Entenda Melhor | Pantera Negra – Referências, Easter-Eggs e as Cenas Pós-Créditos

Atenção: Este artigo contém um meteoro de vibranium de spoilers.

Pantera Negra, primeiro filme solo do primeiro super-herói negro dos quadrinhos, é um triunfo em todos os sentidos, um filme que abraça as raízes do personagem e narra uma belíssima história auto-contida que é, ao mesmo tempo, parte integrante do cada vez mais complexo Universo Cinematográfico Marvel. Como esperado, portanto, há uma enorme quantidade de referências na projeção, das mais óbvias até as mais obscuras e, também como de praxe, nós reunimos todas as que  achamos em nosso tradicional Entenda Melhor pós-filme.

Mas, antes de mergulharmos na mitologia do personagem, que tal ler nossas críticas sem e com spoilers do filme:

Pantera Negra: Crítica Sem Spoilers

Pantera Negra: Crítica Com Spoilers

E que tal nosso material em quadrinhos do herói? Basta clicar aqui:

Pantera Negra: Quadrinhos

Ou ainda um passeio pelas animações dele? Aqui:

Pantera Negra: Animações

Temos, também, uma verdadeira mina com outros artigos sobre easter-eggs também que valem ser conferidos. Aqui:

Entenda Melhor: Easter-Eggs

Ou, mais do que tudo isso, que tal mergulhar profundamente em todo o nosso material sobre o Universo Cinematográfico Marvel e além em nosso mega-índice? Basta clicar aqui:

Índice | O Universo Cinematográfico Marvel

Finalmente, venham conosco nessa jornada por todas as referências e easter-eggs que conseguimos encontrar!

I. Linha temporal do UCM:

1. 1992:

Vemos, por duas vezes, flashbacks para 1992, em Oakland, quando T’Chaka, pai de T’Challa e Pantera Negra na época, enfrenta seu irmão N’Jobu e dá impulso à narrativa no presente envolvendo Killmonger. O interessante da época é que “retcona” o Pantera Negra (ou “um” Pantera para ser mais preciso) para antes do começo oficial do UCM, assim como as aventuras de Hank Pym no passado que são mostradas brevemente em Homem Formiga. Isso amplia o escopo do universo super-heróico.

Mas, mais especificamente ainda, a década de 90 é a década em que o filme da Capitão Marvel será passado, conforme informações oficiais. Não digo que T’Chaka aparecerá de novo ou terá sua existência reconhecida pelos personagens do vindouro filme, mas é bom saber que, aos poucos, a Marvel Studios vai “forrando” ainda mais seu vasto universo.

2. Eventos de Guerra Civil:

O roteiro de Pantera Negra tenta ser preciso em situar temporalmente a ação do filme no presente. Os eventos de Capitão América: Guerra Civil ganham relevo, com a morte de T’Chaka, a primeira aparição em público do Pantera Negra, a relação dele com Everett K. Ross, a prisão de Zemo, e, claro, o Capitão escondendo Bucky em Wakanda ganham menções diretas e indiretas ao longo da projeção, deixando bem claro que o que vemos no longa se passa não muito tempo depois do final de Guerra Civil.

II. Personagens:

1. T’Challa/Pantera Negra:

Grande parte da mitologia em quadrinhos do Pantera Negra foi trazida para o filme. Em termos de origem, nos quadrinhos T’Challa assume o manto do herói depois da morte de seu pai pelas mãos de Ulysses Klaue, algo que é alterado no UCM, com T’Chaka morrendo no atentado promovido por Zemo nas Nações Unidas, em Guerra Civil. Outra modificação é que T’Challa já era o Pantera Negra antes da morte do pai.

No entanto, essas modificações de forma alguma alteram o espírito do que vemos no filme solo, já que a legitimação de T’Challa como monarca e Pantera Negra só se dá aqui, depois do combate cerimonal contra M’Baku, personagem também muito importante na origem em quadrinhos do herói no arco de 1996 de Quarteto Fantástico. Mas há muito mais da mitologia do personagem no filme, mas lidarei com todos os elementos ao longo do presente artigo.

2. T’Chaka/Pantera Negra:

O pai de T’Challa já havia sido apresentado – e morto – em Guerra Civil e ele teve muito pouco tempo de tela. Vivido por John Kani, no filme o vemos com um pouco mais de calma, quando o “plano espiritual” induzido pela erva coração é abordado. A novidade mesmo, porém, é vermos o monarca como Pantera Negra nos flashbacks para 1992, o que deixa evidente, depois do prelúdio, claro, que “Pantera Negra” é um título passado ao longo de gerações. É curioso notar que quem vive T’Chaka novo é Atandwa Kani, ninguém menos do que filho de John Kani. Perceberam as semelhanças entre os dois?

3. Ramonda:

Ramonda, a rainha mãe de Wakanda, também foi retirada dos quadrinhos. Lá, ela é a madrasta de T’Challa, já que sua mãe biológica, N’Yami, morrera no parto. No filme, uma pequena modificação é feita e ela é, ao que tudo indica, a mãe biológica tanto de T’Challa quanto de Shuri.

4. Shuri:

Shuri é a irmã mais nova de T’Challa tanto nos quadrinhos quanto no filme. Nos quadrinhos, ela chega a assumir o manto de Pantera Negra, algo que é de certa forma referenciado pelas manoplas de energia em formato de pantera que ela usa no combate final para auxiliar o irmão e as Dora Milaje. Diferente dos quadrinhos, porém, ela é retratada no filme como um gênio tecnológico, um verdadeiro Tony Stark de Wakanda, só que sem a arrogância do Ferroso (ok, só um pouquinho…). É muito possível que essa característica da personagem no longa tenha sido inspirada pela criação de Riri Williams nos quadrinhos (imagem de baixo), uma jovem adolescente e negra que é, também, um gênio ao ponto de ter assumido o manto de Coração de Ferro – com armadura e tudo – na ausência do Homem de Ferro.

5. Dora Milaje:

Dora Milaje não é uma pessoa, mas sim o nome da guarda real ou forças especiais de Wakanda, formada unicamente de guerreiras mulheres que eram, originalmente, “potenciais esposas futuras” para o rei. A equipe foi criada por Christopher Priest, no primeiro arco de sua aclamada e longeva série solo do Pantera Negra iniciada ao final de 1998. O trabalho de Priest, aliás, é uma das pedras fundamentais de inspiração para a história e os visuais do filme.

5.1. Okoye:

Vivida por Danai Gurira, Okoye é a líder do Dora Milaje no filme é uma das principais componentes do grupo.

5.2. Nakia:

Nakia tem uma história complicada como Dora Milaje nos quadrinhos, já que ela era apaixonada por T’Challa e, vendo-o envolvido com Monica Lynne, ela tenta matar sua rival, sendo expulsa da ordem e banida de Wakanda. Ela foi encontrada por um vilão do Pantera que a tortura e, depois, ela é encontrada por Killmonger que a restaura e lhe dá poderes, transformando-a em Malice, uma vilã. No filme, nada disso ocorre, mas, de longe, vê-se que a personagem, vivida por Lupita Nyong’o, é substancialmente a mesma dos quadrinhos: ela e T’Challa já tiveram relacionamento e, em algum momento, ela mostrou-se independente e discordante das políticas de Wakanda. Será que um dia veremos Nakia como vilã?

5.3. Ayo:

Vivida por Florence Kasumba, Ayo tem pouca presença no filme, mas, nos quadrinhos, ela é outra Dora Milaje que se volta contra Wakanda, desta vez depois que Ramonda mantém a decisão de executar uma colega dela.

6. Zuri:

Nos quadrinhos, Zuri foi um guerreiro e amigo de T’Chaka que, com sua morte, passou a servir T’Challa. No filme, o roteiro coloca o personagem – vivido por Forest Whitaker – também como amigo de T’Chaka e alguém leal a T’Challa, mas não exatamente como um guerreiro e sim como uma espécie de xamã responsável pelo ritual de combate cerimonial e também pela ministração da erva coração, que dá a força e a agilidade ao Pantera Negra.

Aliás, coincidentemente, o ator que faz Zuri/James mais novo é Denzel Whitaker que compartilha o mesmo sobrenome de Forest, mas não é relacionado com ele.

7. Killmonger:

Killmonger, nos quadrinhos, é um dos mais clássicos vilões do Pantera Negra, tendo surgido em Jungle Action #6, de setembro de 1973, quando ele ajudou Ulysses Klaue no ataque a Wakanda que culminaria com a morte de T’Chaka. Ele e sua família acabou exilada do país e ele jurou vingança contra T’Challa. A história da origem do personagem (vivido por Michael B. Jordan), no filme, foi alterada, mas não substancialmente. A camada de vingança continuou, mas o roteiro transformou Killmonger no filho bastardo de N’Jobu, irmão de T’Chaka, não exatamente exilado de Wakanda, mas afastado de lá por sua vida toda pelos erros do monarca anterior. Assim como nos quadrinhos, seu nome verdadeiro é  N’Jadaka.

8. M’Baku/Homem Gorila:

M’Baku foi um dos primeiros inimigos do Pantera Negra, aparecendo no seu arco de origem na publicação do Quarteto Fantástico. Lá, seu nome de guerra era Homem Gorila (Ape Man, no original) e ele usava a pelagem de um gorila albino como “uniforme” tribal. Para evitar polêmica, o roteiro evitou chamá-lo de Homem Gorila, mantendo, apenas, seu nome verdadeiro. Mas a relação com gorilas continuou forte com a máscara que M’Baku usa no filme, toda a iconografia em seu vilarejo e, também, com o grito de guerra dele e de seus soldados.

9. W’Kabi:

Vivido por Daniel Kaluuya, W’Kabi, nos quadrinhos, era o segundo em comando em Wakanda e também o chefe de segurança do país, algo refletido diretamente no filme. Mas nos quadrinhos W’Kabi tinha um braço cibernético que emitia raios.

10. Ulysses Klaue/Garra Sônica:

Escrevi um artigo inteiro sobre o personagem quando do lançamento de Era de Ultron. Cliquem aqui para lê-lo. O mais interessante sobre ele, no filme é que, depois que Ultron cortou fora seu braço em Era de Ultron, ele criou uma prótese letal que remete ao seu “braço sônico” que é uma de suas principais características dele como o vilão Garra Sônica.

11. Everett K. Ross:

Surgido nos quadrinhos pela primeira vez em Ka-Zar Vol. 4, #17, de setembro de 1998, Ross deu as caras no UCM em Capitão América: Guerra Civil, vivido por Martin Freeman, que volta em Pantera Negra em papel bem mais relevante. Nos quadrinhos, Everett K. Ross era um empregado do Departamento de Estado dos EUA que tinha como função escoltar diplomatas estrangeiros em território americano. Ele acaba recebendo a missão de escoltar T’Challa, o Pantera Negra e os dois acabam enfrentando, juntos, ameaças a Wakanda. No UCM, Ross é da CIA, mas sua ligação com T’Challa já começa a ser formada em Guerra Civil e solidifica-se no filme solo do herói, refletindo substancialmente o espírito do que se vê nos quadrinhos.

III. Menções ao UCM:

1. Bucky Barnes:

A primeira menção ao fato de que, ao final de Guerra Civil, o Capitão América pediu ao Pantera Negra que cuidasse e escondesse Bucky se dá quando Everett K. Ross, ferido depois da ação na Coréia do Sul, é levado por T’Challa para Shuri tratar e ela, falastrona, logo comenta que ele havia trazido “outro garoto branco para consertar” (Another broken white boy.).

2. Morte de T’Chaka:

Como já mencionado, a morte de T’Chaka em Guerra Civil é mencionada diversas vezes ao longo do filme e é o grande catalisador para o longa, na verdade.

3. Stan Lee:

O sempre presente Stan Lee tem uma ponta pouquíssimo inspirada no filme, como um jogador no cassino da Coréia do Sul que literalmente furta as fichas de T’Challa na cara de Ross.

4. Zemo:

Zemo é mencionado muito brevemente em uma transmissão da BBC News que vemos na nave de T’Challa logo ao começo do filme, o que indica com bastante exatidão em que momento na linha temporal do UCM Pantera Negra se passa.

5. Carro virtual:

Não acho que haja conexão direta, mas não deixa de ser curioso notar que o “carro virtual” que Shuri pilota no conforto de seu laboratório tem exatamente o mesmo conceito das “naves virtuais” que vemos os Soberanos pilotarem em Guardiões da Galáxia Vol. 2. A tecnologia de Wakanda realmente ajudará pacas os heróis em Guerra Infinita!

IV. Quadrinhos:

1. Wakanda:

Assim como nos quadrinhos, Wakanda é um reino altamente desenvolvido localizado na África que foi mantido em segredo durante muito tempo. O visual tecnológico da cidade que vemos foi inspirado mais fortemente na fase atual do Pantera em quadrinhos, comandada por Ta-Nehisi Coates.

2. Legado dos Panteras:

Outro elemento muito bem trabalhado no filme e que reflete exatamente o que vemos nos quadrinhos é o legado dos Panteras Negras, manto vestido por líderes de Wakanda ao longo de centenas e centenas de anos. No filme, vemos dois Panteras em ação, T’Chaka nos anos 90 e T’Challa no presente, mas, na segunda vez em que T’Challa vai ao plano espiritual, é possível ver os espíritos dos Panteras anteriores. E isso sem contar no primeiro Pantera que aparece brevemente no prelúdio (mais sobre ele, adiante).

3. Djalia:

O plano espiritual que vemos três vezes ao longo do filme é um elemento importante da versão moderna do Pantera Negra. Assim como nos quadrinhos, ele se chama Djalia e é lá que os Panteras comungam com seus antepassados. Até a paleta de cores arroxeada é tirada dos quadrinhos!

4. Comunhão:

Essa comunhão com os mortos em Djalia é algo tão presente na mitologia do Pantera a partir da fase de Jonathan Hickman, que o herói se torna rei não só dos vivos como também dos mortos nos quadrinhos. O filme constrói as coisas de forma que isso pode ser possível no futuro.

5. Vibranium:

Ainda que a explicação não tenha sido essa desde o começo (afinal, estamos falando de um personagem que surgiu nos quadrinhos em 1966!), a história atual do vibranium em Wakanda é exatamente igual a que vemos no filme: em um passado remoto, um meteorito composto de vibranium caiu na África e levou a mutações genéticas na flora e na fauna local. Nos quadrinhos, a descoberta do vibranium se dá mais recentemente, uma geração antes dos eventos de hoje em dia, algo que é alterado no filme, entrelaçando o vibranium com a origem do culto ao Pantera Negra e também ao do Gorila Branco da tribo de M’Baku.

6. Erva coração:

A erva coração tem suas propriedades curativas e fortificantes a partir das mutações ocasionadas pelo vibranium no solo de Wakanda. Assim como nos quadrinhos, é ela que dá a força e a agilidade aos Panteras Negras.

7. Bast:

A deusa egípcia Bast (também conhecida como B’sst, Baast, Ubaste, Baset e, na mitologia grega, Ailuros) toma a forma de um felino preto (normalmente um gato) e é ela que, nos quadrinhos, há 10 mil anos, transforma Bashenga no primeiro Pantera Negra, iniciando o culto ao Pantera Negra. Ouvimos Bast sendo referenciada diversas vezes ao longo do filme.

8. Uniformes de Pantera:

Black_Panther_Vol_3_1 plano critico pantera negra de Christopher Priest black panther o cliente plano critico

Quando Q, digo, Shuri, oferece a T’Challa a escolha entre dois uniformes ultramodernos que saem de dentro de um mero colar cerimonial, vemos os modelos prateado e dourado. Ambos são canônicos dos quadrinhos, com o dourado sendo famoso por ter sido uma das alterações mais radicais no uniforme original do Pantera, na série comandada por Christopher Priest. Mas, graças a Bast, T’Challa tem bom gosto e escolheu e versão prateada, bem mais discreta.

No entanto, é interessante notar que a tecnologia usada por Shuri certamente dará uma inveja danada em Tony Stark que, por mais que tenha tentado, ainda não conseguiu fazer como nos quadrinhos dele próprio, com a armadura saindo de dentro das cavidade de seus ossos. Mas podemos ver, aqui, uma antecipação à tecnologia Bleeding Edge de Stark que, muito provavelmente, pelo modelo da armadura que o vemos usar no trailer de Guerra Infinita, é a que ele empregará.

9. Leopardo Negro:

O Pantera Negra foi criado poucos meses antes da fundação do partido Pantera Negra, nos anos 60. Por um curto período de tempo, a Marvel Comics alterou o nome do Pantera para Leopardo Negro – Black Leopard – para evitar a inevitável correlação entre uma coisa e outra. E isso é explicado dentro dos próprios quadrinhos.

Mas o interessante dessa informação é que o uniforme nanotecnológico que Killmonger usa ao final, com base no colar dourado criado por Shuri, tem detalhes em amarelo/dourado e pintas pretas, fazendo referência clara ao leopardo ou “onça pintada”.

10. Killmonger vs T’Challa:

O combate cerimonial entre Killmonger e T’Challa acontece na fase de Christopher Priest nas HQs, mas diferente do filme, não é Zuri quem interfere, mas sim Ross que, com o rei desacordado “desiste” por ele, dando vitória ao vilão.

11. Máscara de Killmonger:

A máscara que Killmonger rouba do museu britânico porque sente uma vibe dela é uma homenagem dupla aos quadrinhos. Primeiro, ela se parece muito com a forma com que Mefisto se manifesta na fase de Christopher Priest. Além disso, ela se parece também com a máscara usada pelo personagem ao enfrentar o Pantera Negra em Pantera Negra #37 e 38, de Reginald Hudlin. Vejam só as imagens acima.

12. Pantera vs. Rinoceronte:

Um dos momentos mais bacanas no filme é quando os rinocerontes com armadura de W’Kabi entram na batalha final e o Pantera tem que enfrentá-los. Nos quadrinhos, o herói já enfrentou vários animais e, claro, também rinocerontes, mais especificamente na minissérie de 1988 de Peter B. Gillis e Denys Cowan, em que Killmonger também é o vilão.

13. T’Challa e cachoeiras:

plano critico pantera negra sendo jogado

A “morte” de T’Challa, cortesia de Killmonger arremessando-o de uma queda d’água, foi retirada diretamente dos quadrinhos, especificamente de A Fúria do Pantera Negra (1973-195), por Don McGregor.

14. Onça Pintada:

O uniforme que Killmonger usa ao final, decorrente do colar dourado desenvolvido por Shuri, tem detalhes que o faz parecer uma “onça pintada” ou um leopardo, o que é, como já mencionado acima, uma referência indireta ao nome usado pelo Pantera Negra – Leopardo Negro – para evitar confusão com o partido político. No entanto, há uma outra referência também, à pantera (ou “onça pintada”, como queiram) treinada Preyy, que é o “bichinho de estimação” de Killmonger nos quadrinhos.

15. Bashenga:

Repararam no nome da montanha onde fica a operação de mineração de vibranium e o laboratório de Shuri? Trata-se do Monte Bashenga e Bashenga não foi invenção para o filme. O nome foi tirado dos quadrinhos, pois Bashenga foi o primeiro Pantera Negra, diretamente incensado pela deusa Bast, ainda que, depois, essa situação tenha mudado e ele tenha se tornado o segundo, mas não vou entrar em detalhes agora. Isso indica uma clara intenção de se manter uma obediência à mitologia dos quadrinhos no filme, pois, muito provavelmente, o homem que vemos se tornar Pantera Negra no prelúdio é exatamente Bashenga.

V. Referências Pop:

1. 007:

Provavelmente a maior referência e homenagem não relacionada com a Marvel que o filme faz é em relação a James Bond. Praticamente toda as sequências desde que Shuri apresenta o novo uniforme ao Pantera Negra até o final da perseguição automobilística na Coréia do Sul foram moldadas de acordo com o que poderia muito bem ser um filme de 007. Primeiro, temos, evidentemente, Shuri fazendo as vezes de Q, com direito a demonstração – normalmente cômica, como é no filme – de gadgets para uma missão de Bond. Depois, temos Nakia que é, para todos os efeitos, a James Bond de Wakanda. Além disso, Ross é o clássico contato de 007 com a CIA, Felix Leiter. Mas, como se isso não bastasse, há toda a sofisticação e requinte da sequência em um cassino secreto (quer algo mais “bondiano” que isso?), com direito à versão wakandana (???) de um fraque para T’Challa, toda a pancadaria que se segue e, claro, a indefectível perseguição de carro pelas ruas da cidade.

2. O Poderoso Chefão:

A segunda maior referência/homenagem não relacionada com a Marvel é ao clássico O Poderoso Chefão. Diretamente da boca de Nate Moore, produtor do filme: “…é bem uma história sobre família e uma história sobre uma organização que está recebendo uma nova liderança. E, como em O Poderoso Chefão, você tem que lutar pelas coisas, certo? E todos estão tentando ficar com o poder e, nesse caso, poder sobre Wakanda”.

3. De Volta para o Futuro II:

Quando Shuri mostra a T’Challa os sapatos de vibranium que absorvem som, ela diz que a ideia foi tirada de “um filme americano antigo que T’Chaka gostava”. Primeiro, vamos lá: “antigo” é o escambau, viu, Shuri??? De Volta para o Futuro II não é antigo, mas sim um CLÁSSICO. Mas T’Chaka com certeza tinha bom gosto cinematográfico!

4. Grace Jones

Quando Zuri, em 1992 – fingindo ser James – abre a porta do apartamento de N’Jobu, ele diz que tem duas mulheres vestidas como Grace Jones. A hilária referência é absolutamente perfeita para o estilo das mulheres do Dora Milaje, não?

5. Moonlight:

Sim, falo de Moonlight: Sob a Luz do Luar, o filme que ganhou o Oscar de Melhor Filme em 2017! O menino que tem a última fala do filme, perguntando a T’Challa quem ele é é Alex R. Hibbert, que protagoniza o terço inicial do filme oscarizado.

6. Mágico de Oz:

Quando Ross, atordoado, acorda de sua cirurgia no laboratório de Shuri e pergunta a ela onde ele está, a moça responde “em Kansas” daquele jeito sacana dela. Claramente uma menção ao clássico literário e cinematográfico O Mágico de Oz.

7. Bonnie e Clyde:

Ulysses Klaue chama Killmonger e sua namorada de Bonnie e Clyde na fatídica cena em que tanto a “Bonnie” quanto o próprio Klaue são mortos por “Clyde”. A referência ao casal de criminosos que ganhou uma clássica versão cinematográfica com Warren Beatty e Faye Dunaway é clara, ainda que o final da dupla seja bem diferente.

8. Public Enemy:

Viram o pôster do Public Enemy no apartamento de N’Jobu? Perfeitamente dentro do tipo de militância que ele se identificava.

 9. WHAT ARE THOSE?

O meme de 2011 é usado por Shuri em relação à horrenda sandália de seu irmão. Isso mostra que, apesar de isolada, Wakanda não é desconectada do mundo.

10. Oakland:

A escolha de Oakland para ser o palco dos eventos nos anos 90 e para o epílogo não é aleatória. Não só Oakland é a cidade natal do diretor Ryan Coogler, como foi o local de fundação, em 1966, do partido político radical Pantera Negra.

11. Tocha Humana:

Olha a bagunça: o Tocha Humana Chris Evans, como Capitão América, lutou contra o Pantera Negra e o Tocha Humana Michael B. Jordan, como Killmonger, também lutou contra o Pantera Negra… Tochas Humanas e Panteras Negras não se bicam, pelo visto…

VI. As Cenas Pós-Créditos:

1. Cenário tecnológico do UCM:

A primeira cena pós-crédito de Pantera Negra poderia ter sido inserida no filme, pois sua mensagem – passada por T’Challa em discurso à ONU – já havia sido passada diversas vezes. De toda forma, com a abertura de Wakanda para o mundo, o cenário tecnológico do Universo Cinematográfico Marvel muda radicalmente, com a entrada de armas e gadgets que certamente atrairão a cobiça de vilões, a inveja de Tony Stark (he, he, he) e, claro, poderão ser uma enorme vantagem na pancadaria contra Thanos em Guerra Infinita.

2. Bucky Lobo Branco:

Na segunda cena, completamente inócua, vemos Bucky Barnes recuperado de sua lavagem cerebral, saindo de uma cabana em Wakanda para encontrar Shuri. Como eu sei que ele está curado, bem, essa informação na HQ prelúdio de Guerra Infinita. Mas dá para ver que ele está bem, de toda forma, ainda que ele não esteja com seu braço cibernético, o que dá a entender que Shuri desenvolverá um para ele.

Mas o mais interessante da cena é que as crianças o chamam de “lobo branco”. Podem ter certeza que não foi sem querer, pois Lobo Branco é um personagem dos quadrinhos, uma espécie de protegido de T’Challa. Nas HQs, Hunter é uma criança branca que, depois de um acidente aéreo que mata seus pais e o deixa perdido em Wakanda, é adotado por T’Chaka. Ele se torna aliado do Pantera Negra e chefe da polícia secreta de Wakanda. O pararelo com Bucky é bem claro. Não que ele necessariamente vá tornar-se o Lobo Branco, mas a conexão está lá.

XXXXXXXXXXXXX

E é isso aí, pessoal! Se acharem mais alguma referência ou se tivermos errado alguma coisa, por favor mandem seus comentários!

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.