Lista | Star Wars: Episódio VI – 10 Fatos Curiosos

O Retorno de Jedi é, normalmente, o filme menos adorado da Trilogia Original, e isso pode ser reflexo dos diversos problemas normalmente pouco alardeados e conhecidos por que a produção passou até chegar nos cinemas. Mesmo assim, é um excelente encerramento do arco narrativo de Luke Skywalker, da redenção de Darth Vader e da volta dos Jedi.

Esses problemas de bastidores trazem diversos fatos interessantes aos fãs e nós selecionamos dez deles que também são normalmente desconhecidos para seu deleite. A lista não está em ordem alguma e, se você souber de outros fatos curiosos, não se acanhe e liste-os nos comentários. Ah, temos uma lista também sobre o Episódio IV e outra sobre o Episódio V, que você pode conferir aqui.

Vamos lá e que a Força esteja com você!

1. Ser ou não ser Vader?

laurence olivier

Fica bem de preto. Sabe manusear uma espada. Perfeito, não?

Richard Marquand, diretor do filme, queria um ator de grande renome para ser o rosto de Darth Vader na sequência final, em que Luke retira sua máscara. Sua ideia era que Sir Laurence Olivier, famoso por seus papeis shakespearianos, encarnasse o vilão voltando ao Jedi que era antes. Outra opção aventada pelo diretor seria John Gielgud, outro medalhão da estirpe de Olivier. Mas George Lucas vetou a ideia, considerando que colocar um ator tão famoso assim retiraria o espectador da imersão necessária ao momento. Com isso, Sebastian Shaw foi escalado como o rosto de Vader. Ao passo que teria sido interessante ver Olivier atrás da máscara, tendo a concordar com Lucas nessa. E você?

Ah, falando em rosto por trás da máscara de Vader, David Prowse, ator que vive Vader em sua  forma mascarada, já havia famosamente ficado desapontado quando sua voz foi trocada pela de James Earl Jones na franquia. Quando então ele descobriu que sua única chance de mostrar o rosto na trilogia lhe seria arrancada, ele quase surtou. Fico sinceramente com pena do cara…

2. O Retorno de Eraserhead.

twin peaks star wars

Tome meu dinheiro!

Falando em atores diferentes, Richard Marquand não foi a primeira escolha para dirigir O Retorno de Jedi. Na verdade, ele não foi nem a segunda escolha. Ou a terceira… George Lucas queria seu amigo Steven Spielberg na direção, mas o nome de David Cronenberg foi também aventado. Enquanto particularmente não daria muita bola para esse filme dirigido por Spielberg (fico imaginando que os Ewoks, de coadjuvantes, passariam ao quase protagonismo na mão do melodramático diretor – e vejam, eu adoro ele e sua filmografia!), não consigo parar de pensar nas possibilidades pelas mãos de Cronenberg. Afinal, seus encontros com a ficção científica em Scanners – Sua Mente Pode DestruirVideodrome: A Síndrome do Vídeo, A Hora da Zona Morta, A MoscaeXistenZ são fascinantes.

No entanto, o nome que foi seriamente discutido e que eu encabeçaria uma campanha no Kickstarter, venderia meu carro e hipotecaria minha casa para ver nas telonas dirigindo O Retorno de Jedi é o de David Lynch. Duna pode não ter sido um grande sucesso de público e de crítica, mas os visuais de Lynch são arrebatadores e sua perturbadora filmografia entraria de tal maneira em choque com os Ewoks e companhia, que minha curiosidade vai a mil só de imaginar o resultado.

3. Colheita Azul?

blue harvest family guy

Seria uma referência a Star Wars? Hummm, deixa eu pensar…

Acho que todos que têm o mínimo de interesse por Star Wars sabem que O Retorno de Jedi foi filmado sob o codinome Blue Harvest: Horror Beyond Imagination (“Colheita Azul: Horror Além da Imaginação”, em tradução literal). Trata-se de uma estratégia comum no Cinema para esconder segredos da produção. Mas o que poucos sabem é que a escolha de nome não foi completamente aleatória. Blue Harvest foi um título inspirado no romance Red Harvest de 1929, escrito por Dashiell Hammet. E daí, vocês perguntarão com razão. Bem, a questão é que muitos estudiosos e críticos, dentre eles David Desser e Manny Farber defendem que Red Harvest serviu de inspiração para Akira Kurosawa escrever e dirigir o sensacional Yojimbo – O Guarda-Costas. Ainda não sacaram a conexão? É que a filmografia de Kurosawa – especialmente A Fortaleza Escondida – serviu de fonte inspiradora para George Lucas criar Star Wars. The circle is now complete!   

Mas calma que, assim como as facas Ginsu, tem mais!

No melhor estilo “filmagem de guerrilha” de Roger Corman, Marquand, Lucas e mais um pessoal, durante uma tempestade que atrasou gigantescamente a filmagem da sequência no poço de Sarlacc, realmente chegaram a pensar em filmar Blue Harvest, inventando um roteiro simples que, lógico, girava em torno de Carrie Fisher vestida com o famoso biquíni dourado. Acabaram não fazendo, mas que daria um baita de um extra em um DVD ou Blu-Ray, ah daria!

4. Agora EU sou Darth Vader!

darth vader luke

Me dá esse capacete aqui, seu mané!

Talvez porque Lucas estivesse passando por problemas em seu casamento, talvez porque ele apenas estivesse de mau humor, mas o fato é que, em conversas com Lawrence Kasdan, o criador da saga cogitou seriamente um final extremamente sombrio para sua trilogia: Luke, depois da morte de seu pai, pegar o capacete de Darth Vader, o vestiria e diria “agora eu sou Darth Vader”…

Ainda que eu seja 100% a favor de um final assim, imagino que metade dos fãs infartariam no cinema na época e a outra metade pegaria enxadas, machados e outros instrumentos do gênero e se dirigiriam à casa de Lucas para queimá-lo em uma pira cerimonial. O grande problema desse final é que ele exigiria mais um filme e não 15 anos depois e certamente não com Jar Jar Binks pisando no cocô…

5. Samurai Luke?

luke samurai

Luke-san.

Um final um pouco menos sombrio, mas também não tão alegre quanto o que vimos, foi pensado, com Luke Skywalker, no melhor estilo samurai (ou cowboy de Sergio Leone, o que é essencialmente a mesma coisa) indo embora ao por do sol, deixando irmã, amigos, fantasmas e ursinhos de pelúcia a ver navios.

Confesso que gosto muito mais de imaginar esse final do que a festa Ewok que ganhamos. Mas não se pode ter tudo, não é mesmo?

6. Quem dirigiu o filme?

diretor de o retorno de jedi

Kenny Baker, seu safadinho!

Richard Marquand é o diretor no papel para todos os efeitos, mas a história não é tão simples assim. Lucas não ficou satisfeito com a progressão do trabalho do diretor e passou a visitar o set de filmagens com frequência, micro-gerenciando tudo e efetivamente dirigindo muita coisa. Chegou ao ponto de Marquand famosamente ter dito que era como filmar “Hamlet com Shakespeare ao lado”. Mas Marquand também não era flor que se cheirasse e sua relação com sua equipe técnica e com os atores não era das melhores, pelo que, dizem os rumores, muita coisa foi filmada não só por Lucas, mas como também por diretores de segunda e terceira unidades. Basicamente, pelo visto, todo mundo dirigiu O Retorno de Jedi menos Marquand.

7. Yoda não apareceria.

yoda fantasma

Meu rosto pelo menos não mudaram…

Outra alteração interessante de roteiro, ou melhor, uma das versões da história que chegou a ser aventada de verdade suprimia Yoda completamente do filme. E é fácil acreditar nisso, quando notamos que Luke volta para Dagobah essencialmente para nada (eu sei, ele havia prometido voltar, mas falo em termos técnicos, de narrativa). Mas o momento Dagobah acabou ficando e a razão é muito interessante.

George Lucas consultou psicólogos infantis que disseram a ele que a relação pai e filho entre Luke e Vader precisava de confirmação externa para que as crianças aceitassem mais facilmente. É que, até então, isso só havia saído da boca – ou da máscara, como queiram – de Darth Vader e Luke havia aceito em razão da Força. De acordo com os psicólogos, alguém precisava confirmar a veracidade da revelação e Yoda foi usado para isso, justificando sua presença para além do ato de morrer em tela.

8. E.T., esse pequeno terrorista.

et star wars

Só acene e sorria. Acene e sorria…

Todo mundo sabe que o povo de E.T., O Extraterrestre existe no Universo Star Wars. Lucas deixou isso claro em A Ameaça Fantasma, quando eles aparecessm no Senado Galáctico (ou quando E.T. reconheceu Yoda no Halloween, lógico). Mas, mesmo antes do primeiro filme-prelúdio, essa ligação já existia.

É que Pat Welsh, a senhora de 67 anos que emprestara sua voz de fumante inveterada para E.T. também fez a voz de Leia, quando ela está vestida de Boushh, a caçadora de recompensas que ameaça explodir o covil de Jabba com uma bomba. Tudo está conectado…

9. É um truque…

it's a trap animated GIF

A frase mais importante de todo O Retorno Jedi, “é uma armadilha”, que está para o filme como “Rosebud” está para Cidadão Kane e que foi dita brilhantemente pelo Almirante Ackbar, depois de constatar o óbvio ululante, era para ser, originalmente, “é um truque” (it’s a trick). O filme certamente perderia 3 ou 4 estrelas em minha crítica se o texto original tivesse sido mantido…

10. Harrison Ford queria morrer (de novo!).

harrison ford aviao

Eu tento, mas não consigo…

Harrison Ford, famoso por tentar de todo jeito morrer antes do tempo, queria matar Han Solo já em O Império Contra-Ataca. Lucas não deixou e mandou congelar o personagem em carbonita, já que Ford só tinha contrato para dois filmes. Acertado um novo contrato, Ford voltou à cena, mas novamente queria matar Solo em algum ato heróico em que ele se sacrificasse pelos amigos. Lawrence Kasdan gostou da ideia, pois daria peso à história, mas Lucas vetou. Chegaram a pensar em reduzir a relevância do personagem na trama, mas Lucas também foi contra (talvez já imaginando que, no Episódio VII, Solo, ancião, voltaria…) e deu no que deu.

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.