Crítica | Supergirl – 2X14: Homecoming

supergirl-2x14-plano-critico

estrelas 3,5

Obs: Há spoilers. Leiam as críticas dos demais episódios aqui.

Após ter nos proporcionado um episódio filler de Valentine’s DaySupergirl retoma sua trama principal, já colocando a Cadmus de volta na jogada, retomando uma das pontas soltas deixadas lá na primeira metade dessa segunda temporada. Apesar de alguns clássicos deslizes, cortesia do roteiro, que segue um caminho óbvio demais, o capítulo prova ser mais um acerto do seriado, que apresenta claros sinais de melhoria desde seu midseason première. Mais importante que isso, porém, é o gancho deixado ao término do episódio, que abre espaço para que uma única linha narrativa seja seguida nas próximas semanas, por mais difícil que isso seja, considerando a natureza procedural da série.

Homecoming tem início na manhã seguinte ao primeiro beijo (consciente) entre Kara e Mon-El, garantindo um toque romântico e descontraído à trama, mas com pontos que seriam utilizados posteriormente a fim de criar a tensão na narrativa. Posteriormente, no DEO, eles descobrem que a Cadmus está com um caminhão em movimento e, prontamente, o departamento segue para interceptar. Lá eles descobrem Jeremiah Danvers, preso dentro da carreta e o resgatam. Mon-El, contudo, suspeita que há algo errado, pois tudo foi muito fácil, desconfiança que apenas aumenta quando o pai de Alex e Kara revela que a organização maligna construíra uma bomba nuclear e planeja acioná-la em National City.

O grande problema do roteiro do episódio é que ele demonstra muito cedo as desconfianças de Mon-El, tornando tudo o que acontece posteriormente óbvio e clichê demais. Havia a possibilidade de criarem um suspense maior se o personagem não houvesse falado sobre seus temores de início, criando um clima de instabilidade com seu pedido para Winn de espionar Danvers – a oportunidade, contudo, é perdida e logo de cara já sabemos tudo o que irá acontecer durante o capítulo, excetuando, é claro, o seu twist final.

O maior vilão de Homecoming, porém, é o episódio anterior, Mr. & Mrs. Mxyzptlkno qual vemos praticamente o mesmo conflito dramático entre Kara e Mon-El, com ela pedindo para ele escutá-la, enquanto ele se demonstra teimoso demais – sentimos um ar de repetição constante, o que seria resolvido com a eliminação total do filler que precedeu o episódio desta semana. É claro que aqui o daxamita está certo e parece ser a única pessoa sensata de toda a DEO, que não confia automaticamente em um homem que desaparecera por catorze anos. Evidente que o emocional de Alex e sua irmã estavam em jogo, mas mesmo Hank sequer desconfia da facilidade apresentada no resgate de Jeremiah.

Mas não posso deixar de elogiar a forma como o seriado dispensou a fórmula do vilão da semana aqui, utilizando apenas personagens pré-estabelecidos. Isso fornece uma nítida coesão à temporada, juntando sua estrutura fragmentada em uma única trama. O roubo das identidades ocorridas no fim do episódio fornece, também, um ar de ameaça maior ao que está por vir, enfim dando uma carta na manga da Cadmus, que, até agora, não provara ser tão ameaçadora assim, visto que fora impedida todas as vezes que aparecera até aqui. Temos uma verdadeira raridade neste capítulo: os “mocinhos” perdem, finalizando a projeção com um ar melancólico, que perfeitamente contrasta com a abertura do episódio.

Dito isso, apesar de seus deslizes e previsibilidade, Homecoming prova ser mais um bom capítulo de Supergirl, que não somente avança consideravelmente a trama principal, como dispensa dos elementos procedurais que permeavam toda a série nos seus primórdios. Ainda estou com um pé atrás quando se trata da melhoria absoluta do seriado, mas minhas esperanças são, a cada semana, fortalecidas. É possível que estejamos presenciando a formação da série que a heroína merece, que consegue trabalhar seus personagens ao mesmo tempo que realiza o feito de vulnerabilizar um kryptoniano.

Supergirl – 2X14: Homecoming — EUA, 2017
Showrunner: Andrew Kreisberg, Greg Berlanti, Ali Adler
Direção: Larry Teng
Roteiro: Caitlin Parrish, Derek Simon
Elenco: Melissa Benoist, Chyler Leigh, Peter Gadiot, Jeremy Jordan, Chris Wood, David Harewood, Tyler Hoechlin,  Calista Flockhart, Katie McGrath, Brit Morgan
Duração: 41 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.