Crítica | The 100 – 1ª Temporada

estrelas 4A primeira vista The 100 pode parecer apenas mais um típico seriado adolescente, mas não é. Acredite nisso.

Num futuro não tão distante, a Terra sofreu uma guerra radioativa e a vida no planeta ficou insustentável. Com isso, líderes de diferentes países mandaram seus sobreviventes para viver no espaço em uma estação chamada de Arca. Agora, já se passaram quase 100 anos o que corresponde à estimativa de que o planeta pode novamente ser habitável, mas, não se sabe o que será encontrado por lá.

Mas, a Arca não está funcionando corretamente e com o crescimento populacional durante todos esses anos diminui recursos, como comida, água potável, espaço físico e principalmente oxigênio. As roupas usadas pelos habitantes são de segunda mão e até remédios são racionados, assim como o índice de natalidade. Mas, nada disso pode ajudar a Arca no problema que tem pela frente.

Com isso, a cúpula principal liderada pelo chanceler Jaha (Isaiah Washington) decide enviar 100 adolescentes infratores que estão presos por cometer diferentes crimes para a Terra a fim de que eles possam reportar de volta se é possível recomeçar a viver no planeta.

Já na descida, por conta de uma brincadeira de mau gosto, três adolescentes acabam morrendo. Ao aterrissarem e darem de cara com uma paisagem florestal, ar puro e o fato de estarem sozinho, acabam agindo como típicos adolescentes e vão se divertir. Contudo eles têm uma missão que devem cumprir encontrar um antigo posto abandonado aonde suprimentos vão lhe ser úteis para sobreviver. E a única disposta a aceitar essa missão é Clarke (Eliza Taylor), cuja mãe é a médica chefe da Arca. Outros a acompanham e o que eles encontram pelo caminho, não é nada agradável. Notando que sozinhos não vão conseguir, Bellamy (Bob Morley), que se infiltrou na nave se torna o líder deles, uma espécie de ditador que passa a comandar com punhos de ferro. Decide que as antigas leis não serão mais obedecidas e que cada um fará o que quiser.

Clarke tenta aconselhá-lo que eles precisam se unir e se comunicar com a Arca, mas Bellamy não lhe dá ouvidos, ele tem seus próprios motivos. E cabe a ela e a um grupo pequeno encontrar um meio de provar o contrário. O que eles não esperavam era que a Terra não está desabitada e que um inimigo perigoso os espreita de longe. Lá na Arca, o chanceler sofreu um atentado e quase morreu. E Abby (Paige Turco), mãe de Clarke, quase põe tudo a perder contando a verdade aos demais habitantes da estação.

Aos poucos a excitação de terem chegado a Terra vai dar lugar ao terror e desespero por não saberem o que fazer e estranhos ataques começarem, de dentro e fora do acampamento. Enquanto isso, lá na Arca, existe uma conspiração para derrubar o chanceler.

Os primeiros episódios do seriado não fazem jus ao que ele se tornará e pode ser que os espectadores desistam pelo caminho. Os adolescentes rapidamente se tornam adultos e aprendem a se comportar como uma equipe, errando e acertando quando possível. Lideranças são formadas, alianças e com isso, começa o jogo do poder. Enquanto a personagem de Clarke deseja unificar o acampamento, atribuir funções e manter a todos seguros, Bellamy quer ganhar pela força e grito, nomeando homens de poder que podem lidar com certas situações e enxergá-lo como líder. As nítidas divisões de conduta entre uma democracia e uma ditadura. Isso sem contar nas táticas militares e na briga por terra e espaço que irá eclodir. Deixando a pergunta: quem de fato é o dono dela? Aqueles que ficaram e aguentaram os momentos difíceis ou aqueles que fugiram e agora retornam para reivindicá-la?

Conforme a temporada caminha, com apenas 13 episódios, é possível notar a evolução na trama, assim como também nas atuações, pois os personagens são em sua maioria de atores estreantes e eles têm um desempenho bastante satisfatório para o que é proposto. Há também rostos familiares como o do Kane, braço direito do chanceler, vivido pelo ator Henry Ian Cusick o Desmond de Lost e o chanceler Jaha que é interpretado por Isaiah Washington, mais conhecido por seu papel em série Grey’s Anatomy.

O enredo, a princípio simples, se torna mais intricado após o quarto episódio e não é possível saber o que acontecerá a seguir. Resta ao espectador assistir até o final da temporada que termina de forma surpreendente, mas um pouco clichê.

The 100 – 1º Temporada (EUA – 2014)
Showrunner: Jason Rothenberg
Roteiro: Kass Morgan, Jason Rothenberg
Direção: Diversos
Elenco: Eliza Taylor, Paige Turco, Thomas McDonell, Marie Avgeropoulos, Bob Morley, Christopher Larkin, Devon Bostick, Isaiah Washington, Henry Ian Cusick, Lindsey Morgan, Richard Harmon, Ricky Whittle, Alessandro Juliani, Sachin Sahel, Genevieve Buechner, Jarod Joseph, Dichen Lachman, Terry Chen, Chelsey Reist, Katie Stuart, Eli Goree
Duração: 43 min.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.