Crítica | The Flash 2X17: Flash Back

estrelas 3,5

Obs: Há spoilers. Leiam as críticas dos demais episódios de The Flash, aqui.

E eis que, do trevoso Poço de Mimimi, The Flash subiu para um episódio com aquilo que deveria ter em seu enredo o tempo todo: uma série de mini-mindblows, com elementos inteligentes para discutir velocidade, viagem no tempo e, dentro desse parâmetro físico-matemático-sci-fi, abordar a vida dos personagens com metáforas que envolvam conceitos como “dar tempo” ou “tomar tempo” do tempo (World’s Finest, o crossover de Flash com Supergirl essa semana, investe exatamente nisso, por sinal). Ao lado de Potential EnergyWelcome to Earth-2 e Escape From Earth-2, Flash Back se torna (apenas) o quarto episódio bom desta segunda temporada e, mesmo não sendo perfeito e trazendo de forma minimizada erros antes cometidos, consegue garantir um bom divertimento, além de não assumir que do outro lado da tela existe uma legião de jerimuns assistindo a série.

As roteiristas Lilah Vandenburgh e Lauren Certo acertaram o passo a partir da descoberta da identidade de Zoom por parte do #TeamFlash, vindo de um terrível episódio que (pasme!) também foi escrito por elas: Trajectory. Sem vilão da semana, sem personagem inventado para sumir como purpurina ao vento e sem vazios narrativos, Flash Back tem um foco e se apega a ele do começo ao fim: para derrotar Zoom, Barry terá que conjurar seu Patrono e neutralizar o Dementador conseguir um jeito de correr muito mais rápido. Perceba que não é nenhum princípio tão difícil quanto jogar gamão, mas se tomarmos o atual estado da série e pensarmos que alguma coisa precisava ser feita para que o programa seguisse em frente, essa saída foi oportuna e bem executada.

Oportuna, porque reintroduziu os conceitos angulares do show que foram deixados de lado em prol do melodrama e porque usou da velocidade e da viagem no tempo para atingir dois objetivos futuros: uma viagem entre-Terras para enfrentar um super-velocista. Perceba que o ponto de partida é coerente com a abordagem de todo o roteiro e as pontas mais soltas, como a “volta” de Eddie e os questionamentos de Iris ou mesmo a insossa participação de Wally (o neo-ex-fake-Jay da série) estão relacionadas a esse fator. Evidente que são desvios que não precisavam estar lá ou existir ainda com o ranço de melodrama, mas mesmo assim são intromissões aceitáveis porque de um modo ou outro foram relacionadas com o tema principal do episódio, coisa rara em The Flash.

A direção, aqui a cargo de Alice Troughton, jogou bem com o enfrentamento entre o Fash do futuro e o Flash do passado, fazendo-nos rir com a sempre interessante perspectiva de ver um paradoxo temporal acontecer, com a reação dos envolvidos, as mudanças na linha do tempo que isso pode trazer, a forma precisa de como cenas que já vimos reaparecem com outro significado e são expandidas, mostrando adendos interessantes sem didatismo — mais um acerto do roteiro. Reparem que este episódio foi igualmente uma forma inteligente de recolocar o ator Andy Mientus (Flautista) no programa, agora como eventual colaborador da equipe do STAR Labs. Por gostar bastante do trabalho dele e do personagem, fiquei feliz com a possibilidade de um retorno. E o melhor de tudo é que essa inserção foi realizada de maneira orgânica e direta, assim como o plot que levará para a explicação sobre Zoom no próximo episódio.

Mesmo com um orçamento magro (leia-se: uso nem tão admirável de CGI na pós-produção), Troughton conseguiu colocar na tela uma maior elegância de movimentos para o Flash e, até que enfim, uma nova maneira de representar a corrida entre as dimensões, onde devemos igualmente dar pontos para a equipe de efeitos visuais e desenho de produção.

Ao som pontual de Never Gonna Give You Up e referenciando Os 12 Macacos, Os Espíritos e Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, Flash Back é uma grata surpresa nessa preparação para a reta final da temporada e o início do caminho para que, aleluia!, Barry seja de fato o homem mais rápido do mundo. O fim de uma era de memes se aproxima. Mas devemos dar um voto de confiança à CW, afinal, a emissora é campeã em nos fornecer armas e munição para zombarmos praticamente tudo o que ela faz. Ainda tem um tempinho até o episódio 23…

The Flash 2X17: Flash Back (EUA, 2016)
Direção: Alice Troughton
Roteiro: Lilah Vandenburgh, Lauren Certo
Elenco: Grant Gustin, Candice Patton, Danielle Panabaker, Carlos Valdes, Keiynan Lonsdale, Tom Cavanagh, Jesse L. Martin, Rick Cosnett, Andy Mientus
Duração: 42 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.