Crítica | Vidas em Fuga

vidasemfuga

estrelas 3,5

Sidney Lumet faz parte de uma geração de cineastas que começaram suas carreiras na chamada “era de ouro da televisão”. Em uma época em que a programação era ao vivo e o nível de exigência era confuso, posto que a TV era uma novidade e ninguém sabia direito o que fazer ou o que cobrar de suas produções, os diretores em ascensão encontraram a oportunidade para amadurecer seus conhecimentos técnicos e aplicá-los com eficiência às mais diversas emergências que uma exibição televisiva ao vivo pode apresentar.

E foi com essa experiência e amplo apreço por um tratamento realista para os roteiros que recebia que Sidney Lumet chegou ao cinema em 1957, com 12 Homens e uma Sentença. Em 1958 veio Quando o Espetáculo Termina e, no ano seguinte, Mulher Daquela Espécie, até que o diretor conseguiu financiamento para levar à telonas uma peça de Tennessee Williams, dramaturgo que admirava muitíssimo e de quem já tinha adaptado peças (especialmente as de um único ato) para a TV.

Vidas em Fuga é baseado na peça Orpheus Descending, uma versão reescrita pelo próprio Tennessee Williams de sua fracassada peça Battle of Angels. Em um trabalho de 17 anos, o autor tentou mudar o tom entre um trabalho e outro, mas acabou caindo em armadilhas de sua própria obra, como a cobrança do público que para tudo o que ele escrevesse fosse algo à la Um Bonde Chamado Desejo ou o fato de que em ambas as ocasiões a peça foi rejeitada pela crítica e do público.

Sidney Lumet estava ciente dessa “maldição” que acompanhava Orpheus Descending, mas, mesmo assim, aceitou dirigir o projeto. Ele teria um grande ator no papel principal (Marlon Brando, que recebeu um milhão de dólares como pagamento, o primeiro ator da história do cinema a faturar tal cifra para fazer um filme) e três grandes atrizes em papeis notáveis, Anna Magnani, Joanne Woodward e Maureen Stapleton (talvez a menos aproveitada da tríade, mas cuja participação e encontro com Brando é de uma sutileza e conexão dramatúrgica que deixa o espectador em total atenção).

A história de Vidas em Fuga é daquelas que se enquadram no quesito de “tragédia amorosa, mitológica e social”. Brando e Magnani vivem o casal improvável e perdido que se une pela solidão em comum. Ele, um libertino que mostra sinais de amadurecimento. Ela, uma sofredora e reprimida sexualmente, presa a um casamento que a enoja e a uma sociedade machista e racista. O mito de Orfeu, a colocação dos Direitos Civis em vias de regulamentação nos Estado Unidos à época e liberdades narrativas que desafiavam o Código Hays são os ingredientes de destaque do roteiro, que é belíssimo, mesmo com furos no desenvolvimento de alguns personagens. Os diálogos de Brando e Magnani são os mais intensos e bem escritos e o mesmo vale para a primeira parte do filme, com a apresentação de Valentine ‘Snakeskin’ Xavier (Brando) no tribunal — uma cena que nos deixa vidrados no personagem e de imediato nos aliarmos a ele através do ponto de vista do juiz oculto — e a posterior sequência da chegada de Snakeskin ao condado onde conhece Vee Talbot (Stapleton), esposa igualmente reprimida do Xerife local.

O ponto fraco do texto está no claudicante trabalho de inserção de aspectos fantásticos na história. Eles acompanham de perto a luta pela igualdade étnica nos Estados Unidos, mas se deslocam completamente do todo. Para piorar, o personagem de Emory Richardson (Uncle Pleasant, um feiticeiro) aparece em pequenos cameos e é associado a Carol Cutrere, cuja principal função no filme é de complemento narrativo sobre o assunto do comportamento “selvagem” (referindo-se ao passado de Snakeskin) e de luta social. Quando ligada ao Uncle Pleasant, a personagem, em tese, estaria representando a luta pela proximidade entre brancos e negros, mas a intensidade do contato e o modo como acontece não nos fazem pensar exatamente assim. Embora Joanne Woodward esteja excelente no filme, sua personagem recebe um tratamento desencontrado no todo da obra, algo entre o mítico, o comportamental e o social que jamais se unem.

Maureen Stapleton recebe boa atenção no início da obra, mas sua cena final é enigmática para qualquer espectador que não conheça a peça. Sua cegueira e a questão das “visões” ficam soltas no filme, sem nenhum tipo de explicação. Uma sequência inteira de contexto havia sido filmada, mas Lumet julgou que ela iria distrair o espectador já nesse caminho em direção ao clímax da obra (e ele estava certo), porém, deixou a pequena cena onde Brando ajuda Stapleton levantar-se da lama, numa tarde chuvosa, e o que se diz ali fica no ar como um mistério que nenhum benefício traz ao filme.

A atualidade de Vidas em Fuga é bem maior do que possa parecer à primeira vista. O filme mostra almas inquietas em busca de amor, sociedade repressora e segregadora, incompreensão e maldade. Em maior ou menor grau, esses elementos estão presentes em qualquer sociedade civil. Com a direção realista de Lumet e a iluminação milimetricamente teatral de Boris Kaufman, o filme incorpora muito do aspecto mítico de sua fonte original, Orfeu, além de alternar lirismo e cruza realista para as contrastantes personagens principais. Trata-se de uma boa adaptação de uma peça menor de Tennessee Williams feita por um grande diretor. O resultado, mesmo que não seja perfeito, é memorável.

Vidas em Fuga (The Fugitive Kind) — EUA, 1960
Direção: Sidney Lumet
Roteiro: Tennessee Williams, Meade Roberts (baseado na peça Orpheus Descending, de Tennessee Williams).
Elenco: Marlon Brando, Anna Magnani, Joanne Woodward, Maureen Stapleton, Victor Jory, R.G. Armstrong, Emory Richardson, Madame Spivy, Sally Gracie, Lucille Benson, John Baragrey
Duração: 119 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.