Fora de Plano #36 | Poe e Finn: “Foi difícil Ver Meu Homem Beijar outra Pessoa” ou… estão levando tudo muito a sério!

Como acontece todos os anos, por ocasião do lançamento dos indicados ao BAFTA, existe uma sessão de perguntas e respostas (BAFTA Q&A) para algumas equipes de filmes que tiveram destaque no ano anterior. Neste ano de 2018, o elenco e equipe de produção de Star Wars: Os Últimos Jedi (indicado em duas categorias na premiação, Melhor Som e Melhores Efeitos Visuais) também passou pela sabatina e o ator Oscar Isaac, ao responder uma pergunta, disse isso aqui: “Veja, foi um pouco difícil ver meu homem beijar outra pessoa, mas, sabe, você precisa abrir mão do controle… às vezes é preciso assistir algumas coisas que não quer“. Se vocês quiserem ouvir o ator falando isso, vá até os 9 minutos e 30 segundos do vídeo oficial do evento (em inglês, sem legenda), clicando aqui.

O ator claramente fez uma brincadeira com o fato de que os fãs — e até algumas pessoas envolvidas com o novo Universo de Star Wars desde O Despertar da Força — têm torcido e, do nosso lado, desenhado fanarts ou escrito fanfics sobre a possibilidade do personagem de Isaac (Poe Dameron) ser um par romântico com Finn (John Boyega). O comentário, claro, refere-se ao beijo entre Finn e Rose em The Last Jedi.

Já rolou de tudo sobre a possibilidade de os dois personagens ficarem juntos, desde petições e suposições, análise de olhares e diálogos até uma muda resignação para os esperançosos que, como sempre, tiveram embates homéricos a respeito do tema com quem abomina qualquer possibilidade de um casal LGBT em Star Wars. Afinal de contas, em uma Galáxia muito muito distante, com bilhões de planetas, estrelas, Luas, asteroides, espécies e tipos histórias diferentes de pessoas, não existem homossexuais, não é mesmo?

Em resumo, volta a discussão que parece envolver os ânimos de Jabba do mesmo grupo de pessoas que aceitam um Thor sapo, mas não aceitam um Thor mulher. Ou que veem como “pressão feminista” ou “mimimi da geração Nutella” uma espécie que tem a capacidade de mudar sua estrutura molecular por completo, em um show de ficção científicaregenerar-se de homem para mulher. Ou que acham que chegou o Armagedom só pelo fato de existir uma equipe de Caça-Fantasmas formada por mulheres… Como se vê, a lista de desafetos afetados não é de hoje.

Diante de tão rápido surgimento de ódio e declarações do tipo “é por isso que Star Wars não presta mais” ou “não vou ver mais essa porcaria” ou “ditadura gay até em Hollywood!” após uma declaração que, mesmo dando conta de algo existente na mídia é obviamente uma brincadeira do ator, é que me vem a impressão de que estão levando tudo muito a sério. Tem gente já “fazendo análise” do por quê “Os Últimos Jedi foi péssimo” tomando a fala de Oscar Isaac como uma verdade absoluta. Andam tão nervosos e engessados em uma carapaça de recusas que qualquer brincadeira que envolva representatividade já ganha ares de “meu Deus do céu, não acredito que isso está acontecendo com minha franquia super-macho!” e pronto, todos os males do mundo passam a ser culpa do grupo da vez que está “forçando seus costumes” para cima dos outros, quando não está acontecendo nem uma coisa, nem outra.

Mas vamos pensar e discutir algumas coisas juntos. E SE… Poe e Finn forem, de fato, um casal? Que mal há nisso? Eventualmente isso vai acontecer em Star Wars, certo? Depois: será que quem se preocupa com essa abordagem, teme que o episódio com um casal LGBT seja um tipo de O Segredo de Brokeback Mountain com Poe e Finn brincando de lutinha com seus sabres úmidos dentro de um X-Wing? Será que imaginam que a Disney vai segmentar uma das maiores franquias do cinema de todos os tempos colocando algo ~polêmico~ (sim, em 2018 ainda há quem ache sexualidade algo polêmico) que não seja orgânico? Alguém realmente acredita que isso vai acontecer? Ou será que a colocação de um casal de pessoas do mesmo sexo será (e deve ser assim!) colocada de maneira fluída dentro da história, tal qual os outros casais que já apareceram, em níveis diferentes de importância, ao longo de tantos episódios ou do Universo Expandido de Star Wars?

Duas coisas é preciso ter em mente. A primeira, é que nem tudo dentro das artes é preciso ser levado tão a sério. A segunda é: o importante é que eventuais mudanças façam sentido em sua concepção e que o produto final divirta. Afinal de contas, com o preço do ingresso como está, a gente mais do que merece isso, não acham? O que vocês pensam a respeito de um casal LGBT em Star Wars? Veem isso com choro e ranger de dentes? E o que acham de Finn e Poe como um casal? Vamos conversar a respeito?

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.