Especial | 007 – 50 Anos do Espião Mais Famoso do Cinema

A série cinematográfica que conta as desventuras de James Bond, o agente 007 da agência britânica MI-6, é a mais longeva do cinema e o personagem, talvez o mais conhecido espião de todos os tempos. Criado em 1953 a partir da fecunda imaginação do autor britânico Ian Fleming (1908-1964), ele mesmo um oficial da inteligência naval britânica, James Bond foi objeto de 12 romances escritos e publicados pelo autor e mais duas compilações de contos. Mesmo depois do falecimento de Fleming, os romances até hoje não param de ser escritos e publicados por terceiros autorizados, com direito a prelúdios sobre o jovem Bond e até spin-offs sobre a eternamente apaixonada Moneypenny.

No cinema, a carreira de Bond começou já em 1962, com o filme 007 Contra o Satânico Dr. No, sucesso instantâneo que marcou para sempre a carreira do mais famoso dos atores a personificá-lo: Sean Connery. A chama de Bond seria passada ainda para outros quatro atores até chegar em Daniel Craig, o atual. São, ao todo, 22 filmes ao longo de 50 anos, com o 23º a ser lançado em breve.

Para comemorar essa data, o Plano Crítico resolveu montar um super-especial sobre 007, com nada mais, nada menos do que as críticas de todos os 22 filmes da série e mais os dois considerados não-canônicos (Cassino Royale, de 1967 e 007 – Nunca Mais Outra Vez, de 1983). São 33 críticas no ar (todos os 25 filmes, 5 livros, 1 Entenda Melhor e 2 Listas), que vocês poderão conferir aqui, nessa página principal, que será alimentada constantemente até o lançamento de 007 – Operação Skyfall, o 23º filme, em 26 de outubro próximo. Além das críticas, teremos artigos sobre Ian Fleming, sobre os livros do autor e sobre as Bond Girls. Estacionem seus Aston Martins, preparem seus martinis (shaken, not stirred), afrouxem os colarinhos de seus smokings e divirtam-se com a leitura!

Aqui, o leitor poderá acompanhar todas as críticas dos seis filmes da série oficial protagonizados por Sean Connery, o primeiro 007 no cinema.


Sean Connery

Aqui, o leitor poderá acompanhar todas as críticas dos seis filmes da série oficial protagonizados por Sean Connery, o primeiro 007 no cinema. Clique na imagem ou no título da obra para acessar o texto.

 

007 – Os Diamantes São Eternos (1971)

 

Com 007 Só Se Vive Duas Vezes (1967)

 

007 Contra a Chantagem Atômica (1965)

 

007 Contra Goldfinger (1964)

 

Moscou Contra 007 (1963)

 

007 Contra o Satânico Dr. No (1962)

 

George Lazenby

George Lazenby só fez um filme dentro da série de 007. Mas ele merece ser conferido! Clique na imagem ou no título da obra para acessar o texto.

 

007 A Serviço Secreto de Sua Majestade (1969)

 

Roger Moore

Roger Moore inaugurou a era “gaiata” de 007, com seus sete filmes seguidos vivendo o espião. Aqui o leitor encontrará as críticas de cada um desses filmes. Clique na imagem ou no título da obra para acessar o texto.

007 – Na Mira dos Assassinos (1985)

 

007 Contra Octopussy (1983)

 

007 – Somente Para Seus Olhos (1981)

 

007 Contra o Foguete da Morte (1979)

 

007 – O Espião Que Me Amava (1977)

 

007 Contra o Homem Com a Pistola de Ouro (1974)

 

Com 007 Viva e Deixe Morrer  (1973)

 

Timothy Dalton

A “era” Timothy Dalton foi muito curta, com apenas dois filmes, mas ela trouxe um Bond durão com histórias sérias, algo que só veríamos de novo na “era” Daniel Craig. Clique na imagem ou no título da obra para acessar o texto.

007 – Permissão Para Matar (1989)

 

007 Marcado Para a Morte (1987)

 

Pierce Brosnan

Pierce Brosnan fez quatro filmes em sua carreira como 007 e, apesar de ter começado muito bem, sofreu com tramas que ficavam cada vez mais mirabolantes. Clique na imagem ou no título da obra para acessar o texto.

007 – Um Novo Dia Para Morrer (2002)

 

007 – O Mundo Não é o Bastante (1999)

 

007 – O Amanhã Nunca Morre (1997)

 

007 Contra GoldenEye (1995)

 

Daniel Craig

Depois de 20 filmes, a franquia de 007 sofre seu primeiro reboot, com um ator inesperado para viver o papel do espião mais famoso do mundo: Daniel Craig. E, assim como na Era Timothy Dalton, voltamos para um agente mais violento com tramas mais sérias. Clique na imagem ou no título da obra para acessar o texto.

007 – Operação Skyfall (2012)

 

007 – Quantum of Solace (2008)

 

007 – Cassino Royale (2006)

 

Filmes não oficiais

Houve dois interessantes filmes de 007 que não fazem parte oficial da série da Eon Productions, um deles uma comédia quase pastelão e o outro uma refilmagem de 007 Contra a Chantagem Atômica, que trouxe Sean Connery mais uma vez de volta ao papel do agente secreto. Aqui, o leitor encontrará as críticas das duas fitas. Clique na imagem ou no título da lista para acessar o texto.

007 – Nunca Mais Outra Vez (1983)

 

Cassino Royale (1967)

 

Livros

007 começou na mente do autor britânico Ian Fleming, ele mesmo um espião durante a Segunda Guerra Mundial. O leitor acompanhará, aqui, as críticas de cinco obras do autor. Clique na imagem ou no título da lista para acessar o texto.

Moscou Contra 007 (1957)

 

Os Diamantes São Eternos (1956)

 

007 Contra o Foguete da Morte (1955)

 

Viva e Deixe Morrer (1954)

 

Cassino Royale (1953)

 

Artigos e Listas

Aqui, o leitor conhecerá um pouco sobre a história de 007 e suas primeiras adaptações audiovisuais e terá a oportunidade de avaliar as músicas que poderiam ter sido da série, além das mais inesquecíveis Bond Girls. Clique na imagem ou no título da lista para acessar o texto.

Entenda Melhor – 50 Anos de 007

 

As Mais Inesquecíveis Bond Girls

 

007 Em As Canções-Tema Que Jamais Foram

 


RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.