Crítica | Velozes & Furiosos 7

velozes_e_furiosos_7_plano_critico

estrelas 4

Obs: Leiam, aqui, as críticas de todos os filmes da franquia.

E chegamos ao fim. Bem, pelo menos com o elenco que conhecemos já que tiveram algumas baixas na equipe, tanto no roteiro quanto na vida real, infelizmente.

Com a ficha limpa e de volta para os Estados Unidos, é hora de retomar a vida e seguir como se nada tivesse acontecido. No entanto, Letty continua tendo dificuldade em se adaptar, pois não conseguiu recuperar a memória. E Brian, apesar de amar Mia e o filho, sente falta da adrenalina das missões e rachas. Para o azar deles, a calmaria acaba rápido quando um estranho pacote parado na varanda da casa explode quase os matando. Dom recebe uma ligação misteriosa de um homem que diz que vai vingar o irmão e começa provocando o acidente que matou o Han. Hobbs que já havia encontrado o tal homem antes e acaba hospitalizado, informa a Toretto que se trata de Deckard Shaw, irmão de Owen Shaw que eles detonaram metade da cidade de Londres tentando capturar. Reparando que a missão é bem mais perigosa do que as anteriores, Dom acaba mandando a irmã e o sobrinho para um local seguro (não querendo repetir o sequestro do filme anterior quando ele não acreditou na ameaça) e acaba recebendo a ajuda de um Agente secreto, sem nome, com poderio militar, que lhe propõe uma troca: ele vai atrás de um hacker que criou um programa de espionagem incrível e ele permite que Dom use o programa para encontrar Shaw. Com toda a equipe reunida é hora de criar um plano para conseguir resgatar o hacker do local inacessível em que se encontra e isso só será possível pelo ar. Assim dá início a última jornada de Toretto e companhia em Velozes & Furiosos 7.

Antes de mais nada é preciso entender que esse filme, assim como toda a franquia, acabou transcendendo enquanto filme de ação, pois deixou de ser apenas um longa sem um roteiro muito relevante, para se tornar um filme família, com personagens cativantes e divertidos que enfrentam problemas juntos e são leais uns aos outros. O intuito desde o início sempre foi de divertir o público e nesse quesito, nunca falhou, então, não tem razão esperar por algo além disso.

E essa questão da família pesou bastante com o falecimento repentino do ator Paul Walker, deixando no ar a dúvida de como os produtores finalizariam o longa. Eles puderam contar com a Wetta, equipe de efeitos especiais do Peter Jackson e digitalizaram o rosto do falecido ator em quatro cenas, para ser precisa. Foi um trabalho bem feito, mas os espectadores mais atentos conseguirão reparar quando é o próprio ou não. Felizmente, não é nada que atrapalhe a trama.

Ainda falando dos atores, eles se dedicaram com mais afinco a esse filme, possivelmente pelo laço emocional com a trama e a atmosfera de despedida. Roman continua fazendo uma boa dupla com Tej e parece melhor inserido no roteiro, com piadas hilárias e atuações dignas de um quadro do SNL. Aliás, o filme inteiro possui bons diálogos de comédia que inclui também o Hobbs e que prometem arrancar risos do público. Porém, o foco dramático do longa gira em torno da relação de ambos os casais. Letty e Dom estão se estranhando, pois a moça não consegue recuperar a memória e Mia tem medo que Brian esteja entediado com a vida de casado. No meio de tudo isso tem cenas de ação para lá de mirabolantes com carros que voam com e sem para-quedas, explosões e perseguições em estradas sinuosas e muita pancadaria frenética.

Com nomes como Ronda Rousey, Dwayne Johnson, Vin Diesel e Jason Statham, podem esperar coreografias de embate incríveis que contam com truques de câmera bem elaborados para não deixar ninguém piscar durante a luta. Os duelos são corpo a corpo e fica bem difícil dizer quem vai ganhar antes que a lute termine. A melhor é a briga entre Michelle Rodrigues e a lutadora Ronda Rousey trajando vestidos longos de gala. A coreografia que foi arquitetada de forma primorosa deixou o duelo bem visceral e passou longe do sensual apesar dos trajes. Palmas.

E mesmo com tantas cenas de ação vai ser quase impossível não se emocionar com a homenagem inserida de última hora ao Paul Walker. Vin Diesel na pele do Toretto diz belas palavras para o amigo que acabou se tornando seu irmão dentro e fora das telas.

Velozes & Furiosos 7 é sem a menor sombra de dúvida o melhor filme da franquia. Foi encerrado com chave de ouro e algumas lágrimas.

P.S: Assistir ao filme em 3D é extremamente desnecessário, assim como o recurso em si. Não faz muita diferença.

Velozes & Furiosos 7 (Furious 7 – EUA/Japão 2015)
Direção: James Wan
Roteiro: Chris Morgan
Elenco: Paul Walker, Vin Diesel, Jordana Brewster, Michelle Rodrigues, Gal Gadot, Sung Kang, Tyrese Gibson, Ludacris, Luke Evans, Elsa Pataky, Dwayne Johnson, Lucas Black, Kurt Russell, Nathalie Emmanuel, John Brotherton, Jason Statham, Tony Jaa, Djimon Hounson, Noel Gugliemi, Ronda Rousey, Iggy Azzalea, Miller Kimsey, Charlie Kimsey, Eden Estrella
Duração: 137 min.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.