Crítica | Supergirl – 3X08: Crisis on Earth-X, Parte 1

– Contém spoilers.

Grande mistério o porquê dos produtores por trás do Arrowverse decidirem gastar um episódio de cada uma das séries desse universo, totalizando quase quatro horas de exibição, apenas para desperdiçar o primeiro deles quase que completamente nesse quarto crossover entre os seriados da CW. Crisis on Earth-X, Parte 1 conta, sim, com alguns importantes acontecimentos para o desenvolvimento dessa história, mas eles são cercados de elementos plenamente fillers, mascarados de desenvolvimento de personagens, quando, na realidade, nada mais que preenchem o tempo de exibição do capítulo, como se não tivessem como estender a trama principal ao longo desses quatro episódios.

A trama é iniciada logo na Terra-X, um universo paralelo no qual o nazismo se estendeu por todo o planeta. Péssimo CGI e um preguiçoso design de produção tomam conta desse cenário, que basicamente consiste em muitas bandeiras nazistas e alguns holofotes em tomadas noturnas, perdendo a oportunidade de explorar a megalomania do Nacional Socialismo, que se espelhava em Roma na sua arquitetura – não vemos um prédio sequer que explore esse visual. Logo aqui já vemos um arqueiro e uma mulher que voa, ambos mascarados, impedindo um grupo de pessoas a fazer sabe-se lá o que. Desde já, o roteiro de Robert L. Rovner e Jessica Queller começa a tratar o espectador como um ser de suma estupidez, visto que é mais do que óbvia a identidade desses dois personagens de rostos ocultados e vozes distorcidas – “mistério” esse que é mantido até o nada expressivo cliffhanger.

Corta para outras dimensões e vemos todos se preparando para o casamento de Barry Allen e Iris West, que tem como convidados os protagonistas do Arrowverse, naturalmente. O que vemos, a partir daí, nada mais é que pura enrolação, enquanto assistimos interações entre os variados personagens da CW, com algumas boas pitadas de humor – de fato, o único elemento que impede que desliguemos a televisão ou pulemos logo para a parte dois. O que efetivamente prejudica nossa imersão é que tais interações não irão impactar em nada, já que eles sequer compartilham a mesma série e os que o fazem, terão cenas repetidas (ou bem próximo disso) posteriormente.

Quando a ação, enfim, aparece, já nos encontramos nos minutos finais e o que segue ocorre da maneira mais previsível e desinteressante possível: cada um dos heróis lutando contra seus correspondentes da Terra-X. Chega a ser engraçado como Barry some durante boa parte desse conflito, ponto que somente pode ser explicado pela ausência de sua contraparte em cena. Trata-se de um grande banho de água fria, já que, excetuando alguns momentos em câmera lenta ou de Supergirl socando a vilã para o além, nada realmente ocorre – até mesmo o tiroteio soa extremamente artificial, não atingindo ninguém de fato, passando a impressão de que os nazistas simplesmente estão atirando contra as paredes.

Para piorar, o capítulo soa extremamente fragmentado, pela maneira burocrática como oscila entre os diferentes focos e personagens, isso sem falar nas muitas elipses inseridas ao longo da narrativa. Tal característica invariavelmente afeta nossa percepção de tempo, fazendo com que tudo soe mais longo do que efetivamente é – sinceramente, mais de uma vez perguntei-me se esse não seria um episódio duplo de Supergirl ou se eu já estava vendo a segunda parte do crossover.

Dito isso, interminável pode ser a melhor palavra que define essa parte um do evento anual do ArrowverseCrisis on Earth-X inicia, pois, da pior forma, com um grande filler do qual poucas informações importantes podem ser extraídas. Com muita enrolação e pouco do que verdadeiramente importa, em outras palavras, os inimigos nazistas, teria sido melhor se pulássemos direto para a parte dois, nos poupando de uma profunda e quase intragável perda de tempo, que tem como único ponto positivo algumas boas pitadas de humor.

Supergirl – 3X08: Crisis on Earth-X, Parte 1 — EUA, 27 de novembro de 2017
Direção:
 Larry Teng
Roteiro: Robert L. Rovner, Jessica Queller
Elenco: Melissa Benoist, Mehcad Brooks, Chyler Leigh, Jeremy Jordan,  Chris Wood, David Harewood, Stephen Amell, Victor Garber, Jesse L. Martin,  Emily Bett Rickards, Caity Lotz, Tom Cavanagh,  Dominic Purcell,  Candice Patton, Franz Drameh, Danielle Panabaker,  Carlos Valdes, Keiynan Lonsdale, Grant Gustin
Duração: 43 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.