Lista | Robin Williams: 10 Inesquecíveis Personagens

Mais um grande ícone da Sétima Arte se foi em 2014. Agora foi a vez de Robin Williams, ainda novo, com apenas 63 anos. Esse grande comediante – mas com excelentes papeis dramáticos que marcaram sua vida – começou a carreira em 1977, no filme Óculos? Para Quê? que o levou a participar de diversas séries de TV até abrir espaço em Hollywood com PopeyeO Mundo Segundo Garp, em 1980 e 1982. Mas o filme que acabou de verdade levando-o para o estrelato foi Bom Dia Vietnã, em 1987, que o colocou na direção de diversos outros papeis memoráveis.

E foi pensando nesses personagens que nós, aqui do Plano Crítico, resolvemos homenagear o ator. Cada um de nós selecionou um papel de Robin Williams que considera inesquecível e o resultado vocês podem conferir abaixo, sem ordem de preferência, apenas cronológica, cobrindo boa parte de sua carreira. Mas notem que levamos em consideração apenas os papeis, não necessariamente os filmes. Todos os textos são de Ritter Fan, a não ser quando indicado de forma diferente.

E você? Concorda com a lista? Tem algum personagem a acrescentar? Algum para tirar?

Popeye em Popeye (1980)

robin williams popeye

O filme está longe de ser inesquecível, mas Robin Williams como o marinheiro Popeye, comedor de espinafre e apaixonado pela eterna “dama em perigo” Olívia Palito é extremamente divertido e idêntico ao desenho das tirinhas de Elzie Crisler Segar, de 1929. Cheio de caretas e com atitudes exageradas, Williams mostra sua capacidade de divertir o público já no começo de sua carreira, deixando claro ao mundo que um grande ator estava surgindo.

Adrian Cronauer em Bom Dia Vietnã (1987)

robin williams - good morning vietnam

Quem é que não se lembra ou, no mínimo, já viu ou ouviu falar de  Robin Williams, no papel de Adrian Cronauer, com fones de ouvido gritando ao microfone “Goooooooooooooood morning, Vietnam!”? Nessa comédia de guerra baseada em fatos verdadeiros (Cronauer era mesmo um radialista do exército em Saigon), Williams arrebata ouvintes e espectadores em um papel de puro coração, energético e divertido, com tons trágicos, em um estilo que seria de certa forma utilizado pelo próprio ator em Sociedade dos Poetas Mortos. Robin Williams merecidamente concorreu ao seu primeiro Oscar de melhor ator por esse filme.

 John Keating em Sociedade dos Poetas Mortos (1989)

robin williams - dead poets society

A mera lembrança do professor John Keating subindo nas escrivaninhas e conversando com sua turma de inglês da Academia Welton já traz uma lágrima furtiva aos olhos de qualquer um. Impossível não se deixar cativar pela paixão de Williams ao fazer esse papel que inspira seus alunos a  pensar por si próprios e deixa os espectadores sem palavras. O Captain! My Captain! com certeza! Por esse papel Williams levou sua segunda indicação ao Oscar de melhor ator.

Gênio da Lâmpada em Aladdin (1992)

robin williams - aladdin

Em Aladdin, Robin Williams faz, talvez, seu papel mais tresloucado, em um trabalho de voz imbatível como o Gênio da Lâmpada que ajuda o jovem Aladdin a conquistar o coração de Jasmine e a derrotar o vilanesco Jafar. Falando como uma metralhadora giratória e engatando uma piada atrás da outra, é sensacional ver Williams dar vida ao papel de longe mais memorável dessa animação da Disney.

Sra. Doubtfire em Uma Babá Quase Perfeita (1993)

robin williams - doubtfire

Primeiro filme de Robin Williams que eu lembro ter visto. Aliás, acho que muita gente reconhece o ator pelo papel duplo que fez neste filme. Seu humor não torna a “Babá” odiosa, mas uma personagem tocante e tremendamente engraçada, que transita entre a comédia e a tragédia e que nos fará rir muito, independente de quantas vezes assistirmos ao filme. (Luiz Santiago)

Alan Parrish em Jumanji (1995)

robin williams - jumanji

Um jogo dos sonhos para qualquer adolescente maluco. Um personagem que se transforma. Uma interpretação marcante de Robin Williams, que mais uma vez nos mostra a sua relação com o humor mais próximo da inocência do que da maldade, um diferencial que fazia dele um adorável comediante, mesmo quando colocado no meio de uma selvagem aventura com toques bem marcantes de drama e romance. (Luiz  Santiago) 

Sean Maguire em Gênio Indomável (1997)

robin williams - good will hunting

Resultado de uma parceria improvável, mas bastante criativa (e de qualidade!), a atuação de Robin Williams nesse filme lhe rendeu um Oscar de melhor ator coadjuvante e nos presenteou com uma importante passagem do ator por um mundo que, de alguma forma, lhe era bastante próprio. Seu personagem neste filme com certeza estará entre os mais marcantes de sua carreira. (Luiz Santiago)

Patch Adams em Patch Adams – O Amor é Contagioso (1998)

robin williams - patch adams

Baseado na vida do médico e palhaço (sim, isso mesmo) Hunter Doherty “Patch” Adams, esse filme é outro da filmografia de Williams que provavelmente arrancará uma lágrima furtiva dos mais durões. E Robin Williams é absolutamente perfeito no papel, derramando em sua atuação partes iguais de comédia e drama que não nos deixa piscar.

Andrew Martin em O Homem Bicentenário (1999)

robin williams - bicentennial man

Nessa ficção científica baseada em obra de Isaac Asimov, Robin Williams faz um robô que deseja ser humano. Mas não um que apenas deseja ter sentimentos e atuar como um humano, mas sim um que almeja ser reconhecido como tal oficialmente. Mesmo debaixo de  maquiagem pesada que vai variando radicalmente ao longo da projeção, Williams consegue imprimir seus traços de personalidade nesse complexo personagem em um filme que costuma ser esquecido por muitos, mas que não deveria ser.

Walter Finch em Insônia (2002)

robin williams insomnia

Imaginar Robin Williams como vilão é uma tarefa bastante difícil. Afinal de contas, se olharmos sua carreira, encontraremos apenas personagens bons e puros. Mas seu Walter Finch em Insônia nem é mesmo seu primeiro vilão, pois essa honra fica para Retratos de Uma Obsessão, lançados alguns meses antes. Mas é no trabalho de Christopher Nolan pré-Batman que Robin Williams mostra sua versatilidade ao encarnar um serial killer frio, que manipula o policial Will Dormer, vivido por Al Pacino. Exatamente por suas feições de bom moço, sua fala mansa, por nunca se alterar é que Walter Finch é tão perigoso e aterrorizante. Definitivamente, um personagem que será responsável por muitas noites insones.

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.