Crítica | Torquato Neto – Todas as Horas do Fim

Poeta, jornalista, letrista, cineasta e um grande nome da contracultura. Este foi Torquato Neto, e ainda assim, é possível que tantos e tantos ainda não tivesse ouvido falar em seu nome. O que não significa que o trabalho de Torquato já não estivesse na boca do povo brasileiro desde então. Gal Costa, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Sérgio Britto, João Bosco, todos carregaram em seus discos as marcas dos versos de Torquato, nem sempre compreensíveis e, por isto, marcantes. O documentário da dupla Eduardo Ades (do documentário Crônica da Demolição) e Marcus Fernando elabora esse registro de quem era Torquato Pereira de Araújo Neto, que cometeu suicídio aos 28 anos nos anos 70.

Mais conhecido como um dos precursores do movimento Tropicalismo, os versos do autor que ganham aqui a voz e entonação de Jesuíta Barbosa, num trabalho de posicionamento e entonação bastante notável, são cercados por esse amor pela vida e o desejo de fugir dela, sentimento este que viria a cercar toda a existência de Torquato, que enquanto trazia alegria, inspiração, beleza e poeticidade aos que o cercavam, se via tão envolvido por este tema lúgubre como a morte.

O registro de Ades e Fernando é rico. A começar pela filmagem que resgata os efeitos da câmera Super 8, equipamento com o qual Torquato viria a se aventurar no mundo do cinema, e que deu vida ao seu curta Terra da Vermelha. Diversas são as imagens inéditas e fascinantes que os dois cineastas nos entregam deste processo de Torquato, assim como as inúmeras fotografias e narrações que buscam em seu íntimo desnudar, até onde pode, a curta trajetória do artista. E os diretores o fazem com uma narrativa que passeia entre o poético, o marginal, criando aqui um laço extremamente intimista com a própria personalidade de Torquato, num trabalho de compreensão da figura retratada que certamente teria deixado nosso personagem-título com um tom de agrado.

É palpável este respeito e reverência com que o roteiro, também de Ades e Marcus Fernando, cuja pesquisa foi feita ao lado de Remier Lion (do documentário Os Dias com Ele) e João Felipe Freitas, pauta os versos de Torquato para falar sobre o homem e sobre seu tempo, ressuscitando aqui a inevitável reflexão que nos assola desde os primórdios como morte, vida, expressão e o calar. Torquato merece ser redescoberto.

Torquato Neto – Todas as Horas do Fim (Brasil, 2018)
Direção
: Eduardo Ades e Marcus Fernando
Roteiro: Eduardo Ades, Marcus Fernando, Remier Lion, João Felipe Freitas
Elenco: Torquato Neto, Jesuíta Barbosa, Caetano Veloso, Gilberto Gil,
Duração: 88 min.

RAFAEL OLIVEIRA. . . .Somente há sinal de vida aqui quando o cinema está presente. E quando ele está, são as cores de Almodóvar, a frieza de Kubrick e o suspense de Shyamalan que me encantam. Um cinéfilo em constante construção.