Doctor Who | O 10º Doutor: David Tennant

O 10º Doutor

2005 – 2010 / 2013

.

David John McDonald nasceu na Escócia, em 18 de abril de 1971. Filho de uma família religiosa (seu pai era líder da Igreja da Escócia), teve uma infância ligada às atividades eclesiásticas, principalmente por influência dos pais, mas se distanciou da igreja no início da juventude. Ainda na adolescência, esteve envolvido em projetos teatrais escolares, e chamou a atenção de uma de suas professoras, que sugeriu que ele pensasse a respeito de seguir a carreira artística.

Anos depois, ele entraria para Royal Scottish Academy of Music and Drama, de onde sairia formado. Mas é interessante que tendo projetos mais sérios apenas na adolescência, o ator já disse em entrevistas que quando era muito criança já dizia aos pais que queria ser ator porque era fã de… Doctor Who! O nome “Tennant” foi adotado por ele em homenagem a Neil Francis Tennant, da banda Pet Shop Boys.

Sua estreia profissional foi aos 18 anos, na série Dramarama. Ele seguiria com papeis em séries de TV até meados dos anos 90, quando teria o seu primeiro papel cinematográfico, no filme Paixão Proibida (1996), protagonizado por outro futuro Doutor: Christopher Eccleston. A carreira artística de Tennant foi mais centrada no teatro e na televisão do que no cinema (algo bastante comum para os atores britânicos que não migram para os Estados Unidos ou possuem agentes que lhes arranjam papeis em produções em outros países da Europa). Mesmo assim, podemos destacar alguns de seus filmes até o primeiro contato com Doctor Who: Absolutamente Los Angeles (1996), The Last September (1999) e Bright Young Things (2003).

Sempre tem alguém para estregar as férias do Doutor.

Antes de estrear em Doctor Who, em 2005, David Tennant teve um primeiro contato com a série, como dublador de uma animação realizada antes do revival. Trata-se de The Scream of the Shalka (2003), um arco de 6 episódios em animação, de caráter não-canônico mas produzido pela BBC e também lançado oficialmente em DVD pela emissora (na verdade o arco foi inicialmente colocado como canon, mas em seguida retirado pela própria BBC por motivos que abordaremos em textos futuros no nosso Especial). Neste arco, Richard E. Grant faz o papel do Doutor, Derek Jacobi faz o Mestre (papel que voltaria a repetir já na Nova Série, como Professor Yana) e David Tennant faz um personagem secundário, que aparece em apenas um episódio.

Com os problemas internos ocorridos na produção da série em 2005 e o anúncio da substituição de Christopher Eccleston por outro ator, o nome de David Tennant já estava sendo cotado, e ele acabou ficando com o papel, realizando um sonho de criança e como ele mesmo diz, o complemento que faltava para uma carreira feliz.

Viagens no tempo são um grande problema… Afinal, essa garota é minha esposa, minha filha, filha do meu “outro Eu”, ou uma wibbly wobbly timey wimey…stuff?

O 10º Doutor representa uma encarnação menos afetada pelos efeitos da Time War. Nosso colunista Guilherme Coral abordou o envolvimento do 8º Doutor durante a guerra e é evidente que as consequências psicológicas tenham sido fortes no 9º Doutor, mesmo tendo em consideração a “meia-encarnação” representada por John Hurt. As demonstrações plenas de humor e grande empolgação dessa encarnação são um exemplo de compensação do sofrimento causado pelo trágico efeito da guerra, quase uma sublimação. Muitas vezes, durante diálogos com Martha Jones ou Donna Noble, o 10º Doutor deixou claro a saudade e o sofrimento que a Time War ainda lhe causava, embora ele soubesse lidar melhor com isso.

Seu figurino teve uma variação de cores ou detalhes durante as temporadas, mas de modo geral permaneceu o mesmo. O modelo principal era o conjunto de paletó (marrom e azul lisos ou listrados) e gravata (de diversas cores) e um longo casaco marrom (com algumas variações no tom e no modelo de botões e bolsos), além de tênis All Star (hehehe). Alguns acessórios puderam ser percebidos nessa encarnação, como chapéus, vários tipos de óculos (inclusive 3D) e correntes, sejam discretas ou espalhafatosas como aquela de flores que ele usa quando visita a Ood Sphere.

Se o 11º Doutor teve o Dream Lord, o 10º teve, além do seu Metacrise, que deixou com Rose na outra Terra, esse “Outro Doutor” aqui. Vejam só que bacana o “tema e variação” para o figurino dos dois Doutores.

A regeneração do 10º Doutor foi a que mais demorou para acontecer, sendo profetizada e passando por diversas “ameaças” graves até ele salvar o avô de Donna, absorvendo uma enorme quantidade de radiação nuclear. Ele já havia perdido muitos companions, por isso não ia deixar que acontecesse algo de ruim com Wilfred. Antes de sua passagem para a 11ª encarnação, porém, ele fez uma série de visitas a pessoas queridas, dando uma espécie de último adeus, algo até então inédito na série.

Primeira aparição como 10º Doutor: The Parting of the Ways (cameo, regeneração do 9º Doutor, 2005) / The Christmas Invasion (2005), já como 10º Doutor.

Última aparição:  The Day of the Doctor (2013)

Regeneração: The End of Time – Part 2 (2010)

Primeiras palavras:  Hello!  Okay–ooh.  New teeth. That’s weird. So, where was I? Oh, that’s right. Barcelona!

Últimas palavras: I don’t want to go!

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.