Crítica | Wolverine: O Velho Logan

estrelas 3,5

Estamos em um futuro alternativo, onde “aquele” mundo que conhecemos foi finalmente dominado pelos super vilões do universo Marvel. Nosso protagonista, outrora, foi o mutante mais invocado de todo o multiverso, quem ele é? Fácil… Wolverine!

Porém, há algo diferente, Logan não é mais aquele mesmo herói rebelde, digo, anti-herói. Nesta realidade alternativa, o mutante baixinho se tornou um pacato fazendeiro do sul da Califórnia, deixando de lado a vida de x-man e cuidando de sua família.

Alguns leitores identificam ou assemelham a história de Mark Millar a obra de Frank Miller, Batman: O Retorno do Cavaleiro das Trevas. Mas as semelhanças ficam somente no começo da história, pois mesmo havendo um “retorno” do herói, a ideia de trazê-lo à tona se difere muito do que passado por Frank Miller no futuro alternativo de Batman.

A arte de McNiven é excelente, além de bem detalhada é bem expressiva e um pouco exagerada no conceito “sanguinário de ser”, algo que provavelmente ajudou muito a equilibrar nos pontos negativos da saga. Sem maiores delongas, o velho Wolverine está numa das divisões dos EUA, comandada pela família do Hulk e necessita pagar seu aluguel com o gigante esmeralda. Seu velho e agora cego parceiro de época, Clint Barton (O Gavião Arqueiro) lhe oferece a proposta de cruzar o Estados Unidos, realizar uma troca e saírem com uma boa grana para acertarem suas vidas. É aí que provavelmente nosso querido leitor deve se perguntar, “por que diabos Wolverine não decapita os vilões que assombram este mundo?” Esta questão é a peça que move o leitor junto há alguns flashbacks do passado, causando o mistério da trama, cuja descoberta é simplesmente surpreendente.

Nosso protagonista juntamente ao cego Gavião Arqueiro, percorre naquele infeliz Jeep-Aranha, que fora dispensado há anos das histórias do escalador de paredes mas que nesta aventura, consegue ser tão bem colocado que mal percebemos a inutilidade deste para o ex-proprietário. Obviamente, no percurso, eles enfrentam vários problemas, cruzam as divisões feitas nos EUA, passando pelo território do Doutor Destino, Rei do Crime (outrora comandado pelo Magneto) e finalmente, chegando ao fim do destino, nas mãos do terrível Caveira Vermelha, agora se autoproclamando o Presidente!

No decorrer da leitura a ação, as brigas e o suspense só vão aumentando mesmo que Logan não deseje. É interessante ver os personagens que sobreviveram nesta realidade, as menções aos muitos heróis e vilões e as ações que eles tomaram.

Todavia, o enredo não é tão complexo, além do mistério que nos indaga do porquê de Logan não usar suas indestrutíveis garras, que é descoberto pouco depois da metade do arco, a história é curta, Millar poderia ter desenvolvido melhor cada personagem, ou aumentar a dinâmica dos heróis com outros seres do ambiente, criando algo mais concreto com mais detalhes deste perdido futuro. Outras dúvidas que ficam no ar é do porquê de Doutor Destino estar nos EUA, como os outros heróis pereceram e outras indagações que ao lermos, podem ser facilmente percebidas.

Chegando ao fim, como tudo começou… Wolverine retornará para Califórnia, de um jeito ou de outo, sua origem, sua fama e tudo mais se deram ao colidir com Hulk e assim culminará, até que um vença a épica batalha.

Para aqueles que não tiveram a oportunidade de ler esta obra, a Salvat, lançará em breve, o encadernado da aventura do velho carcaju na “Coleção de Graphic Novels” que sai todo mês, fique esperto!

Wolverine: O Velho Logan – Wolverine #66-72 e termina em Wolverine Giant-Size Old Man Logan – EUA, 2008
Roteiro: Mark Millar
Arte: Steve McNiven
Editora (nos EUA): Marvel Comics (EUA)
Editora (no Brasil): Panini (Wolverine #57 a 64, de agosto de 2009 a março de 2010) 

ERIK BLAZ. . . .Tudo começou quando o meu pai Odin me baniu de Asgard para Midgard... Então eu fui mordido por um vampiro, quando me atacaram com kriptonita e para piorar a situação, vendi minha alma para Malebolgia (em troca de algumas HQs), enquanto meus dons mutantes de controlar o clima surgem pouco antes de ser o escolhido para portar um anel energético e obter a Equação Anti-Vida e assim, salvar todo o multiverso! Mas também possuo uma paixão pela Arte em suas mais diferentes formas e gêneros...Desenho, Pintura, Gravura, Montagens, Teatro... E claro, um louco por histórias em quadrinho e filmes antigos, sem falar na arte de comer muito e dormir pra caramba :'D