Crítica | Uma Viagem Extraordinária

pivetcapa

estrelas 5

Existem alguns filmes que carregam consigo aquela magia ao contar uma história. Poderiam ser animações, mais fácil de brincar com o lúdico e despertar a criança que existe dentro de nós, mas não, são filmes, com cenários e pessoas reais. Ainda assim consegue ser tão encantador quanto um desenho animado.

Pouquíssimos diretores possuem essa distinta habilidade, pois não se trata apenas de contar uma simples história de criança para outra criança (que mesmo assim, nem é tão simples) e sim, conseguir contar uma história do ponto de vista de uma criança para um adulto. E mais, fazê-lo se encantar por esse universo tão especial que só uma criança sabe criar. Algo que o diretor francês Jean-Pierre Jeunet soube fazer e muito bem.

T.S. Spivet é um menino de 10 anos que mora com seus pais e irmã em uma fazenda nos arredores de Montana, nos EUA. Seu pai está preso na década de 70, pois se considera um verdadeiro caubói, com direito a botas, chapéu, fala arrastada e tudo mais o que engloba esse mundo. Sua mãe, a Dr. Clair é uma cientista que pesquisa o comportamento migratório de determinadas espécies de insetos. Já sua irmã Gracie, adora menosprezá-lo e sonha em ser uma grande artista, como toda adolescente. A família de T.S. é bem normal, exceto por ele mesmo, já que o menino é um verdadeiro prodígio e também, por conta de um recente incidente envolvendo seu irmão gêmeo. Mesmo com sua pouca idade e a baixa estatura T.S. possui uma mente brilhante, capaz de elaborar os mais complexos gráficos e encontrar soluções para problemas que nem os adultos sabem resolver, como a máquina do movimento perpétuo, um desafio matemático de séculos. Após enviar seu projeto da máquina para o Smithsonian, ele recebe uma ligação o parabenizando, pois o Instituto construiu a máquina, ela funciona e agora, ele precisa ir até Washington para receber um prêmio. Mas, como um menino de 10 anos vai fazer para ir até Washington? E assim damos início a Uma Viagem Extraordinária.

Há muito que ser comentado sobre esse filme, mas seria impossível não começar falando sobre o ator mirim Kyle Catlett que simplesmente arrebenta. Esta é sua primeira empreitada cinematográfica, tendo atuado apenas no seriado The Following e se continuar assim, certamente irá longe. O próprio Jean-Pierre confessou em entrevistas ter ficado abismado com o enorme talento do menino, que se dedicou muito ao papel, pois é a sua narração cativante, as expressões infantis e ao mesmo tempo compenetradas, sua serenidade que contribuíram e muito para o espetáculo que é esse filme. Outra pessoa que merece ser parabenizada é Helena Bonham Carter. A atriz, que é mais conhecida por seus papéis bizarros, está quase irreconhecível como uma mãe de fala suave, maquiagem delicada e roupas simples. As suas cenas com Catlett são ótimas, os dois possuem um entrosamento genuíno assim como a química com todo o restante do elenco.

Não se enganem achando que é um filme infantil, muito pelo contrário. A temática abordada por Jeunet possui um teor muito mais adulto do que aparenta. Mas, essa confusão momentânea se deve a fotografia de Thomas Hardmeier que é incrivelmente vívida e transforma o filme por completo, pois mesmo cheio de cores, sendo possível notar todos os detalhes em cena, o figurino dos atores e as paisagens, somos aos poucos apresentados a questão real da trama, mas, de uma forma tão sutil que ainda assim tem um certo impacto sobre o espectador.

The amazing thing about water drops is that they always take the path of least resistance. For humans it’s exactly the opposite. T.S. Spivet

Uma Viagem Extraordinária (França e Canadá – 2013)
Direção: Jean-Pierre Jeunet
Roteiro: Jean-Pierre Jeunet e Guillaume Laurant
Elenco: Kyle Catlett, Helena Bonham Carter, Robert Maillet, Callum Keith Rennie, Judy Davis, Niahm Nilson, Julian Richings, Dominique Pinon e Jakob Davies
Duração: 105 min.

O filme estreou no Festival Varilux de Cinema Francês 2014 e ainda não tem previsão de quando chegará aos cinemas.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.