Editorial | Retrospectiva: O Plano Crítico em 2015

E cá estamos nós em mais um editorial, relembrando os grandes momentos do ano! E 2015, o terceiro ano de vida do Plano Crítico, foi bastante movimentado! Como sempre, o grande apoio de vocês, leitores, e a intensa participação que tiveram comentando ou divulgando as nossas matérias serviu como energia extra para produzirmos a todo vapor e trazermos surpresas, como a dupla que encontramos perdida em um Restaurando no Fim do Universo, comendo o Salmão da Dúvida e que chamamos para nos auxiliar na manutenção e expansão profissional do PC. Com acompanhamento técnico do Marcus e com assessoria de marketing do Claudio, o Plano Cítico ganhou maior espaço na rede e segue inovando e buscando novos caminhos para falar a um público cada vez maior. Como se sabe, compartilhar esforços sempre gera bons resultados e… bem, aqui estamos para contar mais um ano dessa história.

Foi interessante constatar o crescimento de seguidores em nossas redes sociais como Facebook (7.718 e contando), Instagram (9.386 e contando), Twitter (2.821 e contando) e como as conversas, o bom humor, os pedidos e a troca de informações com os leitores, tanto nessas redes quanto em e-mails e no direcionamento para as críticas e colunas no site aumentaram grandiosamente. Esse aumento de seguidores e visitantes nos fizeram alterar algumas estratégias de Especiais — por sugestão de uma de nossas leitoras! –, para tornar o conteúdo mais imediato para vocês e também como uma forma de acompanhar grandes lançamentos e eventos no cinema, TV, quadrinhos, música, games ou literatura… e só para lembrar um pouquinho do que tivemos nessas áreas ao longo do ano, citamos o Entenda Melhor sobre a série do Demolidor; a criação de um super-hypeado Especial Star Wars na esteira de O Despertar da Força; a mega-crítica de Metal Gear Solid V; livros de peso como Doutor Sono e Perdido em Marte; o Especial Queen, em homenagem aos 45 anos de formação da banda; e mais uma (de novo e outra vez) reconfiguração do Universo da DC Comics com o evento-saga-maluquice chamado Convergência. Claro que esses são apenas alguns dos muitos exemplos, mas já deu para ter um gostinho de nostalgia do que tivemos ao longo do ano, não é mesmo? E para seguir nessa mesma linha, vamos trazer alguns dos marcos que comentamos ao mesmo tempo que relembramos os grandes projetos do site neste ano.

7 de janeiro

7 de Janeiro

Em JANEIRO nós tivemos o encerramento do Especial Elia Kazan, com a publicação da crítica de O Último Magnata, e aproveitamos para colocar mais um índice no ar, do então em andamento, Especial François Truffaut. Abaixo, vocês podem conferir os destaques — ou seja, os textos mais lidos do mês de janeiro — nas 4 áreas principais do site. Importante lembrar que este padrão de fichamento se repetirá nos meses seguintes abordados neste editorial.

O finalzinho de janeiro também nos trouxe uma agradável surpresa para nós: a parceria do Plano Crítico com a Revista Neo Tokyo, que passou a publicar parte de nossas críticas de animes, mangás, longas do Studio Ghibli ou artigos especialmente solicitados dentro dessas mesmas áreas de produção artística.

29 de Janeiro

29 de Janeiro

FEVEREIRO começou com a nossa dose anual de dor de cabeça em relação à parte técnica do nosso filhote em fase de crescimento. Do dia 2 ao dia 11 nós estivemos fora do ar, em [mais] uma crise, que chamamos carinhosamente de A HECATOMBE. Além de adicionar mais alguns cabelos brancos ao Ritter Fan e sérios problemas nervosos em mim e no Guilherme Coral, a tal crise manteve o nosso Facebook mais ativo que o normal, como forma de substituir temporariamente a ausência de postagens — nós jamais deixaríamos vocês na mão. Provavelmente vocês se lembram desse primeiro aviso quando A HECATOMBE deu o primeiro sinal de vida:

2 de fevereiro

2 de Fevereiro. Como veem, esse “já voltamos” foi como o “é logo ali” dos mineiros…

Mais para o final do mês, já bem calmos após a passagem d’A HECATOMBE, tivemos a nossa dose anual de acompanhamento do Oscar, encabeçada por Gandalf Ritter Fan, que não perdeu a oportunidade de reclamar do maravilhoso, incrível, insuperável, glorioso, divino e cativante Tapete Vermelho…

22 de fevereiro

22 de Fevereiro

O mês de MARÇO foi o nosso mês mais prolífico em termos de estreias nos cinemas, com 26 novos longas que ganharam crítica no site por ocasião de seu lançamento no cinema.

Mas quem disse que tudo seriam flores? Novamente tivemos um outro impasse técnico, que colocou mais cabelos brancos na cabeça do Papai Noel Ritter Fan e fez o Guilherme ter um piripaque nervoso e sair gritando pelas ruas do Rio de Janeiro, chamando Jesus de Genésio, cantando “Parabéns pra Você” nos bueiros e dizendo que teria um filho com a Inês Brasil. Esta crise, nós chamamos carinhosamente de BAQUE DO SERVIDOR, e gerou o seguinte aviso para vocês:

17 de marco

17 de Março

Mas tudo se acalmou, o site passou a rodar mais rápido, houve uma mudança simples na organização da Home e da coluna lateral no interior das postagens, além da disponibilização dos podcasts de Doctor Who de forma mais fácil para vocês. E por quê tudo isso? Bem, porque era ABRIL, o mês do outono (segunda e última melhor estação do ano, depois do inverno, como TODO MUNDO SABE), da criação do cargo de Ditador do Pagode, exercido pelo Tocador de Agogô e MC nas horas vagas, Handerson Ornelas; e do aniversário da pessoa mais linda e mais legal do Plano Crítico: eu!

O mês foi bastante movimentado porque estrearam dois filmes de enorme hype: Vingadores: Era de Ultron, que gerou este super-hiper-mega-master-blaster-plus-advanced Entenda Melhor: Era de Ultron; e Velozes e Furiosos 7, que gerou a nossa tag-Especial “Velozes e Furiosos”, onde vocês puderam acompanhar as críticas para todos os filmes da franquia. Também neste mês publicamos o índice do Especial Demolidor, reunindo o nosso vasto arcabouço de críticas e artigos sobre o herói.

E como se não bastasse, tivemos a volta de um dos fundadores do Plano Crítico às suas raízes, o ex-Ewok, ex-Sabe de Nada Inocente, ex-Caçador de Carcarás e ex-Presidente do Fã Clube Wicca Brasil, Matheus Fragata, que passou um longo período nas Drylands da Universidade e cuja primeira publicação no Novo Plano Crítico, em seu retorno, aconteceu no dia 15 de abril.

21 de Maio

21 de Maio

MAIO foi o mês do inesquecível e carinhosamente apelidado por nós como FILME DO POMBO, que gerou uma grande novela para decidir quem iria vê-lo; passou por duas mãos e acabou comigo, que até hoje tenho dúvidas se escrevi a crítica ainda sob o efeito alucinógeno de cogumelos azuis que a sessão desse longa me deixou. Também foi o mês em que iniciamos o Especial Queen e a série de publicações de preparação para o grande Mad Max, que com certeza estará nas listas de melhores filmes do ano de um monte de cinéfilos por aí…

JUNHO foi um mês de estreias que prometeram bastante, mas nem todas entregaram sequer metade da promessa, o que foi uma pena. A salvação veio mesmo com maravilhoso Divertida Mente, um dos mais cotados do ano e um dos grandes triunfos da Pixar. E para animar um pouco o mercado com fôlego europeu, tivemos o Festival Varilux de Cinema Francês, com cobertura principal da Gisele Santos mas que também contou com participações minhas e do Ritter Fan na escrita das críticas.

26 de Junho

26 de Junho

Em JULHO, nós batemos o nosso próprio recorde de publicar índices de Especiais. Vejam por vocês mesmos: Especial O Exterminador do Futuro (dia 6); Especial Rainer Werner Fassbinder (dia 20); Especial Asterix, o Gaulês (dia 20); Especial Star Wars (dia 20); e Especial Ficção Científica (dia 29). E como se não isso fosse pouco, ainda fizemos publicações sequenciais para estreia de O Último Poema do Rinoceronte, do diretor Bahman Ghobadi; para os filmes com o personagem Kiriku; e para o lançamento de Homem-Formiga!

Ainda tivemos uma novela para a estreia de Magic Mike XXL, que acabou sobrando para mim:

__ Não é gostoso? Não é gostoso?

Jovem sentada ao meu lado no cinema, que ficava me cutucando e me fazendo constantemente essa pergunta na sessão de Magic Mike XXL.

E para fechar o mês com chave de ouro, devo dizer que fomos presenteados com a primeira crítica infantil do site, redigida pela Leia, de 10 anos, filha do Pai-Tempo Ritter Fan e que fez um sucesso enorme junto aos leitores, merecidamente!

carrossel-o-filme

Crítica Infantil de Carrossel, escrita por Leia, de 10 anos: a crítica do ano no Plano Crítico.

AGOSTO foi o mês do terrível Quarteto Fantástico, acompanhado de uma gorda tag de críticas de quadrinhos como preparação para o filme, algo que já virou uma tradição do Plano Crítico quando se trata de filmes pescados da nona arte. O mesmo se deu com outra adaptação, desta vez, da literatura, O Pequeno Príncipe, uma das grandes fofuras do ano.

Também tivemos neste mês a chegada de um novo interno em nosso Plano Arkham, o Lucas Nascimento, matador de Comensais da Morte e fundador da igreja Unidos em Crepúsculo, que chegou enriquecendo o nosso catálogo de críticas de trilha sonora, filmes e séries, e que já provou o amargo fel dos leitores malucos que amaldiçoaram até a 94ª geração do rapaz…

SETEMBRO passou voando. Estávamos em preparação intensa para o projeto “Outubro do Terror” e em constante tensão para dois grandes festivais de cinema que iríamos cobrir. Mesmo assim, eu tive a oportunidade de ver e escrever sobre um dos piores filmes do ano, o gospel Você Acredita?.

1 de outubro

Em OUTUBRO tivemos o já citado projeto OUTUBRO DO TERROR, encabeçado pelo Leonardo Campos, com críticas para “filmes do capeta” dos mais diferentes períodos da História do Cinema. O projeto também trouxe o 1º ebook do Plano Crítico, o Veredito Cinéfilo #4: Maiores Filmes de Terror do Cinema. Neste mês também tivemos uma sequência especial de publicações para os filmes da saga A Hora do Pesadelo, todas escritas pelo Lucas Nascimento e duas quinzenas extremamente corridas, com o FESTIVAL DO RIO (cobertura de Enoque Ritter e Guilherme) e a MOSTRA SP (cobertura minha), com filmes que em sua maior parte só estrearão no Brasil em 2016 e olhe lá.

21 de outubro

21 de Outubro

NOVEMBRO foi um mês de expectativas para a estreia de Star Wars: O Despertar da Força e dos “dias demoníacos” com críticas para os filmes da saga Sexta-Feira 13. Aqui tivemos a estreia do também aguardado Jogos Vorazes: A Esperança – O Final, que parece não ter levantado taaaanto os ânimos das pessoas como se esperava… Outro acontecimento muito importante aconteceu no dia 19 desse mês, quando foi publicada a crítica de número 4.000 do site, assinada por mim e referente ao álbum The Works, do Queen.

25 de novembro

25 de Novembro

DEZEMBRO nos trouxe o lendário novo Star Wars, as minhas férias nas brenhas mais remotas do Brasil e um desfecho de ano, como sempre, reflexivo e cheio de planos para o futuro. A partir do dia 29 começamos uma sequência de publicações e republicações dos filmes de Quentin Tarantino + as trilhas sonoras de seus filmes como preparação para a estreia de Os Oito Odiados no Brasil. Também demos início à preparação para os grandes aniversários de filmes em 2016. As marcações na agenda interna foram feitas e isso deixou o Matheus tão eufórico que ele se candidatou a ser adotado por milionários que queiram pagar para que ele passe o dia todo vendo filmes e escrevendo. Saiu até no jornal. True story.

17 de dezembro

17 de Dezembro

Neste mês também tivemos uma importantíssima reviravolta na estrutura do nosso podcast, o Plano Gallifrey, que passou a comportar muito mais coisas do que “apenas” material de Doctor Who, um evento que eu chamei de A INFAME TRAIÇÃO DO SR. GUILHERME CORAL, que esperou a minha viagem de férias e meu isolamento nas brenhas e bambuzais entre os babuínos para encabeçar a gravação de um programa sobre O Despertar da Força. SEM A MINHA PRESENÇA!!! A cara de pau é tão grande, que nem Machado de Assis quebra. Mas fiquem todos avisados: em 2016 eu darei o troco. E certamente teremos podcasts cheios de surpresas e com novas abordagens, novos convidados e novos temas, sem deixar de lado o assunto-base do programa, o infinito Universo de Doctor Who.

17 de dezembro 2

17 de Dezembro

Já na reta final do mês, depois de (mais alguns) quilinhos ganhos no Natal, o Plano Crítico teve o retorno da fofíssima Leia Granger com a crítica infantil de Alvin e os Esquilos: Na Estrada. E no dia 28, duas coisas interessantes, primeiro, a publicação da crítica de Made in Heaven, último álbum do Queen e que encerrava toda a parte musical da banda dentro do Especial, que terá mais algumas surpresas em 2016 antes da finalização; e segundo, a gracinha que Matusalém Ritter Fan fez em seu texto de F is for Family, a primeira “CRÍTICA-VINGANÇA-ANTI-HACKER-&-TERRORISTA” do site. O resultado foi esse aqui.

plano crítico natal

24 de Dezembro

E assim chegamos ao final da nossa jornada neste ano, caros leitores! Mais uma vez nós agradecemos enormemente o apoio de todos, os comentários, a divulgação, as concordâncias e discordâncias, os pedidos e brincadeiras, as cobranças e os elogios, o companheirismo… Estaremos juntos novamente em 2016 para curtir, escrever, falar e debater sobre todas as nerdices e não-nerdices possíveis. Nosso objetivo é aumentar, dinamizar e melhorar ainda mais a nossa produção, fazendo crescer o número de 4.171 textos publicados com os quais o site finaliza este 2015, tendo este fantástico time em campo:

  1. Gisele, a Hermana dos Filmes Alternativos (30 textos publicados)
  2. Matheus, o Infame Seguidor da Academia (42 textos publicados)
  3. Lucas B, o Mestre dos Magos (45 textos publicados)
  4. Anthonio, o Homem-Virtual (53 textos publicados)
  5. Lucas N, o Casinha do Pastel: Pediu-Saiu (58 textos publicados)
  6. Leonardo, o Monstro das Monstruosas Letras (111 textos publicados)
  7. Handerson, o Ditador do Pagode (115 textos publicados)
  8. Melissa, a Rastreadora do Pop (152 textos publicados)
  9. Guilherme, o Judas da Malemolência (538 textos publicados)
  10. Ritter, Aquele Que Não Merece as Coisas (1.118 textos publicados)
  11. Luiz, o Horrível Opressor (1.493 textos publicados)

Desejamos a todos vocês um excelente Réveillon! Felicidades, saúde e um glorioso 2016 a todos! Nos vemos o ano que vem. Que a Força esteja com vocês!

FELIZ ANO NOVO!

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.