Lista | As melhores aberturas de série

Aberturas são um ponto crucial em qualquer série de TV – elas definem o tom da obra, sobre o que se trata e o que podemos esperar dela. Devem funcionar a fim de sugar a atenção do espectador para si, forçá-lo a parar no canal ao invés de continuar “zappeando”. Aqui, nesta lista, selecionamos as aberturas que mais nos marcaram, sejam elas de séries ótimas ou não tão grandiosas assim.

Deste pequeno apanhado participaram Ritter “Moozadell” Fan, Luiz “Wibbly Wobbly” Santiago, Guilherme “Littlefinger” Coral, Handerson “Rust” Ornellas e o nosso leitor Rafael “It’s Toasted” Gardiollo.

Agora divirtam-se assistindo essas peças raras e lendo nossos comentários!

Dexter

Ritter “Moozadell” Fan – A série pode ter acabado mal, mas isso não tira, de forma alguma, a originalidade da abertura dessa série, com Dexter fazendo café da manhã, vestindo sua camisa, amarrando o sapato e outras coisas frugais do dia-a-dia. Essas ações poderiam ser chatas, não fosse a forma como elas são executadas: emulando as mais diversas formas de matar. E, considerando o personagem e seu, digamos, hobby, não dá para não aplaudir a mesclagem de ações mundanas e assassinatos. E isso sem contar a trilha sonora com um baixo pesado, pontuando as ações e que não sai da cabeça.

Doctor Who (versão de 2013)

Luiz “wibbly wobbly” Santiago – Acho a orquestração de Murray Gold para essa versão da Nova Série a melhor de todas, com marcação do tempo mais forte e grande destaque para os metais. A escolha por uma fotografia mais quente, mais elementos do Universo e não apenas o Vórtice Temporal, além da inserção sutil do rosto do Doutor (reflexo da Era Clássica) deixam a sequência ainda mais legal. Também vale destacar as colocações menos chamativas dos nomes dos atores, do episódio e a abertura da porta da TARDIS ao final da sequência. E só para constar, da Era Clássica, as minhas aberturas favoritas são as do 1º e 2º Doutores e a do 6º Doutor (isso mesmo!).

Game of Thrones

Ritter “Moozadell” Fan – Preciso mesmo falar dessa abertura? Além de ser muito bonita, com os locais da série ganhando vida em forma steampunk em um mapa do mundo imaginado por George R.R. Martin, ela é extremamente funcional, ajudando ao espectador entender exatamente aonde acontecem as ações.

Guilherme “Littlefinger” Coral – Alguém realmente achou que essa abertura não entraria aqui? Além de tudo que o Ritter falou ainda vemos a história da rebelião de Robert Baratheon nos anéis que giram em volta do Sol e sem falar que cada nome de ator tem o brasão da casa que o respectivo personagem faz parte ao lado. Simplesmente genial!

Mad Men

Ritter “Moozadell” Fan – O mundo publicitário visto sob os olhos de Don Draper. Anúncios, anúncios, anúncios. Mulheres, mulheres, mulheres. Ao mesmo tempo, um vazio enorme, solidão e uma sensação de desamparo. É a perfeita mescla de história e aspecto psicológico em uma abertura inesquecível.

Rafael “It’s Toasted”  Gardiolo – A vertiginosa abertura da série da AMC não poderia ficar de fora. O cuidado com a Direção de Arte da série fica evidente já na forma como os créditos são apresentados.

Star Trek  – A Série Original

Ritter “Moozadell” Fan – A abertura de Star Trek deveria constar em qualquer lista de aberturas de série unicamente pela fantástica música “Where No Man Has Gone Before”, composta por Alexander Courage. Preciso realmente dizer mais alguma coisa? E olha que não sou nenhum apaixonado pelo universo Trekkie.

Cheers

Ritter “Moozadell” Fan – Passado e presente se unem nessa agradabilíssima e cativante abertura de uma das melhores sitcoms já feitas. Simplicidade é a palavra chave!

Além da Imaginação (série original)

Ritter “Moozadell” Fan – A voz de Rod Serling nos preparando para esquecermos preconceitos e mergulharmos em um mundo estranho é um convite que não podemos negar. E a fusão de imagens estranhas, de passagens para outros mundos, além da música, tornam essa abertura absolutamente inesquecível.

Rafael “It’s Toasted” Gardiolo – “You’re travelling through another dimension”… Começava narrando Rod Serling, idealizador da série que abriu as portas para a ficção-científica na televisão. Somado a seqüência surreal de imagens e a trilha arrepiante de Marius Constant temos aqui a abertura que mostra exatamente como são os episódios. Vale lembrar que apesar da música de Constant ser a mais relacionada à série, e talvez mais famosa que a própria série, era do lendário Bernard Herrmann (Psicose, Taxi Driver) a música que abria a primeira temporada.

The Wire

Ritter “Moozadell” Fan – Way Down in the Hole tocada em ritmos diferentes ao longo das temporadas e uma sucessão de imagens da série. Pode parecer simples demais, mas a abertura de The Wire, uma das melhores séries de TV já feitas, prende a atenção e deixa muito clara a temática da série, em apenas 1’30”.

 A Família Soprano

Ritter “Moozadell” Fan – Uma câmera colocada no carro de Tony Soprano nos faz seguir o protagonista ao longo de seu caminho até sua casa em New Jersey, com Woke Up This Morning tocando ao fundo. Nada mais eficiente para nos passar uma imagem de estranha normalidade, de muita humanidade e, de certa forma, algum senso de que tem algo de errado nessa história…

Twin Peaks

Luiz “wibbly wobbly” Santiago – Antes mesmo de começar a ver essa incrível série de David Lynch e Mark Frost, eu já conhecia o tema de Angelo Badalamenti, só não sabia que havia sido composto para Twin Peaks. E devo dizer que com a abertura, o tema ficou ainda mais sugestivo, um pouco macabro e com indicação de um suspense perigoso, uma cidade que com certeza tem muito, muito a esconder e não é tão bonita como parece na abertura.

Arquivo X

Ritter “Moozadell” Fan – A série que pode ser considerada a sucessora espiritual de Além da Imaginação, o é também em termos de abertura. Sem narração, mas com uma música igualmente cativante e cheia de imagens estranhas, a abertura nos prepara para o desconhecido.

Handerson “Rust” Ornellas – Uma das melhores séries de ficção científica, X-Files teve uma abertura a altura de sua qualidade. A trilha marcou história, uma canção bem arranjada que soube transmitir muito bem o suspense da série. O fim da abertura com a famosa “A verdade está lá fora” (“The Truth Is Out There”) chega a arrepiar.

Friends

Handerson “Rust” Ornellas  – Com certeza não há abertura que transmita mais felicidade que essa. A canção tema, cantada pela banda The Rembrandts, é um pop rock contagiante. Os atores dançam loucamente em uma fonte, ao som da música, enquanto passam diversas cenas da série, apresentando o elenco. A melhor abertura já feita para uma sitcom.

 True Detective

Handerson “Rust” Ornellas – A abertura de True Detective obedece fielmente ao clima obscuro da série. A canção é “Far From Any Road” da banda country “The Handsome Family”, formada em Chicago. Uma letra cheia de metáforas que se encaixa muito bem com a ótima sequência sombria de imagens. Quem assistiu a série sabe que a canção fica na sua cabeça durante MUITO tempo.

Rafael “It’s Toasted” Gardiolo – A série sensação da HBO nos apresentou uma obra prima já em seus primeiros minutos. Acompanhada pela música “Far From Any Road” da “The Handsome Family” somos introduzidos ao universo da série, e a psique de seus personagens já na montagem de abertura. É um dos casos que podemos dizer que a série faz justiça a abertura e não o contrário.

Hercules: The Legendary Journey

Rafael “It’s Toasted” Gardiolo – Sim, você leu certo. É aquela série estrelada pelo Kevin Sorbo. Eu não poderia deixar de fora. Não só faltava da escola para assistir os episódios como tinha eles gravados em VHS. A abertura cafona não foge do que é a série: a melhor coisa do mundo para uma criança de cinco anos.

Boardwalk Empire

Guilherme “Littefinger” Coral – Mais uma indicação para a HBO! Esta abertura é simplesmente genial, com Nucky Thompson olhando para o mar enquanto garrafas de whisky são trazidas pelas ondas até seus pés., já simbolizando a empreitada dos gangsters para burlar a lei seca.

The Tudors

Luiz “wibbly wobbly” Santiago – Tema musical belíssimo com destaque pera o violino (tendo uma composição à la século XVI), flashes de personalidades históricas em cena, indicações de poder eclesiástico, a loucura e libido de Henrique VIII, corpos seminus e… Bretanha. Sem mais para justificar o por quê essa abertura é tão legal!

A Pedra do Reino e Hoje é Dia de Maria

Luiz “wibbly wobbly” Santiago – Duas séries brasileiras das quais que gosto muito da abertura, seja pela aparente simplicidade seja pelo uso criativo de temas relacionados não só às séries em si (fazer algo assim com uma obra de Ariano Suassuna, por exemplo, não é nada fácil) mas às estampas, cores e motivos típicos de regiões do Brasil, que são muito fortes nessas sequências e lhes dão uma grande beleza. E além disso, ambas as séries são maravilhosas!

Os Simpsons

Ritter “Moozadell” Fan – O programa vai entrar em sua 25ª temporada. Isso significa que mais de 500 episódios já foram ao ar. E nenhuma das mais de 500 aberturas – eu repito, NENHUMA – é igual uma da outra. Esse trabalho hercúleo precisa ser reconhecido. E claro, todas elas são divertidas pacas, às vezes mais do que o próprio episódio.

American Horror Story: Asylum

Luiz “wibbly wobbly” Santiago – Mesmo que essa 2ª Temporada da série não tenha sido boa, a abertura traz verdadeiros elementos de horror, algo que infelizmente não apareceu no show, na medida que deveria ter aparecido. Mas a abertura é boa.

Guilherme “Littlefinger” Coral – Só digo uma coisa: dá mais medo que a série em si!

The Office

Guilherme “Littlefinger” Coral – Uma abertura extremamente simples, porém que não sai da cabeça. Conta com uma música que consegue exprimir bem o tom da obra e a sua sincronia com as imagens a deixa ainda melhor – só de ver já dá vontade de assistir um episódio!

Menções Honrosas

A não-abertura de The Walking Dead

Rafael “It’s Toasted” Gardiolo – Um certo Daniel M. Kanemoto, escritor, diretor e animador, mas também fã da obra de Robert Kirkman, empolgado com a anunciada série de televisão decidiu criar sua própria abertura. Utilizando quadros e imagens promocionais da história em quadrinhos e a música “Fresh Blood” da banda Eels, a empreitada de Kanemoto é capaz de levar os fãs de Rick Grimes as lágrimas. Hoje, com a série em exibição, fica claro que a abertura destoaria do tom dos episódios, mas ainda sim, é sensacional!

Abertura de Game of Thrones estilo anos 90

Guilherme “Littlefinger” Coral – Isso é simplesmente sensacional! GoT ao som de Queen naquele estilo bem Lois & Clark de abertura, com direito a close nos rostos, sorrisinhos e  qualidade de imagem péssima.

 

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.