Crítica | The Walking Dead – Vol. 11: Sob a Mira dos Caçadores

estrelas 5,0

– Contém spoilers.

– Leiam as críticas dos demais volumes da série em quadrinhos, aqui.

Depois de uma edição consideravelmente aquém de todo o potencial de The Walking Dead, Robert Kirkman decide dar a volta por cima e insere na jornada para Washington uma tão necessitada situação de perigo, que aborda toda a moralidade desse novo mundo. Mais que isso, porém, o autor consegue trazer um evidente crescimento de seus personagens, que apenas ressalta o seu foco no psicológico dos sobreviventes ao apocalipse zumbi e, através do título original do volume, Fear the Hunters, nos coloca em uma profunda dúvida: quem são os caçadores, Rick e seu grupo ou os canibais que encontram na presente edição?

A história inicia de forma até bastante calma, mas com um ponto que traz alívio não somente para os personagens, como para o próprio leitor, que recebe uma certa dose de nostalgia bem administrada. Os sobreviventes encontram um trailer, similar ao que tinham no início e que agora podem passar a utilizar para terem melhores noites de sono. Esse retorno às origens, contudo, é muito bem introduzido por Kirkman a fim de evocar uma comparação acerca de como eram os personagens e como eles estão agora. Além disso, claro, o otimismo nos deixa despreparados pelo que vem a seguir.

twd-vol-11-capaEstamos falando de uma das edições que mais conseguem revirar nossos estômagos e mais que nunca mostram a metamorfose passada por cada um dos sobreviventes. A começar pela de Carl, que mata um dos gêmeos que matara seu próprio irmão. Com coragem o autor aborda o impacto de todos os acontecimentos nas crianças – como elas são moldadas pelos chocantes eventos pelos quais passaram. Kirkman vai até onde poucos caminham, em geral temos uma abordagem bastante ingênua em relação às crianças, as colocando em uma constante posição de fragilidade. The Walking Dead, todavia, nos mostra que isso está muito longe da realidade, visto que elas são forçadas a amadurecer rapidamente e isso, naturalmente, causa algumas distorções na personalidade de cada uma delas, visto que o mundo à sua volta é um de violência e morte constantes.

Robert, porém, não para por aí e estende sua triste e realista visão para os adultos, que são colocados em ameaça pelo grupo de canibais. É interessante enxergar aqui como tudo o que ocorreu com o Governador lá atrás os deixou mais preparados para esses eventos. Ao mesmo tempo, eles se tornaram mais cruéis, prontos para fazer tudo o que for necessário para garantirem a sobrevivência de seu grupo. A intenção é a de nos chocar e o autor consegue fazer isso com precisão, demonstrando como sua história sempre progride sem esquecer o que aconteceu antes, não deixando de lado as consequências de cada fato passado e o roteiro sabiamente nos lembra de tudo nos momentos certos.

Além disso, cada evento aqui transcorrido é utilizado a fim de adentrar na mente de cada personagem. Aprendemos, por exemplo, o quanto Abraham passou a respeitar Rick ao longo de sua viagem e o quanto Dale se vê agradecido por tudo o que Grimes fizera e aguentara nesse período. Nesse momento não podemos deixar de nos admirar pela figura de Rick, um homem que suporta o que nenhum outro consegue e não há como concordar com Dale: todo o grupo já teria morrido há muito tempo não fosse o ex-xerife. Kirkman, contudo, nos deixa com uma indagação dentro de nós: o que Grimes está se tornando? O que nos chega a assustar e até mesmo o próprio protagonista como vimos nas páginas finais.

O décimo primeiro volume de The Walking Dead consegue, portanto, dar a volta por cima e nos trazer um ótimo e curto arco que coloca em evidência a metamorfose de todo o grupo de sobreviventes. Robert Kirkman mais uma vez mostra que um roteiro que sabe explorar seus personagens somente precisa de poucos momentos de verdadeira ação, visto que todo o desenrolar acontece em um nível psicológico e aqui ele oferece verdadeiros choques, que evidenciam o quão longe ele está disposto a ir a fim de nos trazer uma abordagem realista e humana sobre a moralidade.

The Walking Dead – Vol. 11: Sob a Mira dos Caçadores (The Walking Dead – Vol. 11: Fear the Hunters)
Contendo: The Walking Dead #61 a 66
Roteiro: Robert Kirkman
Arte: Charlie Adlard
Arte-final: Cliff Rathburn
Capas: Charlie Adlard
Letras: Robert Kirkman
Editora nos EUA: Image Comics
Data original de publicação: maio a outubro de 2009
Editora no Brasil: HQM
Data original de publicação no Brasil: abril de 2013
Páginas: 148


Você pode querer

Interessados em adquirir os volumes nacionais de The Walking Dead? Através do link abaixo vocêm podem comprá-los pela Amazon brasileira e ainda por cima nos ajudam a manter o site no ar!

The Walking Dead – Volumes

twd-vol-11-capa

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.