Entenda Melhor | O Justiceiro – 1ª Temporada: Referências e Easter-Eggs

A crítica da 1ª temporada de O Justiceiro, a sexta série e primeiro spin-off não originalmente planejado produzido pela Marvel e ABC com exclusividade para o Netflix, pode ser lida aqui. Leiam o artigo que segue apenas se já assistiram a série ou se não se importa com revelações, pois há inevitáveis spoilers.

Apesar da série ser perfeitamente apreciável por aqueles que nunca leram os quadrinhos do Justiceiro, anti-herói urbano da Marvel Comics criado por Gerry ConwayRoss Andru e que apareceu pela primeira vez como inimigo do Homem-Aranha em O Espetacular Homem-Aranha #129, de fevereiro de 1974, fato é que aqueles que conhecem a mitologia tiveram, com certeza, uma camada a mais de apreciação. Assim, resolvemos indicar, aos fãs e não fãs dos quadrinhos, tudo que conseguimos achar assistindo aos 13 episódios da série. Se alguém tiver detectado outras referências, por favor não deixe de indicar nos comentários!

Leiam, também, os seguintes artigos:

Os quadrinhos do Justiceiro que criticamos

Todos os filmes do Justiceiro

Todo o Universo Cinematográfico Marvel

As séries Marvel-Netflix

Nossos “Entenda Melhor” de Easter-Eggs e Referências

Vamos lá?

Personagens que já apareceram:

Para evitar repetições, decidi apenas listar os personagens que já deram as caras nas séries Marvel/Netflix e que voltam aqui, inclusive o próprio Justiceiro. Cliquem nos nomes para ler suas respectivas biografias.

Dos quadrinhos:

Frank Castle/Justiceiro: Apareceu pela primeira vez nas séries Marvel/Netflix na 2ª temporada de Demolidor. Vivido por Jon Bernthal.

Karen Page: Apareceu pela primeira vez nas séries Marvel/Netflix na 1ª temporada de Demolidor. Vivida por Deborah Ann Woll.

Turk Barrett – Apareceu em quase todas as séries Marvel/Netflix. Vivido por Rob Morgan.

Coronel Schoonover – Apareceu na 2ª temporada de Demolidor, como o responsável pelo tráfico de drogas do Afeganistão para os EUA. O Justiceiro o mata e, na 1ª temporada de sua série solo, Schoonover aparece em flashbacks. Vivido por Clancy Brown.

Dogs of Hell – Gangue de motoqueiros retirada dos quadrinhos e que apareceu primeiro em Agents of S.H.I.E.L.D. e, depois, na 2ª temporada de Demolidor, sendo mencionada na 1ª de Punho de Ferro. Em O Justiceiro, nós vemos os remanescentes da gangue, responsável pela morte da família de Frank juntamente com a máfia irlandesa e o cartel mexicano, sendo mortos pelo anti-herói.

Brett Mahoney – Detetive que ajudou o Demolidor a prender o Rei do Crime na 1ª temporada da série do Demônio da Cozinha do Inferno, Mahoney também apareceu na 1ª temporada de Jessica Jones e foi o responsável por prender Frank Castle na 2ª temporada de Demolidor. Vivido por Royce Johnson.

Sem equivalência nos quadrinhos
(antes de sua primeira aparição na TV):

Mitchell Ellison – Editor-chefe do New York Bulletin, mentor e empregador de Karen Page, que apareceu na 1ª temporada de Demolidor. Vivido por Geoffrey Cantor.

Personagens novos (dos quadrinhos):

Micro

A primeira vez que vimos o nome Micro nas séries Marvel foi em Agents of S.H.I.E.L.D., quando Skye (antes de ser Daisy) o menciona como um colega hacktivist que a ajuda. Nunca o vemos, porém. Nas séries Marvel/Netflix seu nome aparece no finalzinho da 2ª temporada de Demolidor, com a descoberta, por Castle, do famigerado disco contendo o vídeo que é o catalisador para os eventos da 1ª temporada de O Justiceiro. O nome em questão é o apelido de David Lieberman que, nos quadrinhos, foi parceiro de longa data de Castle, criado por Mike Baron e Klaus Janson, aparecendo pela primeira vez em O Justiceiro Vol. 2 #4, de novembro de 1987. Assim como na série, ele é o lado tecnológico do vigilante. Mas, diferente da série, ele, nos quadrinhos, também é um especialista em armas.

Micro é vivido por Ebon Moss-Bachrach, já tendo sido vivido por Wayne Knight no filme O Justiceiro: Em Zona de Guerra.

Curtis Hoyle

Curtis Hoyle surgiu nos quadrinhos em O Justiceiro Vol. 2 #1, de julho de 1987 e morreu na edição seguinte. Como na série, ele é um veterano de guerra, mas não amigo de Frank Castle. Frank o mata arremessando-o de um helicóptero.

O personagem é vivido por Jason R. Moore.

Billy Russo/Retalho

Billy Russo, nos quadrinhos, é Retalho, um assassino da máfia que ganhou esse apelido em razão de terríveis cicatrizes no rosto cortesia de Frank Castle que o arremessou por diversas vidraças. Ele surgiu pela primeira vez em O Espetacular Homem-Aranha #162, de 1976.

Sua origem, na série, é bem diferente, pois ele começa amigo de Castle, também um veterano de guerra que, com o tempo, é corrompido, tornando-se dono de uma agência de mercenários. Ao longo de quase todos os episódios, Billy é por diversas vezes elogiado por sua beleza, especificamente seu rosto, com uma cena interessante dele e Dinah Madani (Amber Rose Revah) justamente conversando sobre cicatrizes de guerra. Além disso, seu apelido dos quadrinhos, The Beaut, também é usado na temporada.

O personagem é vivido por Ben Barnes.

William Rawlins

William Rawlins é criação de Garth Ennis (mais sobre ele adiante) e Doug Braithwaite em 2005, na versão MAX do Justiceiro. Nos quadrinhos, ele é um agente corrupto da CIA que perde um dos olhos pelas mãos de Frank Castle, algo que é refletido quase que integralmente na série.

Seu codinome na série – Agent Orange/Agente Laranja – é uma alusão ao agente químico desfolhante muito usado na Guerra do Vietnã para tornar mais fácil a localização dos vietcongs. Trata-se de uma sutil conexão com a primeira origem de Frank Castle nos quadrinhos, que o coloca como ex-combatente nesta guerra, não no Afeganistão, algo mantido na série MAX citada acima.

O personagem é vivido por Paul Schulze.

Senador Stan Ori

Stan Ori é um senador desarmamentista covarde na série e um senador corrupto nos quadrinhos, surgindo na Saga Siciliana vista em Punisher: War Journal #25 a 27, de dezembro de 1990 a janeiro de 1991.

Clay Wilson

Aqui a conexão é tão interessante quanto improvável, ainda que eu não acredite em coincidências. Na série, Clay Wilson é o pai do veterano de guerra Lewis Wilson que vai aos poucos enlouquecendo. O ator não faz mais do que uma ponta, porém. Acontece que, nos quadrinhos, Clay Wilson é Força, um vilão que surgiu originalmente como inimigo de Namor em Sub-Mariner #66, de outubro de 1973, ainda sem nome e já como Força em Sub-Mariner #68, de janeiro de 1974.

Clay Wilson é vivido por Tim Guinee, que também viveu o Major Allen em Homem de Ferro e Homem de Ferro 2.

Maria Castle, Frank Castle Jr. e Lisa Castle

Em sonhos e pesadelos de Frank Castle, sua família chacinada aparece ao longo da temporada, sendo vividos por Kelli Barrett (Maria Castle, sua esposa), Aidan Pierce Brennan (Frank Castle, Jr.) e  Nicolette Pierini (Lisa Castle).

Quadrinhos:

Garth Ennis e Steve Dillon

As mais celebradas histórias do Justiceiro nos quadrinhos foram escritas pela dupla de autores Garth Ennis (esq.) e o saudoso Steve Dillon (dir.), criadores do também espetacular Preacher. Seu estilo exagerado – quase cômico – para o Justiceiro pode ser visto de forma mais presente na série no primeiro episódio, com Castle assassinando os criminosos remanescentes das gangues responsáveis pela morte de sua família, além de no episódio 11. Mas a inspiração nos dois vem de antes ainda, na 2ª temporada do Demolidor, quando Castle prende o Demônio da Cozinha do Inferno na chaminé do telhado de um prédio em Nova York, antológico momento retirado diretamente de…

Bem vindo de volta, Frank

Trabalho inicial de Ennis e Dillon, Bem-Vindo de Volta, Frank é um arco inesquecível do Justiceiro que foi usado como inspiração para o encontro no telhado entre o Justiceiro e o Demolidor como mencionado no item anterior. No entanto, ao final do primeiro episódio da série solo do anti-herói de camisa de caveira, Micro diz textualmente “bem-vindo de volta, Frank”, em clara e direta referência ao arco.

Família Gnucci

Falando em Bem-Vindo de Volta, Frank, aquele pessoal que Frank Castle dizima durante um jogo de cartas é da Família Gnucci, não por coincidência vilões do referido arco de Ennis e Dillon. Ah, a belezura aí sem braços e pernas (graças a você sabe quem) é Ma Gnucci a furiosa matriarca da família.

Testículos e bateria de carro

Lembram quando, no episódio 7, Billy Russo diz a Bennett que, não fosse por ele e Rawlins, Castle teria conectado os testículos de Bennett na bateria de um carro? Pois bem, Castle já fez isso nos quadrinhos, mas com o vilão Barracuda em outra série do selo MAX escrita por ninguém menos do que – sim, você acertou – Garth Ennis.

Justiceiro barbado

Pode ter sido proposital ou não, mas, por vias das dúvidas, não dá para não conectar o Justiceiro barbado no começo da temporada com o trabalho de Greg Rucka com o personagem, em que Castle aparece assim.

Memento Mori

O título do episódio 13 e a menção a memento mori (“lembre-se de que você é mortal”, vertendo do latim)no episódio 11 na conversa entre Micro e Frank sobre a caveira fazem referência ao trabalho de Nathan Edmondson em Justiceiro, Vol. 9, que tem essa temática e usa essa expressão como título.

Passado de Frank na guerra

O grande foco da temporada no passado na guerra de Castle parece ter sido inspirado pelo arco The Punisher: Born, também de Garth Ennis, com arte de Darick Robertson em que vemos que o personagem efetivamente gosta de matar, sentido-se bem em meio à guerra.

Van de Guerra

Foi com grande felicidade que me deparei com o momento em que Frank e Micro roubam um Mustang vermelho e uma Van preta de bandidos. A Van de Guerra (Battle Van, War Van) é um veículo clássico do Justiceiro, que recebeu upgrades tecnológicos de Micro e surgiu pela primeira vez em Punisher: War Journal Vol. 1.

Castiglione

Quando vemos Castle pela primeira vez, ele está usando o nome Pete(r) Castiglione. O sobrenome em italiano é efetivamente o sobrenome da família de origem italiana do personagem nos quadrinhos. Na série, Castle diz que a avó de sua esposa Maria era siciliana no episódio 6. E o prenome Peter eu não consigo afastar que tem relação com a primeira aparição do personagem nos quadrinhos, em oposição ao Homem-Aranha, também conhecido, claro, como Peter Parker.

Universo Cinematográfico Marvel

Os Defensores

Essa referência é do tipo “piscou, perdeu”, mas ela é particularmente importante para se entender em que momento da cronologia das séries Marvel/Netflix a temporada se passa. Lá no New York Bulletin, onde Karen Page trabalha, é possível ver uma manchete de jornal com o título Chaos Under the Streets (Caos Sob as Ruas), no que só pode ser uma referência ao final da 1ª temporada de Os Defensores. Isso significa que a 1ª temporada de O Justiceiro se passa algum tempo depois.

Noticiário WHIH

O noticiário WHIH é uma das poucas referências que colam os dois lados do Universo Cinematográfico Marvel, ou seja, televisão e cinema. Ele já apareceu em Homem-Formiga, Era de Ultron, Agents of S.H.I.E.L.D., Jessica Jones e, agora, em O Justiceiro.

Filmes

Nascido para Matar

Brincando, Billy Russo, no flashback para o Afeganistão, pergunta ao Coronel Schoonover se Ann-Margret ainda virá. Trata-se de uma referência à mesma frase que o personagem de Matthew Modine diz a seu comandante em Nascido para Matar, de Stanley Kubrick.

Perseguidor Implacável

Dirty Harry é uma óbvia inspiração para o Justiceiro nos quadrinhos. E o primeiro filme – Perseguidor Implacável – é referenciado nada menos do que duas vezes na temporada: (1) no episódio 1 vemos o Justiceiro pisando na perna do bandido para extrair informações da mesma maneira que Harry faz com Scorpio e (2) no episódio 2, o Justiceiro faz Micro ir de lugar em lugar para ter certeza que ele não está sendo seguido, exatamente como Scorpio faz com Harry.

Bullitt

No episódio 4, Madani persegue o Justiceiro no que parece ser um Mustang GT de 1968. Mas, mesmo que não seja, a correlação dessa perseguição com o clássico Bullitt é inafastável.

O Mistério da Viúva Negra

Piscou, perdeu, mas, na pilha de fitas VHS no apartamento do sujeito que Lewis mata a facadas, é possível ver a capa do filme O Mistério da Viúva Negra, de 1987. Coincidência ou referência?

Rashomon

O episódio 10, aquele do atentando contra o Senador Ori e Karen Page, vemos o mesmo evento sendo contado por diversos pontos de vista, exatamente como no clássico Rashomon, de Akira Kurosawa.

A Conversação

Pode não ter sido a intenção, mas não consegui desvencilhar-me da impressão de que o esconderijo de Micro foi feito para nos lembrar do esconderijo de Gene Hackman, em A Conversação, de Francis Ford Coppola. Afinal os dois vivem nas mesmas condições paranoicas.

Caveira pintada

Demora, mas Frank Castle acaba usando a famosa camisa de caveira. Na verdade, trata-se de uma caveira pintada com tinta spray em cima de um colete a prova de balas. Situações parecidas aconteceram em dois filmes do Justiceiro. No primeiro, de 1989, com Dolph Lundgren no papel título, o roteiro original continha uma cena de Castle fazendo exatamente isso, mas que não foi usada no filme. No entanto, essa cena sobreviveu na adaptação em quadrinhos da obra, como se pode ver na imagem acima tirada diretamente de lá. Além disso, Thomas Jane faz o mesmo em seu filme do Justiceiro de 2004.

Livros

Moby Dick

Castle aparece lendo Moby Dick. A referência aqui é clara: ele é Ahab, obsessiva e violentamente perseguindo sua baleia branca, ou seja, a paz/justiça pela morte de sua família.

A Vida de Pi

Micro, por sua vez, aparece lendo A Vida de Pi que pontua seu isolamento e solidão.

O Retrato do Dorian Gray

Finalmente, Billy lê O Retrato de Dorian Gray, em que um homem belo e vão tem seu retrato pintado e que magicamente envelhece em seu lugar. A ligação com as características e trajetória de Billy Russo é evidente.

Mas, além disso, no que pode ser uma coincidência (em que eu não acredito, claro) metalinguística, Ben Barnes, o ator que vive Billy, já interpretou ninguém menos do que o próprio Dorian Gray na versão de 2009 do livro de Oscar Wilde. Bacana, não?

Outras:

Sympathy for the Devil

Billy é descrito por Castle como “um homem de riqueza e bom gosto” ou, em inglês, a man of wealth and taste. Essa frase não é sem querer e foi retirada do primeiro refrão de Sympathy for the Devil, dos Roling Stones:

Please allow me to introduce myself
I’m a man of wealth and taste
I’ve been around for long long years
Stole many a man’s soul and faith

Impossível não conectar a persona sinistra de Billy com a música!

Assassino do Zodíaco

No episódio 9, ouvimos uma reportagem que diz que Frank Castle teria matado 37 pessoas, no que ele jocosamente retruca na linha de “que eles saibam”. O assassino do Zodíaco, que inspirou justamente o filme Perseguidor Implacável, abordado mais acima, chegou a dizer que teria matado exatamente 37 pessoas, ainda que só seis mortes tenham sido efetivamente ligadas a ele. Olha, mas não é coincidência mesmo!

Ali vs Foreman

No episódio 7, Clay Wilson mostra e narra a seu filho a fenomenal luta de Muhamamad Ali e Gorge Foreman em que Ali cansa seu oponente literalmente baixando a guarda e deixando-o socá-lo, somente para, no momento certo, levar Foreman ao chão. O interessante, aqui, é que a luta aconteceu em  1974, o mesmo ano da primeira aparição do Justiceiro nos quadrinhos.

Justiceiro e pinball

Essa eu confesso que esbarrei internet afora depois de acabar a minha lista. Reparem só nessa estátua tipo diorama do Justiceiro depois de nocautear um bandido em cima de uma máquina de pinball. Não é quase a mesma coisa que acontece quando Frank e Micro vão roubar os carros naquela garagem?

XXXXXXXXXXXXX

E é isso aí, pessoal! Se acharem mais alguma referência ou se tivermos errado alguma coisa, por favor mandem seus comentários!

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.