente sentimos que fazemos parte de um lugar ou de algo. E ela começou a usar seus poderes para isso e não teve o retorno que esperava. A frustração teria que vir mesmo.

Quanto ao vilão, não dá para negar a semelhança com o personagem Visão da Marvel. Ambos possuem a mesma forma humanóide e foram criados por cientistas, sendo que um deles até chegou a aparecer na segunda temporada de Arrow. Ele também se torna o mentor da Young Justice em determinado momento, mas sempre fez parte dos quadrinhos da Supergirl. Foi uma boa adição à série e tornou as cenas de ação, geralmente falhas, divertidas e interessantes. Todavia, o mesmo não pode ser dito da caracterização do personagem em si, parecendo mais fazer parte dos Power Rangers. O que foi aquela roupa meio purpurinada de vermelho? De muito mal gosto.  

Toda a intriga com o Henshaw não está tão bem elaborada como deveria. Não tem o ar de mistério necessário. Parece apenas um segredo mal contado e que, espero, não surja com algumas explicação estapafúrdia. Veremos. 

E a deixa do final: teria Kara esgotado seus poderes momentaneamente?

Supergirl 1X06: Red Faced (EUA, 2015)
Showrunner: 
Andrew Kreisberg, Greg Berlanti e Ali Adler
Direção: Jesse Warn
Roteiro: Michael Grassi, Rachel Shukert
Elenco: Melissa Benoist, Mehcad Brooks, Chyler Leigh, Jeremy Jordan, David Harewood, Calista Flockhart, Jenna Dewan Tatum, Peter Facinelli, Glen Morshower, Iddo Goldberg, Luke Macfarlane, Joan Juliet Buck, Briana Venskus, Joe Bucaro III, Thom Williams
Duração: 43 min.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.