Crítica | The Flash 2X14: Escape from Earth-2

estrelas 3

Obs: Há spoilers. Leiam as críticas dos demais episódios de The Flash, aqui.

J.J. Makaro já havia dirigido um episódio em The FlashEnter Zoom, e seu retorno agora para a série, em um contexto diferente, faz com que Escape from Earth-2 dê continuidade à interessante jornada de Barry e Cisco em uma missão junto com Harrison Wells na Terra-2.

De forma bem menos intensa do que Welcome to Earth-2 vemos a Terra-1 aparecer novamente e, de certa forma, quebrar o ritmo do principal objetivo da história. O drama do vilão da semana permanece com o Geomancer, que não tem absolutamente nenhuma razão de existir, não convence como vilão, não propõe nada de novo para o episódio ou mesmo para o enredo desta segunda parte da temporada. Alguns expectadores podem até, de forma otimista, ver utilidade nele porque desencadeou a criação de um novo V (agora o 9, e contando…) para Jay, mas essa motivação é tão frágil, que qualquer um percebe que o mesmo resultado poderia ser conseguido através de frentes narrativas distintas e, diga-se de passagem, bem melhores.

Todavia, mesmo com o Geomancer e com efeitos ruins da produção na representação de seus poderes (a repetição acaba tornando tudo ainda mais desinteressante), há uma maior e melhor integração entre a Terra-1 e a Terra-2, ao menos no que diz respeito àquilo que o episódio de fato nos deveria contar: a fuga dos nossos visitantes da Terra-2. A questão da estabilização da fenda é um bom ponto paralelo e, se não pode ser considerado algo primoroso, ao menos faz sentido estar lá, o que já é um avanço para a maioria das decisões que os roteiros de The Flash nos vem apresentando desde… City of Heroes.

Impressiona um pouco o fato da produção ter sentimentalizado menos o episódio e, quando fizeram isso, procuraram manter ao menos um princípio válido, como o discurso inteiramente chavão de Barry-2 para Barry-1 e a subsequente cena de superação de medos e saída do herói da prisão do misterioso Zoom. É clichê, mas cabe naquele espaço, então, mesmo revirando um pouco os olhos, dá para aceitar. Particularmente gostei do espaço da prisão e da forma como as cenas foram filmadas ali, bem como no exterior do mesmo lugar.

Dito isto, é claro que não poderíamos deixar de trazer à tona o grande ponto de interrogação desse covil: quem é o homem com a máscara preso por Zoom? Talvez podemos supor que seja algum velocista, já que este é o objetivo máximo do vilão, acabar com os velocistas, e esta suposição pode nos levar a crer que, pela reação do homem da máscara, talvez ele seja o verdadeiro Jay Garrick. Isso possivelmente explicaria a chatice e patetismo com que o pobre personagem segue recebendo nos episódios… De qualquer forma, é fato que o tal personagem e Zoom voltarão a receber atenção na série, possivelmente com um novo padrão e já no próximo episódio, com mais um (conhecido) vilão da semana, o Tubarão-Rei.

Não foi interessante ver Joe escanteado e com participação insossa no episódio, todavia, é melhor isso do que os cameos inúteis que já se tornaram um hábito em The Flash (lembram-se de Wally no episódio passado?). Embora não seja o ideal, é aceitável, como tudo no episódio, que conseguiu fechar o arco da Terra-2 (que pena que já acabou, não é mesmo?) e gerar um interessante problema para os recém-chegados: o que Zoom fez, de fato, com Jay? Podemos contar com uma outra viagem à Terra-2 em breve? Isso tem alguma coisa a ver com o homem de máscara no covil de Zoom? O que vocês acham?

The Flash 2X14: Escape from Earth-2 (EUA, 2016)
Direção: J.J. Makaro
Roteiro: Todd Helbing, Aaron Helbing
Elenco: Grant Gustin, Candice Patton, Danielle Panabaker, Carlos Valdes, Tom Cavanagh, Jesse L. Martin, Teddy Sears, Demore Barnes, Violett Beane, Tone Bell, Adam Stafford, Romuald Hivert, Jeff Sanca
Duração: 42 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.