Doctor Who | O 11º Doutor: Matt Smith

Matthew Robert Smith nasceu em 28 de Outubro de 1982 em Northampton, Inglaterra. É o ator mais novo a viver o Doutor, desbancando Peter Davison que retinha tal título desde seus tempos como quinto Doutor de 1981 a 1984. Somado a este fato é o primeiro ator a viver o Time-Lord, tendo nascido após a morte de William Hartnell, o primeiro Doutor.

Matt Smith nem sempre aspirou a uma vida nas telas, quando adolescente seus talentos no futebol o levaram a almejar uma carreira no campo futebolístico. Em sua juventude jogou pelos times juniores de Northampton Town F.C., Nottingham Forest F.C. e Leicester City F.C. Seu desejo de se tornar jogador, contudo, foi interrompido por um ferimento nas costas. Curiosamente, no episódio “The Lodger’ da 5ª Temporada da nova série, Matt voltou ao campo como o Doutor e foi representado como um ótimo jogador.

Gallifrey F.C.

Sua carreira como ator teve início quando seu professor de teatro o colocou (sem o consentimento de Matt) como um dos jurados em uma adaptação de Twelve Angry Men. Apesar de ter aceitado o papel, o futuro Doutor se recusou a participar de um festival de teatro que o mesmo professor também o alistou – Matt se via como um jogador de futebol e não via atuar como algo socialmente aceitável para si mesmo. Foi através da insistência desse professor que Smith decidiu se juntar ao National Youth Theatre em Londres e posteriormente estudar drama e creative writing na University of East Anglia.

Em 2009 foi anunciado que Matt Smith teria o difícil papel de substituir David Tennant, tornando-se a 11ª encarnação do senhor do tempo. Smith, aos seus 26 anos era um ator relativamente desconhecido na época e participou primeiramente de um casting para se tornar Watson da série Sherlock, criada por Steven Moffat e Mark Gatiss. Segundo Moffat, Matt era muito excêntrico (característica que se estenderia para o novo Doutor) para o papel de Watson, mas que teria sido ótimo como Sherlock, se já não tivessem encontrado Benedict Cumberbatch.

Ao contrário de Tennant, Matt Smith não era um fã da série, afinal nasceu quando a série estava prestes a ser cancelada. Smith não conhecia, portanto a série clássica e apenas assistiu alguns episódios quando foi escalado para o papel do XI.

O 11º Doutor, como dito anteriormente, apresenta uma personalidade mais excêntrica. Seu nascimento ocorreu a partir da fase mais sombria da vida do 10º Doutor, que já estava repleto das cicatrizes deixadas pela separação de seus companheiros, principalmente Rose e Donna que representaram um rompimento mais definitivo. Nesses momentos finais, o décimo Doutor já brigava em seu interior, questionando seus princípios, culminando na breve aparição do Time Lord Victorious, no especial The Waters of Mars. Pode-se dizer, portanto, que a regeneração, embora triste, tenha sido bem vinda – nenhum de nós gostaria de ver o Doutor se tornar uma espécie de Master.
A regeneração para o 11º Doutor reviveu o espírito do personagem, que beirava a depressão. Ele manteve alguns aspectos de sua personalidade anterior em uma mescla de animação, curiosidade e solidão. Muitas vezes o vemos optar por viajar sozinho por alguns períodos, embora com certa relutância e, em geral, pensando no bem estar de seus companheiros (que não gostam nem um pouco quando são abandonados). Esse já é um Doutor que superou a Time War e a consequente morte de sua raça, mas que é assombrado novamente pelo seu passado no episódio final da 7ª Temporada e no vindouro especial de 50 anos da série.

Seus companheiros foram Amy Pond, Rory Williams e Clara Oswald, todos afetuosamente apelidados pelo Doutor como The girl who waited, the boy who waited e The Impossible Girl (dentre diversos outros apelidos). Como já dito nas críticas feitas pelo nosso editor, Ritter Fan, os companheiros do XI foram introduzidos de maneira bastante orgânica e complementam o senhor do tempo perfeitamente, impedindo-o de se tornar um homem taciturno.

The Red, the Nose, Spoilers & The Impossible Girl

Impossível falar dos companheiros do 11º sem falar também de River Song, a personagem introduzida na quarta temporada em Silence in The Library. Embora não acompanhe o senhor do tempo em todas suas aventuras dessa regeneração, ela está presente em quase todas as histórias importantes, se tornando parte crucial da vida do Gallifreyano.

Seu figurino é uma jaqueta tweed acompanhada de uma gravata borboleta. O chapéu vermelho também se tornou uma marca do 11º Doutor. Curiosamente, a gravata borboleta, tão marcante do personagem, foi introduzida por insistência do próprio Matt Smith.

Quando sua regeneração irá ocorrer ainda não sabemos, a única informação confirmada é que Peter Capaldi irá substituir Matt Smith, tornando-se o 12º Doutor.

Primeira aparição: The End of Time, parte 2 (cameo, regeneração do 10º Doutor, 2010) / The Girl Who Waited (2010), já como 11º Doutor.

Última aparição: Deep Breath (2014)

Regeneração: The Time of the Doctor (2013)

Primeiras palavras:Aaargh! Legs! I’ve still got legs. Good. Arms, hands, ooh fingers, lots of fingers. Ears, yes eyes, two, nose…I’ve had worse. Chin…blimey! Hair! I’m a girl! No! No, I’m not a girl… and still not ginger! There’s something else, something important, I’m…I’m…I’m… crashing! Haha! Woohoo! And… geronimo!

Últimas palavras:I wil not forget one line of this. Not one day, I swear. I will always remember when the Doctor was me.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.