Doctor Who | O 5º Doutor: Peter Davison

O 5º Doutor

1981 – 1984 / 2007

Peter Davison (Peter M. G. Moffett) nasceu em Londres, no dia 13 de abril de 1951. Sua carreira como ator começou ainda cedo, quando se matriculou em uma escola de artes cênicas e então decidiu o que queria fazer da vida quando adulto. No teatro, ele trabalhou como assistente de palco e outras funções similares, além, é claro, de fazer parte do elenco de algumas pelas notáveis, até que pouco depois de seu primeiro casamento (1973, com apenas 21 anos) ele conseguiu uma pequena participação em episódio da série Warship, o que se tornou o seu passaporte para uma longa carreira na telinha.

Ainda nos anos 1970 ele faria parte de do elenco de suas séries britânicas, The Tomorrow People e Love for Lydia, programas que consolidariam a sua fama no país e o faria ser escalada para diversos outros programas no decorrer dos anos. Sua carreira é essencialmente televisiva (séries e telefilmes), tendo pouquíssima participação no cinema.

Em 1981, Davison assinou um contrato com a BBC para interpretar a 5ª encarnação do Doutor, substituindo o amado Time Lord interpretado por Tom Baker. Os produtores da série tentaram estender o contrato para mais tempo, e quando estava perto de expirar, tentaram renová-lo com o ator (até então o mais novo a encarnar o Doutor), mas Davison recusou a oferta, alegando não querer ficar estereotipado por causa do papel (a mesma justificativa usada por  Christopher Eccleston, 0 9º Doutor, para deixar o papel). Consta que Davison foi aconselhado por Patrick Troughton, o 2º Doutor, a deixar o papel após 3 anos, conselho que acabou seguindo à risca.

Um fato curioso é que a filha de Peter Davison, Georgia Moffet, casou-se com David Tennant, que interpretou o 10º Doutor. O mais interessante ainda é que no episódio The Doctor’s Daughter, Georgia interpreta a filha do 10º Doutor, artificialmente criada a partir de seu DNA.

O 5º e o 10º Doutor juntos, num minisode chamado “Time Crash”.

O 5º Doutor começa sua era com 3 companions:  Adric, Nyssa e Tegan Jovanka, todos herdados de sua 4ª encarnação. Algo que marcou bastante o Doutor foi a morte de Adric, de quem se aproximaria bastante e se sentiria culpado por sua morte.

Davison assumiu uma postura mais gentil, se comparado à sua encarnação anterior. Ele tinha uma postura mais próxima de seus companheiros de viagem e não se furtava em compartilhar sentimentos, medos e anseios com os companions. Até a forma de lidar com seus inimigos se tornou diferente, uma vez que ele preferia o diálogo à ação física. Em momentos de muita pressão, ele entrava em pânico ou se tornava indeciso demais, o que o colocou frente a grandes problemas em momentos decisivos junto a alguns de seus inimigos. Mais para o final da sua encarnação, o Doutor se tornou cada vez mais irônico e sarcástico, adotando às vezes uma postura mais rude do que o normal, considerando sua atitude no início da encarnação.

O 5º Doutor vestia principalmente um longo casaco bege com gola e mangas vermelhas, além de um colete também bege com golas da mesma cor (incluindo marrom e preto também). Ele também usava um pedaço de aipo na lapela esquerda do casaco. Às vezes ele completava o seu look com um chapéu panamá com uma faixa vermelha. Sua calça era bege e tinha listras laranjas, e em dado momento de sua encarnação ele passou a usar suspensórios.

.

Primeira aparição: Logopolis (1981), cameo – regeneração do 4º Doutor / Castrovalva (1981), já como 5º Doutor.

Regeneração: The Caves of Androzani (1984)

Última aparição: Time Crash (2007)

Primeiras palavras: Ah, you’ve come to help me find the Zero Room. Welcome aboard. I’m The Doctor, or will be if this regeneration works out.

Últimas palavras: Going soon. It’s time to say goodbye. Might regenerate, I don’t know. Feels different this time. Adric?

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.