Crítica | The Night Of 1X01 e 2: The Beach / Subtle Beast

the night of plano critico HBO

The Beach

estrelas 5,0

Subtle Beast

estrelas 4,5

The Night Of é um projeto de duas gigantes da TV, a BBC e a HBO. A série, criada por Richard Price (roteirista de The Wire / A Escuta) e Steven Zaillian (roteirista de A Lista de Schindler — pelo qual ganhou um Oscar — e Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres), é baseada na britânica Criminal Justice, série da BBC criada por Peter Moffat e exibida entre 2008 e 2009. Os acertos burocráticos entre as emissoras foram realizados em 2013 e um episódio-piloto foi filmado, sob produção de James Gandolfini, que também atuava, vivendo o advogado Jack Stone. Com o falecimento de Gandolfini em Junho de 2013, a HBO resolveu adiar a série por um tempo, retomando com a produção de um outro primeiro episódio, com Robert De Niro no papel do advogado, o que também não deu certo devido a problemas de agenda do ator. Em abril de 2014, John Turturro embarcou no projeto e a produção de The Night Of seguiu em frente, com Gandolfini sendo postumamente indicado como produtor.

A trama acompanha o universitário Nasir “Naz” Khan (Riz Ahmed), americano descendente de paquistaneses que depois de perder carona de um colega para ir a uma festa, pega o táxi do pai e acaba com uma misteriosa passageira, Andrea (Sofia Black-D’Elia), que por alguns caprichos no meio do caminho convence o jovem a ir para sua casa, onde se drogam, brincam com coisas que não deveriam brincar e transam. A sensação pulsante na mente do espectador dizendo que algo de muito errado iria acontecer, obviamente não era alarme falso. Em poucas horas, Naz é preso por homicídio.

A première da série, The Beach, é com certeza um dos melhores episódios dramáticos feitos para a TV em 2016. Steven Zaillian pega emprestado os melhores modelos de guiar uma história de assassinato e suspense herdados da escola hitchcockiana, um misto coeso e angustiante de Festim Diabólico, O Homem Errado e Psicose, e os aplica à dinâmica da TV, nos dando 1h20 de tensão do começo ao fim.

O grande diferencial é o foco que a série dá aos personagens, a partir dos quais a história ganha peso e importância, não o contrário. Para tornar isso ainda mais forte, a produção orientou que a trilha sonora seguisse dois passos, o primeiro, que cada grupo étnico ou indivíduo fosse destacado por um gênero e/ou artista no momento em que aparecessem na tela. Assim, ouvimos o hip hop de T-Rock, a canção napolitana de Mina, a balada de Chiara Morucci, o dream pop/rock alternativo da banda Mazzy Star e a ópera Os Pescadores de Pérolas de Georges Bizet, que pela repetição e pelos momentos em que aparece, talvez seja uma indicação de algo sobre o Detetive Box. Veremos. O segundo passo é a exploração obscura e minimalista para a trilha orquestrada, composta por Jeff Russo, o mesmo da série Fargo.

Assim, em um ambiente constantemente ameaçador e com marcante desenvolvimento dos personagens, inclusive através da música, não é uma surpresa que o roteiro seguisse o cardápio mais variado das amostras de humanidade que temos em uma grande metrópole, algo melhor mostrado no primeiro episódio do que no segundo. Não há sequer um personagem que tenha semelhança um com o outro, apenas expectativas gerais do que alguém naquele estrato social faria, dos policiais e familiares até criminosos e juristas. O sumo dessa individualização que exige, evidentemente, um excelente grupo de atores, o que certamente temos aqui — e é preciso ressaltar três deles, John Turturro (Barton Fink), Riz Ahmed (O Abutre) e Bill Camp (Aliança do Crime) –, é o crescendo da história em tensão psicológica e conteúdo para debate ou especulação, desde o “tão tenso que chega a dar agonia” primeiro episódio até o mais estruturalmente burocrático, mas excelente Subtle Beast, que mostra uma mudança comportamental notável em Naz e move os peões da máquina da justiça para o futuro.

Coincidências em um suspense no estilo “Quem Matou?” já foi utilizado com louvor em séries de peso, de Twin Peaks a The Killing, mas o que temos em  The Night Of é algo levemente diferente. A série tem uma abordagem erudita e crua para a condição de todos os envolvidos, não poupando suas fraquezas e apresentando pequenos mistérios sobre eles, alguns ditos pelos próprios personagens ou percebidos no contexto de alguma cena. Isso é pouco percebido em The Beach, porque depois do 3º minuto de exibição ninguém consegue mais respirar direito, de tanta tensão, mas em Subtle Beast essas nuances são fortemente notadas. Por ter pouca ação e muita sugestão, o segundo capítulo nos faz pensar mais e suspeitar mais, principalmente depois que aparece o estranhíssimo padastro de Andrea. Como a direção de Zaillian é quase literária de tão detalhista e contemplativa, o público acompanha com sofrimento a descida de um homem ao inferno, vítima de uma acusação que, para falar a verdade, nem nós sabemos se ele fez ou não fez. O certo é que ele não se lembra. E que nós não vimos o que houve. Apenas uma parte do todo é sabida.

Assinada por Robert Elswit (Oscar por Sangue Negro), a fotografia do primeiro episódio é um verdadeiro show à la cinema noir, só que em cores. Os ingredientes são muitos e estão todos lá: Femme Fatale, detetive durão, protagonista meio bobo que cai facilmente em uma “armadilha do destino”, confessor e amigo, laços familiares quebrados, nova vida. Como é um episódio que se passa quase totalmente durante uma noite, a sensação de medo e um pouco de claustrofobia são imediatas, duas coisas aumentadas pelo trabalho de Elswit, principalmente quando fotografa as cenas na casa de Andrea, um dos pontos altos também da direção de Zaillian. Já o segundo episódio teve Igor Martinovic (House of Cards) como fotógrafo e a sensação de opressão permanece, mas não o medo. Martinovic mostra mais tons desbotados de uma paleta de cores frias, dando a Subtle Beast um toque melancólico geral, como se a nossa visão do mundo tivesse mudado depois do Piloto. O desconforto, depois do crime, também é nosso.

Com muita suspeita em jogo The Night Of nos deixa aqui com uma excelente dupla de episódios e muitas perguntas sem resposta, o que é ótimo. Está lançada a corrida para ver quem acerta o destino de Naz. Façam suas apostas.

The Night Of  1X01 e 2: The Beach / Subtle Beast (EUA, 24 de junho e 17 de julho de 2016)
Ciradores: Richard Price, Steven Zaillian
Direção: Steven Zaillian
Roteiro: Richard Price, Steven Zaillian (baseado em ideia original de Peter Moffat)
Elenco: John Turturro, Riz Ahmed, Bill Camp, Peyman Moaadi, Poorna Jagannathan, Michael Kenneth Williams, Syam M. Lafi, Ben Shenkman, Joshua Bitton, Afton Williamson, Jeannie Berlin, Sofia Black-D’Elia, Ariya Ghahramani
Duração: 80 min. / 60 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.