Crítica | The Flash 1X08: Flash vs. Arrow

estrelas 5,0

Esse foi provavelmente um dos episódios mais aguardados dessa temporada desde que foi anunciado que haveria um crossover entre as duas séries. Para aqueles que não sabem um crossover é quando em uma mídia – seja ela televisão, cinema, quadrinhos e até games – um universo distinto de personagens se encontra com outro universo de personagens. O exemplo mais comum que posso dar é a série de games Kingdom Hearts que mistura personagens originais com outros da franquia Final Fantasy e da Disney.

Só que ao contrário de Kingdom Hearts que possui uma atmosfera alegre, nesse episódio, as coisas esquentaram bastante entre Barry e Oliver.

O Flash está cuidando da cidade de Central City como sempre até ouvir um chamado do Cisco pelo rádio, avisando-o de um assalto a banco. Quando o herói chega ao banco, todos os clientes estão agindo com extrema fúria e atacando uns aos outros. Flash consegue para-los, mas o bandido acaba fugindo. As pessoas não lembram exatamente como tudo começou, apenas que estavam sentindo muita raiva e de terem visto um ponto vermelho antes de tudo começar. Após rastrearem o dinheiro roubado, a SWAT junto com Joe faz uma batida no local, mas o bandido é mais rápido e consegue colocar um agente da SWAT apontando a arma contra seus colegas após simplesmente olhá-lo nos olhos. Sem terem para onde fugir, os demais agentes são salvos pelo Flash que os empurra e num esforço maior consegue proteger Joe do disparo e ambos acabam sendo salvos pelo Arqueiro.

Obviamente a força policial da cidade não está nada feliz em ter o Arqueiro em seus domínios, mas Barry tenta convencê-los do contrário. Enquanto isso, Eddie, que está cheio de ciúmes de Iris, quer que o Capitão libere uma força-tarefa para caçar o Flash, a qual lhe é negada.

Barry vai ao encontro de Oliver e ele insiste em treinarem juntos, dizendo que o cientista precisa avaliar melhor o terreno antes de entrar para caçar os bandidos. Cheio de si, Barry afirma que tem tudo sob controle até Oliver atingi-lo com duas flechas e provar o oposto. Frustrado e sendo pressionado por todos os lados Allen decide ir sozinho atrás do meta-humano e acaba sendo infectado por ele. Com seus sentimentos a flor da pele, toda a raiva do velocista vem à tona e ele deixará isso bem claro para todos aqueles que o incomodam, incluindo uma luta bem acirrada contra o Arqueiro.

Esse foi sem a menor dúvida um dos melhores episódios dessa temporada. Não apenas por causa do crossover que todos queriam ver, mas também pelo esforço enorme em fazer algo coeso, o que acabou elevando também o nível de algumas atuações.

Apesar de o Oliver ter ido para Central City atrás do seu bandido, que sabemos se tratar do Capitão Bumerangue, ele acaba servindo como uma espécie de mentor para o Barry. Muito melhor até do que o próprio Wells, vamos combinar. Aliás, ouvir o Oliver dizer que sentiu algo estranho em relação ao Wells deixou claro que o super poder dele é o instinto. Ele sabe quando algo ou alguém está meio fora do eixo.

Por outro lado, ponto para o Dr. Wells ao descobrir a “identidade secreta” do Arqueiro. Pois é verdadeiramente incrível como ninguém nunca deduziu antes. Claro que para nós espectadores não chega a incomodar tanto ao assistir a série, contudo, se pensarmos de forma lógica, tem uma falha enorme e alguém mais atento já teria descoberto. Olha aí Capitão Lance!

Agora, o que o episódio teve de tenso também teve de divertido. A reação do Diggle ao ver o Flash pela primeira vez foi simplesmente impagável. E depois todas as teorias e perguntas que ele fazia ao Oliver, ainda melhores. No lado tenso foi ótimo poder ver o Barry, mesmo que sob o efeito de um poder, verbalizar seus sentimentos. Tenho a sensação de que o clima descontraído da série atrapalha um pouco esses momentos mais densos que precisam existir para equilibrar a trama, afinal, não é uma série de comédia. Rir é muito bom e faz parte da essência do personagem, porém não se pode esquecer que ele tem problemas como todo mundo e deve enfrentá-los.

Todo o conflito entre Eddie, Flash e Iris serviu para plantar outra semente de intriga na série que espero seja bem trabalhada daqui para frente. O fato de que Iris agora está dividida entre o Eddie e o Flash é ótimo, fará ambos reavaliarem suas posições e como bem disse o Oliver: “caras como nós não ficam com as garotas.” Sossega Barry.

O ponto fraco foi o meta-humano escolhido meramente como uma cola para unir os pedaços certos da trama. E dessa vez quem o nomeou corretamente foi a Caitlin ao chamá-lo de Rainbow Raider ou Cavaleiro Arco-íris. Sério.

E finalmente tivemos um vislumbre do Ronnie, noivo da Cailtin que como informei em outras críticas, apareceria pela primeira vez nesse episódio. Não vimos muito bem o seu rosto, mas a demonstração dos seus poderes foi o suficiente.

No próximo episódio The Man With The Yellow Suit será a midseason desse ano (quando os seriados dão uma pausa de fim de ano e retornam em um ou dois meses) e descobriremos – ou não – quem é o Flash Reverso. Bem, ao menos poderemos vê-lo melhor. Ou não também.

OBS: A segunda parte desse crossover acontecerá em Arrow.

The Flash 1X08: Flash vs. Arrow  (EUA, 2014)
Showrunner: 
Andrew Kreisberg, Greg Berlanti
Direção: Glen Winter
Roteiro: Greg Berlanti, Andrew Kreisberg
Elenco: Grant Gustin, Stephen Amell, Candice Patton, Rick Cosnett, Danielle Panabaker, Carlos Valdes, Tom Cavanagh, Jesse L. Martin, John Wesley Shipp, Patrick Sabongui, Michael Smith, William Sadler, Michasha Armstrong, Evelyn Chew, Emily Delahunty, Amina El Khatib, Logan Williams
Duração: 43 min.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.