Entenda Melhor | Viúva Negra

Viuva Negra Romanova

Com uma das histórias mais confusas dos heróis da Marvel, a Viúva Negra tem uma mania de ir e vir de país, de grupo, de lado político. E claro, como a esmagadora maioria das heroínas/personagens femininas de destaque nos quadrinhos, é representada de maneira complexa e sexy. Vale ainda citar que a Viúva Negra é uma verdadeira “pegadora”, tendo conquistado e estabelecido romances com diversos heróis e vilões dos quadrinhos.

Antes de mais nada, é importante esclarecermos o nome da heroína, porque em pesquisas por aí o leitor pode se deparar com outras “viúvas negras” da 9ª arte. Ainda com o nome antigo (Timely Productions) a Marvel lançou sua primeira Viúva Negra, em 1940. Criada por George Kapitan e Harry Sahle, a enjoadinha Claire Voyant desapareceu muito cedo da revista Mystic Comics, onde era publicada, e só voltou às bancas na reciclagem da editora em 2008, na trama de The Twelve, onde os heróis obscuros da Marvel foram capturados em Berlim, no ano de 1945.

Claire Voyant, a primeira Viúva Negra (1940).

Claire Voyant, a primeira Viúva Negra (1940).

A Viúva Negra a que estamos mais acostumados surgiu oficialmente em 1964, na revista Tales of Suspense #52, e seu nome de registro na Marvel é Black Widow II (agora vocês já sabem o por quê).

Criada por Don Heck e Stan Lee, a Viúva Negra inspirou muitas heroínas nos quadrinhos e no cinema e é uma das personagens com história mais eletrizante e agitada de sua geração.

Natalia Alianovna Romanova (ou Natasha — maneira informal de dizer “Natalia”, usada apenas por pessoas próximas — Romanoff — versão ocidentalizada de “Romanova”) nasceu em 1928 e ficou órfã ainda quando criança, tendo perdido seus pais em um incêndio criminoso num prédio de Stalingrado. Salva pelo soldado Ivan Petrovich, Natasha foi educada por ele como se fosse sua filha. Ainda muito cedo ela foi matriculada numa escola de elite, revelando excelência em todos os níveis: ginástica, dança, artes marciais, atletismo, estudo de línguas, etc. Durante a Segunda Guerra Mundial, Natasha, foi treinada para ser uma agente secreta. Seu codinome era “Viúva Negra” e ela foi inserida no Programa Militar do mesmo nome, um grupo de agentes femininas de elite. Na academia, ela se apaixonou por Alexi Shostov, um dos mais renomados pilotos soviéticos.

A segunda Viúva Negra entra em ação.

A segunda Viúva Negra entra em ação.

Alexi foi enviado para uma pequena missão e o governo forjou um acidente. O piloto foi dado como morto para seus amigos e para sua esposa. Na verdade, ele acabava de se tornar agente especial do governo soviético com o nome de Guardião Vermelho. Mesmo depois da “morte” do marido, Natasha continuou como agente secreta do governo.

Uma das missões da Viúva Negra após a morte do marido foi a de encontrar e matar Anton Vanko, um cientista foragido da URSS. No meio da missão ela se infiltra nas indústrias Stark, a fim de roubar planos e armas, como fez com o dispositivo anti-gravidade, conseguido após um envolvimento com Tony Stark (Homem de Ferro). Para tentar sabotar as indústrias do ‘playboy capitalista’, a agente se envolve com o Gavião Arqueiro e solicita ajuda. Mesmo não tendo sucesso na luta, Natasha e o Gavião Arqueiro se apaixonam, e ela foge pela primeira vez para o Estados Unidos. Anos depois é capturada e chantageada pelos soviéticos. Sua primeira lavagem cerebral acontece nesse período. Durante muitos anos, a Viúva Negra transitou entre os dois lados da moeda, em decorrência das muitas lavagens cerebrais e propósitos de luta diferentes pelos quais passou.

Mudanças no visual e na abordagem

viuva negra

A década de 1970 trouxe diversas mudanças para a Viúva Negra, tanto no visual (colante totalmente preta, braceletes especiais do tipo “ferrão” e cabelos longos e lisos, seguindo a moda da década; tudo isso pela arte de John Romita, finalização de Jim Mooney e cores de Sam Rosen, na Amazing Spider-Man #86) quanto no conteúdo das histórias em que aparecia, sendo mais complexas e dando mais espaço para aprofundamento psicológico e comportamental da personagem. Em 1971, ela ganhou uma minissérie solo, a Amazing Adventures #1 a 8, com texto de Gary Friedrich e arte de John Buscema. A série não emplacou e depois da 8ª edição, a Viúva Negra foi realocada nos Vingadores (Avengers #111) e na revista do Demolidor, com quem manteve parceria e lutou contra o crime por bastante tempo. Em 1975, outra série denominada The Champions (Viúva Negra + Hércules, Motoqueiro Fantasma, Anjo e Homem de Gelo) foi às bancas, mas duraria apenas 18 números, sendo cancelada em 1978.

Com um visual New Wave e destaque em graphic novels e minisséries que permitiram maior ampliação de seu passado, a Viúva Negra chegou aos anos 1980 como agente temporária da S.H.I.E.L.D., missões ao lado de Nick Fury e volta e meia novas aventuras ao lado do Demolidor.

Nos anos 1990 e 2000 ela se torna mais efetiva nos Vingadores, chegando até a liderar a equipe por um tempo. Depois de sua “neutralização mental” (que a impede de ser manipulada ou sofrer outras lavagens cerebrais), a personagem passou a tender mais para o lado da lei e do Estado (Guerra Civil é um exemplo disso). Nos últimos anos a personagem tem passado por grupos e revistas diferentes, como personagem de apoio, coadjuvante de luxo ou mesmo protagonista de histórias de espionagem.

Uma das formações das Libertadoras. Veja a Viúva Negra à esquerda.

Uma das formações das Libertadoras. Veja a Viúva Negra à esquerda.

Além dos Vingadores e S.H.I.E.L.D., a Viúva Negra já foi ou permanece membro de alguns outros grupos, tais como Campeões, Cavaleiros da Marvel, Vingadores Secretos, Poderosos Vingadores, Thunderbolts (sob identidade de Yelena Belova), Heróis de Aluguel, Campeões de Los Angeles e Libertadoras (Lady Liberators), embora esses sejam os principais, não os únicos.

***

A Viúva Negra nunca havia estado em uma aventura solo nos cinemas ou na TV antes de Homem de Ferro 2 (2010), mas quase bateu na trave na década de 1970, quando Angela Bowie foi cotada para interpretar a personagem em uma séria que, apesar da preparação, nunca aconteceu. A atual versão que temos da Viúva Negra nos cinemas é vivida pela atriz Scarlett Johansson (1984).

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.