Crítica | The Big Bang Theory – 12X06: The Imitation Perturbation

Contém spoilers.

Uma das datas comemorativas mais importantes para a mitologia da série, o Halloween retorna nas vidas dos personagens da querida série de comédia The Big Bang Theory. As fantasias, portanto, são fundamentais para uma apreciação dessa perturbação da imitação, no sexto episódio da última temporada do seriado. O grande equívoco do capítulo, provavelmente, é evidenciar quem é quem, nessa constante subestimação da inteligência do público. Os personagens param e, de repente, começam a comentar a natureza das fantasias dos outros, apenas para que o público tenha consciência da referência que está sendo verdadeiramente feita. O conjunto fantasioso, contudo, diverte bastante. As piadas funcionam e os segmentos se intercalam de maneira consideravelmente fluida. Um episódio que olha para fãs de maneira afetuosa.

O episódio trabalha com os personagens imitando uns aos outros, em uma ideia na qual a série, em termos pontuais, enquanto composta por personalidades excêntricas e maneirismos interpretativos, se torna a própria piada, mas imensamente auto-consciente. Howard (Simon Helberg) imita Sheldon (Jim Parsons), vestindo-se dele e alegrando o público – o episódio é muito engraçado. As problemáticas se iniciam, em desventuras nas quais o espectador se pega deslumbrando o quão mais interessante a série pode se apresentar quando se compreende mais claramente. As divergências entre Amy (Mayim Bialik), irritada com a fantasia de Howard, e Bernadette, também irritada, posteriormente, quando Amy, em resposta, se veste do papel interpretado por Melissa Rauch, são suficientes para a movimentação da trama. Quem são esses personagens, o que os moldam.

O capítulo, em última instância, relembra, com grande convicção, mas algumas quedas de ritmo, o passado de Leonard (Johnny Galecki) e Penny (Kaley Cuoco), que se conheceram justamente em um Halloween, em um outro saudosismo da série pela série. Quando as referências não bastam, o olhar próprio é interessante e relevante para a fomentação de mais interesse cômico – a resolução é fofa. Surge, paralelamente, uma vertente dramática interessante, também eficiente, para fortalecer e desconstruir a desconstrução anterior, nos momentos anteriores, de um relacionamento que estava começando por se esvair. As coisas são retomadas. Haloween – A Noite do Terror é referenciado no início e no término do episódio, em uma ideia cíclica bastante competente. The Imitation Perturbation retorna, como retornou essa piada, os passados de uma série com um imenso passado.

The Big Bang Theory – 12X06: The Imitation Perturbation – EUA, 25 de outubro de 2018
Criação: Chuck Lorre e Bill Prady
Direção: Mark Cendrowski
Roteiro: Steve Holland, Maria Ferrari, Tara Hernandez
Elenco: Johnny Galecki, Jim Parsons, Kaley Cuoco, Simon Helberg, Kunal Nayyar, Mayim Bialik, Melissa Rauch
Duração: 20 min.

GABRIEL CARVALHO . . . Sem saber se essa é a vida real ou é uma fantasia, desafiei as leis da gravidade, movido por uma pequena loucura chamada amor. Os anos de carinho e lealdade nada foram além de fingimento. Já paguei as minhas contas e entre guerras de mundos e invasões de Marte, decidi que quero tudo. Agora está um lindo dia e eu tive um sonho. Um sonho de uma doce ilusão. Nunca soube o que era bom ou o que era ruim, mas eu conhecia a vida já antes de sair da enfermaria. É estranho, mas é verdade. Eu me libertei das mentiras e tenho de aproveitar qualquer coisa que esse mundo possa me dar. Apesar de ter estado sobre pressão em momentos de grande desgraça, o resto da minha vida tem sido um show. E o show deve continuar.