Crítica | Você Não me Pega, Papai

estrelas 3,5A realidade e a ficção se misturam no longa-metragem de estreia de Daniel Wolfe. Com uma premissa crível e uma abordagem realista temos uma história angustiante sobre uma menina, Laila (Sameena Ahmed), que foge de casa junto do namorado. Sabendo disso, seu pai contrata um grupo de mercenários para trazer a menina de volta.

Você Não me Pega, Papai tem um início inconstante, e introduz de maneira confusa a narrativa em questão. Wolfe utiliza cenas que parecem perdidas no conjunto da obra, dando um enfoque em personagens que não são nem um pouco trabalhados no decorrer da projeção. Ao mesmo tempo já somos apresentados a Laila e seu namorado, que vivem em condições bem adversas com apenas um emprego de salário mínimo para sustenta-los. Essa lentidão inicial, porém, é substituída por uma constante tensão quando a perseguição, de fato, começa.

Alternando o foco entre os mercenários e a menina, o longa ganha uma fluidez notável. Com um elenco formado, principalmente, de atores amadores, dirigidos por Wolfe, o filme ganha um grande realismo. Nos é passada a nítida impressão de estarmos diante de um grupo real de pessoas e não apenas personagens. Isso acaba nos causando um forte impacto, em especial nos trechos finais da obra, que são especialmente angustiantes. A sequência final, em específico, é formidavelmente construída, nos deixando imóveis e querendo pular para dentro da tela na esperança de fazer alguma coisa.

Esse tom de veracidade da história também é fruto do trabalho fotográfico de Robbie Ryan, que sabe intercalar a linguagem clássica com enquadramentos desconfortáveis, apostando em diversos closes, alguns deles bastante chocantes. Definitivamente este não é um filme para todos e nos deixa com uma sensação de amargura no estômago. A simpatia pela protagonista existe, mas em nenhum ponto conseguimos argumentos para defende-la. É claro que a crescente brutalidade, crueza, da perseguição nos provoca uma distinta tensão, mas conseguimos entende-la perfeitamente.

O filme somente nos perde em algumas de suas cenas noturnas que são demasiadamente escuras. A intenção de nos transmitir uma sensação de caos, de medo, é óbvia, mas não podemos deixar de sentir a falta de um pouco mais de luz. Com isso o trabalho da direção seria valorizado em tais sequências e, por fim, conseguiria criar um maior engajamento por parte do espectador. Ao invés disso ficamos por minutos sem ter o que olhar, ou até mesmo ouvir, já que trata-se de cenas onde o silêncio impera.

Apesar de tais deslizes, que certamente prejudicam o filme como um todo, Você Não me Pega, Papai, nos deixa com uma percepção positiva da obra. Sua crueza é angustiante e atua a seu favor, construindo um filme que muito se distancia de outras obras do gênero. Uma ótima estreia para Daniel Wolfe na tela grande, que já nos deixa curiosos para suas posteriores empreitadas.

Você Não me Pega, Papai (Catch Me Daddy – Reino Unido, 2014)
Direção: 
Daniel Wolfe
Roteiro:
 Daniel Wolfe, Matthew Wolfe
Elenco: Conor McCarron, Samena Ahmed, Gary Lewis, Wasim Zakir, Anwar Hussain, Barry Nunney
Duração:
107 min.  

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.