Crítica | The Flash – 4X07: Therefore I Am

– Há spoilers. Leiam as críticas dos demais episódios de The Flash, aqui.

Depois de algumas semanas na completa tragédia, The Flash começa a demonstrar indícios de que pode ser salva, sendo apenas necessário um bom roteiro para apresentar melhorias significativas. Essa metamorfose pela qual a série passou ainda está longe de nos entregar o seriado que o personagem da DC Comics merece, mas, ao menos, a quantidade de vezes que reviramos os olhos durante o capítulo diminuiu consideravelmente – considero isso, pois, uma grande vitória para a equipe responsável pela produção.

Therefore I Am inicia no momento em que fomos deixados em When Harry Met Harry, com Barry e Joe na casa de DeVoe, interrogando tanto ele, quanto sua esposa, a fim de tentar descobrir se ele é ou não o vilão que estavam procurando. Sem qualquer prova conclusiva, é gerada a dúvida sobre a culpa desse indivíduo, mas Barry acredita, veementemente, que ele é o responsável pelos meta-humanos que vêm aparecendo em Central City. Enquanto isso, ocasionais flashbacks tomam conta da narrativa, nos mostrando o passado desse vilão e sua esposa.

Que DeVoe é, de fato, o antagonista batizado de o Pensador já era mais do que óbvio, ainda assim, o roteiro de Eric Wallace e Thomas Pound consegue deixar aquele resquício de dúvida com o espectador, enquanto o julgamento de Allen é constantemente colocado em xeque, podendo estar afetado pela sua vontade de capturar o vilão o quanto antes. É construída, dessa forma, uma instigante trama de investigação, repleta de suspense e tensão, notavelmente superior ao que foi apresentado nas semanas anteriores.

Mas, como estamos falando de uma produção da CW, nem tudo é perfeito. Alguns elementos soam totalmente fora de contexto, como o assunto do casamento, constantemente trazido à tona por Iris West, que certamente acredita que sua união com o amor da sua vida (frase repetida três vezes, com algumas variações), é mais importante que capturar um indivíduo misterioso que vem causado caos na cidade. Além disso, não há como não dar boas risadas quando Marlize aparece com outra roupa e cabelo alisado somente para ficar em um cômodo escondido ao lado de seu marido, que, aliás, também troca de roupa após sentar na cadeira tecnológica. Isso sem falar no fato e que um professor de História conseguiu projetar um dispositivo capaz de torná-lo mais inteligente, algo que sua esposa construiu como se tivesse feito uma casa na árvore. São inconsistências como essas que pedem demais de nossa suspensão de descrença, prejudicando nossa imersão do episódio como um todo.

Com tais pontos deixados de lado, ainda sobra a questão do desfecho completamente anticlimático, no qual DeVoe simplesmente confessa a Barry sua real identidade. Tal escolha narrativa claramente foi realizada para evitar um prolongamento desnecessário dessa subtrama envolvendo o julgamento tendencioso de Allen, mas facilmente poderíamos ter continuado nisso por mais um capítulo, evitando que essa revelação prejudicasse o que veio antes. No fim, é passada a impressão de que muita coisa do capítulo foi meramente filler, quando, na realidade, foi um bom desenvolvimento prejudicado pela conclusão.

Apesar de tais deslizes, Therefore I Am permanece como um episódio muito superior aos das semanas anteriores, demonstrando muito mais foco que seus antecessores, conseguindo manter nosso engajamento, por mais que seja necessária muita suspensão de descrença em determinados momentos. The Flash certamente é uma série que conta com muito potencial inutilizado e esse episódio demonstrou o quanto a obra pode melhorar com um bom roteiro.

The Flash – 4X07: Therefore I Am — EUA, 21 de novembro de 2017
Direção:
David McWhirter
Roteiro: Eric Wallace, Thomas Pound
Elenco: Grant Gustin, Candice Patton, Danielle Panabaker, Carlos Valdes, Keiynan Lonsdale, Neil Sandilands, Jesse L. Martin, Patrick Sabongui, Kim Engelbrecht, Jessica Camacho, Tom Cavanagh
Duração: 43 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.