Lista | Top 10 – Os Melhores Ursos da Ficção

Com a Disney soltando uma coleção de filmes live-action baseada em suas animações, era uma questão de tempo até que fosse a vez do Ursinho Pooh. Em Christopher Robin: Um Reencontro Inesquecível, o dengoso Pooh volta para a vida de seu amigo humano com ele já bem mais velho, depois das Guerras Clônicas. Inspirado no que talvez seja o mais famoso urso da ficção, remexi minha cachola e fui até o século XVII para trazer para vocês os melhores ursos das artes, sejam livros, filmes ou TV.

Algumas regras (afinal de contas, minha lista, minhas regras!):

(1) Quando havia mais de um urso marcante por produtora, fiz uma triagem para escolher o melhor dentre todos. Portanto, não citarei mais de um urso da Disney por exemplo (e não, Pooh não conta como da Disney, pois considerei a primeira aparição do personagem, que foi na literatura);

(2) Só considerei ursos que podem ser considerados personagens completos, com nomes e personalidades definidas (as exceções estão lá no final);

(3) Vetei todos os Ursinhos Carinhosos, primeiro por eles serem CHATOS  DE GALOCHAS e, segundo, por nem todos serem ursos, ou seja, uma propaganda enganosa! Nem adianta espernear…

(4) As indicações entre parênteses após os nomes dos personagens correspondem somente à primeira obra em que ele surgiu e o respectivo ano.

Mandem para cá seus ursos favoritos!

10. Kenai e Koda
(Irmão Urso – 2003)

Menções honrosas: Urso Fozzie, Lotso e Harris, Hubert e Hamish (como ursinhos, logicamente)

Tive que eliminar uma ursarada da Disney (e os que listei acima foram apenas os que chegaram no “corte final”, pois há MUITOS outros) e vai ter gente chiando com certeza, mas não tem jeito. Esse pair aí de humano transformado em urso com filhotinho de urso é absolutamente irresistível em uma animação muito pouco comentada por aí, mas que é ótima.

9. Po
(Kung Fu Panda – 2008)

O que é melhor do que um urso? Um urso que luta kung-fu, claro. E, se esse urso que luta kung-fu for panda comilão e pançudo, filho adotivo de uma garça e que tem aulas com um panda vermelho (que nem urso é) e aprende filosofia com uma tartaruga de galápagos (se não é uma, parece…), então é perfeição na certa. Po não só é um urso memorável, como é um dos melhores personagens animados criados pela Dreamworks, certamente muito melhor do que aquele ogro verde chato pacas.

8. Paddington
(Um Urso Chamado Paddington – 1958)

Britânico adora ursinhos, não tem jeito, mesmo que ele seja peruano. Afinal, cinco dos mais conhecidos ursos da literatura mundial são lá daquela ilha de onde vem Harry Potter (e todos eles estão aqui nesta lista). Paddington, criado em 1958 por Michael Bond, é achado pela família Brown na estação de trem cujo nome acaba sendo usado para batizá-lo. De casaco azul, chapéu vermelho e sentado em sua valise, ele tem apenas um bilhete em seu pescoço: “Por favor cuide deste urso. Obrigado”. Impossível resistir, não é mesmo?

7. Bart e Youk
(O Rei Grizzly – 1916)

A Disney pode até não dar os créditos, mas eu DUVIDO que Irmão Urso não tenha sido pelo menos parcialmente inspirado no romance O Rei Grizzly, de James Oliver Curwood que, por sua vez, inspirou o filme O Urso, de Jean-Jacques Annaud, de 1988. Afinal, no livro e no filme, um ursinho grizzly que perde sua mãe faz amizade com um grizzly adulto que é caçado por dois caçadores. Fofura total.

6. Iorek Byrnison
(A Bússola de Ouro – 1995)

De todos os tipos de urso, o polar é o mais bacana e ponto final. Agora coloquem uma armadura nele e pronto, nada mais é necessário para justificar sua presença nesta lista. Mas tem mais: ele é o rei dos ursos de Svalbard e precisa matar para tomar posse de seu trono. E foi criado por um britânico, não tenham dúvida. Raios, devia era tê-lo colocado em primeiro lugar…

5. Balu
(O Livro da Selva – 1894)

Olha aqui o outro urso britânico! Ok, ele é da Índia, mas vocês entenderam, já que O Livro da Selva foi escrito pelo inglês Rudyard Kipling, que imortalizou o menino criado por lobos Mogli e seus mentores Baguera, uma pantera negra e Balu, um urso. É muito provável que, na cabeça da maioria, Balu seja aquele urso bonachão e absolutamente simpático da adaptação da Disney de 1967, mas a verdade é que o Balu original é muito mais rígido, não se furtando em estapear Mogli toda vez que ele faz ou fala uma besteira (ele não estaria na lista se ele fosse o sujeito bobão da animação, que fique claro…). Mas tudo com muito amor, claro.

4. Ursinho Pooh
(Idem – 1926)

E, claro, o quarto urso britânico desta lista não poderia deixar de ser o próprio Ursinho Pooh (ou Puff para anciãos como eu, que o conheceram assim e não conseguem falar de outra forma). Uma simpatia que adora, como meu pai dizia, não fazer nada e depois descansar (ok, ele faz algo: empanturra-se com mel), Pooh vive no Bosque dos 100 Acres cercado de amigos igualmente fofos (mas nenhum como o Tigrão, mas o Tigrão não é urso e não poderia constar desta lista…). Um marco na literatura que, depois, cortesia da Disney, tornou-se um marco também no cinema.

3. Os Três Ursos
(A História dos Três Ursos – 1837)

Lembram da Cachinhos Dourados? Pois bem, esqueçam aquela menina folgada e petulante. A história original da menina que entra na casa da Família Urso e come o mingau, senta na cadeira e dorme na cama deles é uma variação posterior, bem mais branda. A história raiz de verdade não tem Cachinhos Dourados e nem Família Urso, mas sim uma mulher feia que, depois de ser expulsa de casa, invade a cada de Três Ursos (que são amigos, não uma família), toma o mingau, senta, quebra a cadeira e, finalmente, dorme na cama do urso menor. O resultado é que, quando eles voltam,  que, sem pedir permissão, come a comida da Família Urso, o urso menor grita indignado que lá está a responsável pelo fim do sossego dele e a mulher, então, pula pela janela e nunca mais é vista. E sim, você adivinhou, trata-se de uma história britânica. Ou melhor, uma história cuja primeira versão foi escrita – pois era um conto passado verbalmente – na Inglaterra.

2. Zé Buscapé
(Idem – 1965)

Menções honrosas: Zé Colmeia e Catatau e Urso do Cabelo Duro

Foi duríssimo fazer a eliminação dentre os ursos da Hanna-Barbera, mas o rabugentíssimo urso caipira Zé Buscapé levou a melhor simplesmente pelo jeito que ele resmunga o tempo todo quando leva ordens de sua esposa ou se ferra a cada vez que tenta fazer alguma coisa fora do conforto de sua cadeira de balanço na varanda de casa. E isso, claro, sem contar com o fato de que ele adora uma espingarda para encher de chumbo o traseiro de gente chata.

1. Ted
(Ted – 2012)

Assim como é dispensável explicar o porquê da inclusão de um urso polar rei de armadura nesta lista, é desnecessário justificar a presença, em primeiro lugar, de um ursinho de pelúcia desbocado, beberrão e hedonista que anda pelado. É óbvio que Ted tinha que estar aqui e, ainda por cima, em primeiro lugar. Qualquer reclamação, dirijam-se a ele, por favor…

Hors Concours

Aqui, na categoria “fora de concurso”, decidi incluir ursos marcantes que não são exatamente personagens com nome e personalidade, apenas artifícios narrativos inesquecíveis.

1. O Urso Grizzly de O Regresso (2002)

Resultado de imagem para the revenant bear gif

Esta aí um urso de respeito. Chegou perto do território dele, tomou uma sova daquelas para afinar a voz.

2. O urso que persegue Antígono
em Conto de Inverno, de William Shakespeare (1623)

Nem de longe uma das melhores obras de Shakespeare, Conto de Inverno tem, porém, uma das mais inesquecíveis direções de palco da história da Arte Dramática: “Sai, perseguido por um urso”. Trata-se da saída – da peça – de Antígono, um dos protagonistas, que é presumivelmente morto em seguida já que não volta mais. E detalhe: o urso vem completamente do nada. Hilário ao ponto de dar vontade de ver a peça montada só por causa desses segundos…

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.