Lista | Guillermo del Toro: Os Filmes Ranqueados

Ranquear a filmografia de Guillermo del Toro não é uma tarefa fácil, pois seus 10 longas transitam entre o baixo e o alto orçamento, entre o autoral e o Hollywoodiano, ainda que sempre com a marca fenomenal que é seu cuidado com o design de produção e de criaturas em geral. Mas isso não é desculpa para não ranquear, pois ranquear é preciso!

A presente lista é feita com base exclusivamente no que eu considero do conjunto da obra do autor, ou seja, a “culpa” pela lista é toda minha, Ritter Fan. Não gostou? Então mande sua lista nos comentários e vamos conversar!

10. A Colina Escarlate (Crimson Peak, 2015)

É com dor no coração que coloco esse filme aqui na rabeira da lista. Mas Del Toro derrapou em sua ânsia de colocar beleza à frente de substância. Há muito do primeiro e quase nada do segundo. Era um filme com potencial e não é exatamente ruim. Apenas, talvez, desapontador.

9. Cronos (1993)

O primeiro longa do diretor já mostra sua marcante assinatura gótica e sua capacidade única de criar universos detalhados e macabros. O filme sofre com o ritmo ao final, tornando-se razoavelmente banal e traindo sua premissa filosófica, mas, mesmo assim, é uma baita obra.

8. Mutação (Mimic, 1997)

Primeiro filme hollywoodiano do diretor mexicano, Mutação parece a “evolução” de Cronos, ainda que a temática seja substancialmente diferente. Um horror sofisticado e subestimado, quase esquecido nas brumas do tempo.

7. Hellboy II – O Exército Dourado (Hellboy II – The Golden Army, 2006)

Eu sei, eu sei. Sou um dos poucos que acha a continuação de Hellboy inferior à original, mas o que posso fazer? Apesar de ser muito divertido, Del Toro faz mais um desfile de escola de samba do que um filme sobre um diabo que fuma charuto. Podem me xingar lá nos comentários que eu não ligo (mentira, eu ligo sim e xingo de volta, hahahhahaha)…

6. Blade II (2002)

Aqui é Del Toro se entregando completamente à fábrica de filmes de Hollywood, mas ao mesmo tempo mostrando que sabe de seu ofício como ninguém. Afinal, muito provavelmente, se você se lembra de Blade, é porque se lembra do segundo filme, não do primeiro e certamente não do terceiro.

5. Hellboy (2004)

A primeira incursão do diretor no universo criado por Mike Mignola consegue ser uma das melhores adaptações de quadrinhos já feitas e olha que isso não é dizer pouco, considerando que elas são fabricadas quase que semanalmente por Hollywood. Aqui, a combinação da habilidade de Del Toro de desenhar personagens e a capacidade de Mignola de criá-los é quase que um alinhamento astral daqueles capazes de trazer Cthulhu de sua dimensão. Sim, o filme ainda tem problemas aqui e ali, mas não tem firulas, nem enrolação e, claro, tem Ron Pearlman!

4. A Espinha do Diabo (El Espinazo del Diablo, 2001)

O segundo longa de Del Toro ainda é um de seus melhores e mais intrigantes. Funciona quase que como um prelúdio temático de O Labirinto do Fauno, com pitadas de A Colina Escarlate (do que o filme poderia ter sido, obviamente). Atmosfera sombria, clima tenso e uma camada de fantasia encantadora e, por vezes, perturbadora.

3. A Forma da Água (The Shape of Water, 2017)

A mais impressionante criatura criada por Del Toro – e que parece ter sido inspirada em Abe Sapien, claro – em um belíssimo filme de amor de época. É, de certa forma, uma releitura de A Bela e a Fera em um ambiente de Guerra Fria, com um design de produção de se tirar o chapéu. Não é essa maravilha toda que dizem por aí (“É sim!” – Gabriel Carvalho), mas certamente é um filmaço que prenderá o espectador do começo ao fim.

2. Círculo de Fogo (Pacific Rim, 2013)

Certamente a colocação mais polêmica dessa lista, não é? Mas Círculo de Fogo é a conjugação perfeita entre a besteirada descerebrada de Hollywood com a capacidade de um cineasta de transformar o trivial em um espetáculo excepcional. Sim, o filme é sobre robôs gigantes espancando monstros gigantes – e vice-versa – mas é um deleite ver Del Toro completamente sem freios, mas jamais perdendo sua marca.

1. O Labirinto do Fauno (El Laberinto del Fauno, 2006)

Posso ser maluco por colocar Círculo de Fogo em segundo, mas não sou tanto assim ao ponto de não colocar O Labirinto do Fauno em primeiríssimo lugar. Esse filme reúne o que há de melhor em cada um dos filmes do diretor em uma relevante e lindíssima história cheia de criaturas fabulescas e um cuidado extremo em cada detalhe de cada fotograma. Uma obra-prima sem reparos.

XXXXXXXX

Agora é a vez de vocês! Concordam? Discordam? Muito pelo contrário? Mandem seus comentários!

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.