Lista | Universo Cinematográfico Marvel: Os Filmes Ranqueados (Edição 2018)

Vingadores: Guerra Infinita já está nos cinemas, quebrando recordes de bilheteria e fazendo história. Sendo assim, com os 10 anos da Marvel Studios, refazemos a lista do Universo Cinematográfico Marvel, originalmente feita em 2016, para o lançamento de Capitão América: Guerra Civil. Para acessar a antiga, clique aqui.

  • Dessa vez, cada um dos participantes ranqueou os 19 filmes já lançados, incluindo Vingadores: Guerra Infinita. Todas as obras também foram avaliadas por cada um dos votantes, de acordo com a cotação de estrelas do Plano Crítico.
  • A lista, porém, segue a classificação dada pelo ranking (o primeiro colocado ganha 19 pontos e o último ganha 1). As estrelas têm caráter meramente simbólico, também contribuindo para desempates ocasionais.
  • O número de estrelas foi arredondado seguindo uma aproximação de valores. Quando a diferença é a mesma para ambos os lados, a escolha sempre é pela avaliação maior.
  • Como o papel das estrelas é secundário, a colocação não reflete necessariamente um crescimento na avaliação.

Os seguintes membros participaram da lista: Capitão Ritter, Rafael de Ferro, O Incrível Handerson, Giba Odinson, Gabriel-Aranha, Anthonio das Estrelas, Dr. Roberto Estranho e Fernando-Formiga.

Aqui vai a lista, em contagem regressiva, para a diversão (sempre!), concordância (com todos os comentários de Gabriel-Aranha) e contestação (à tudo que Gabriel-Aranha tiver também contestado) de vocês! E não se esqueçam de clicar nos títulos dos filmes para ler (ou reler) as críticas.

19º) Thor: O Mundo Sombrio
(18 pontos)

A segunda aventura de Thor dentro do Universo Cinematográfico Marvel não agradou muita gente. No ranking, Thor: Mundo Sombrio foi considerado o pior filme da Marvel Studios quatro vezes, o que o torna a produção mais rejeitada desse universo. Thor Odinson, Deus do Trovão, ganharia um bom filme apenas na derradeira conclusão de sua trilogia. Um gigantesco desperdício de personagem até lá. A realidade é que, dentre todas as produções, esta talvez seja a mais esquecível da saga, e Malekith, provavelmente, o pior vilão. Mas, com certeza, essa não é a obra mais esquecida – e inutilizada – pelo próprio universo…

18º) O Incrível Hulk
(25 pontos)

O visual do Incrível Hulk já é completamente diferente nos dias de hoje, Bruce Banner é interpretado por outro ator e os acontecimentos retratados aqui nunca deram prosseguimento em filmes seguintes. Mesmo assim, a Marvel Studios insiste em categorizar essa obra como parte do Universo Cinematográfico da Marvel. O Incrível Hulk, contudo, não é uma verdadeira bomba, mas certamente foi afetada pela explosão de raios gama, estando longe de se equiparar com o amadurecimento que viria para a empresa. É um filme muito verde, se é que vocês me entendem.

17º) Thor
(28 pontos)

O filme torto de Kenneth Brannagh é o começo de tudo que deu errado com Thor até Ragnarok. A maior diferença, porém, desses filmes com os outros é o vilão – que mais tarde se tornaria anti-herói. O arco do personagem, Loki, é tão fascinante, e Tom Hiddleston tão carismático, que a versão de Chris Hemsworth para o seu Thor torna-se extremamente entediante. Os realizadores ainda tiveram a péssima ideia de pintar as sobrancelhas do ator e esquecer de colocar o elmo na caracterização do protagonista por todo o filme. O elmo nunca voltou de verdade, o que é uma pena, mas se tem algum culpado nisso ele se encontra na equipe responsável por Thor.

16º) Homem de Ferro 2
(40 pontos)

Homem de Ferro 2 é um experimento. Com o Universo Cinematográfico criado, a sequência do filme de Stark acabou sendo um arremedo de ideias para o futuro. Para Ritter, ele é o pior. Para todos os outros, um dos piores. Para ninguém, o melhor. O vilão desse filme rivaliza com os mais rasos, mas eu até gosto da performance de Mickey Rourke. Os bons momentos, como o da maleta, não salvam, enfim, um filme extremamente problemático.

15º) Homem de Ferro 3
(50 pontos)

Uma das maiores injustiças dos últimos anos é o que aconteceu com Homem de Ferro 3. Claro que o filme tem os seus problemas, alguns bastante pontuais, mas que são encarados como se fossem tragédias colossais da narrativa cinematográfica. Além do mais, não é culpa dele se o futuro aparentemente “esqueceu” vários dos itens que abordou. E não, o Mandarim não é uma catástrofe. A revelação de que o personagem de Ben Kingsley era um mero ator foi um dos plot twists mais geniais já feitos pela Marvel; a ideia de que a verdadeira ameaça não é quem a gente espera, tudo não passando de um jogo de imagem, de terror por assim dizer. Tony Stark voltando às suas origens em um filme pipoca, divertidíssimo, mas com significado e peso por si. A curiosidade é que, dentre todas as avaliações, a de Homem de Ferro 3 foi a mais inconstante. O grande Ritter, por exemplo, classificou o filme em uma posição extremamente alta, enquanto três votantes posicionaram a obra em penúltimo lugar. Parece que não adiantou muito, velho amigo.

14º) Doutor Estranho
(52 pontos)

O consideravelmente recente Doutor Estranho esteve longe de ser um fracasso. A recepção por parte da crítica foi bastante positiva. Mas por que o filme está nessa colocação? A falta de um vilão forte e a comédia, dessa vez deslocada, tornou a introdução de Stephen Strange no Universo Cinematográfico Marvel mais um filme dentre tantos, enquanto o anseio era por uma obra inovadora, dado o teor completamente diferente que reside no personagem, nos quadrinhos, se colocado lado a lado de outros heróis. Doutor Estranho é estranho, e o filme talvez precisasse ter um pouquinho mais disso. As soluções visuais são interessantes e a conclusão extremamente inteligente e diferente, mas faltou um quê a mais para tornar essa produção realmente empolgante. Mas sim, a caracterização de Benedict Cumberbatch está perfeita.

13º) Capitão América: O Primeiro Vingador
(61 pontos)

Capitão América: O Primeiro Vingador é bom, mas é um exemplo daqueles filmes que ficam melhores quando avaliados junto de suas sequências. Toda a jornada do Capitão América começa aqui, construindo seus valores, mostrando-se um verdadeiro herói. De todos os personagens da Marvel Studios, Steve Rogers é certamente o mais próximo do valor utópico que idealizamos para os heróis. O filme, porém, é muito mais passivo do que poderia ser, maniqueísta por assim dizer. No caso, é extremamente fácil ser isso na Segunda Guerra Mundial – os nazistas são uns dos maiores vilões da história. No contexto das próximas obras, esse maniqueísmo, curiosamente, gera frutos discursivos muito interessantes. A questão é que o filme poderia ser muito melhor e as pessoas tem consciência desse desperdício de potencial. O desenvolvimento é extremamente apressado e, no final das contas, a guerra não é verdadeiramente sentida. Ademais, a amizade de Bucky com Steve seria realmente importante no futuro. Aqui, falta peso sentimental. Uma obra bem simples, um feel good movie que está na posição que deveria estar.

12º) Thor: Ragnarok
(68 pontos)

Incrível. Thor: Ragnarok estaria só em 10º nessa lista, caso ela dependesse apenas de mim, mas eu ainda estaria revoltado com essa posição. É um dos casos de filmes que não são perfeitos, mas encantam de uma maneira avassaladora. Pelo menos, para mim, a saída dada por Taika Waititi para o herói foi genial e contrasta perfeitamente bem com o papel do personagem em Guerra Infinita. Chris Hemsworth provara ser realmente engraçado em Caça-Fantasmas, e mostra o seu melhor Thor ao ser permitido ser cômico. O resto do elenco apenas vai adicionando, em especial Jeff Goldblum. Talvez, daqui a algumas décadas ou anos, tenhamos um épico nórdico estrelado pelo herói, mas, nesse momento, estou completamente empolgado com a mera ideia desse filme, esse aqui, o “Piadarok”, existir. A subversão completa de um personagem que, em quatro filmes, ainda não havia funcionado. Como corrigir esse desvio? Fazendo um épico de 3 horas? Não, fazendo uma comédia pastelão. Infelizmente, Ragnarok é bastante criticado por muitos fãs, tendo até mesmo conquistado um último lugar na nossa votação.

11º) Homem-Aranha: De Volta ao Lar
(69 pontos)

A apresentação do novo Homem-Aranha em Capitão América: Guerra Civil foi certeira. Longe de ser perfeita, visto que o personagem apenas contribuiu em ação e comédia. Tom Holland, porém, demonstrou ter potencial, mesmo com pouco tempo de tela, e eis que De Volta ao Lar prova a habilidade do ator em ser o amigão da vizinhança nas telonas. Um dos trunfos dessa aventura do aracnídeo é, além da natureza bastante colegial, o vilão. Com uma das galerias de vilões mais interessantes, perdendo apenas para a do Batman, o Homem-Aranha enfrenta o Abutre, interpretado por um Michael Keaton em ótima fase. De Volta ao Lar está distante do melhor filme do Homem-Aranha, mas é uma obra certamente competente, que merece ser ranqueada no meio dessa brincadeira toda.

10º) Vingadores: Era de Ultron
(69 pontos)

A importância de Joss Whedon para a Marvel Studios é incomparável com a de qualquer outro diretor que passou pelo estúdio. Contudo, Era de Ultron é um filme muito inchado, mesmo tendo um terço de heróis do que Guerra Infinita tem, filme que se saiu muito melhor em ordenar os personagens e, acima de tudo, criar cenas de ação coesas com dezenas de heróis lutando ao mesmo tempoO hype criado pelo filme anterior acabou originando uma decepção muito grande. Era de Ultron não é do nível de Os Vingadores, mas está longe de ser um filme de super-herói medíocre. Além disso, a obra contribuiu para o maior plot-twist da história dos filmes de super-herói: o seu Mercúrio ser pior do que o Mercúrio de X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido foi algo que ninguém esperava. Como sempre, a Marvel não poupa esforços para diminuir os poderes de seus heróis. Pelo menos, o quebra-pau do Hulk contra a Hulkbuster é diversão garantida.

9º) Homem-Formiga
(91 pontos)

Um filme do Homem-Formiga… Alguém imaginaria isso? Edgar Wright sim, mas o projeto acabou caindo nas mãos de Peyton Reed, que, mesmo fazendo uma mistura de várias das ideias originais com as suas, se saiu bem ao trazer os filmes de assalto para dentro do “gênero” de super-herói. As composições visuais com o herói diminuto são magníficas, resolvendo muito bem como encaixar os poderes do herói de uma maneira cinematograficamente eficiente. O clímax, aliás, é de uma inventividade louvável. Uma obra que tinha tudo para dar errado, mas deu certo. Só não é a maior surpresa da Marvel Studios porque temos uns certos guerreiros cósmicos.

8º) Pantera Negra
(95 pontos)

O principal acerto de Pantera Negra não está nem no filme em si, mas na contratação de Ryan Coogler para dirigir o filme. Depois disso, somos apresentados a uma obra esteticamente rica, que abraça sua própria identidade, sendo socialmente relevante, algo que Ryan Coogler entende como essencial para o longa-metragem que assumiu dirigir. O humor característico dessas obras de super-herói permanece, mas Pantera Negra é um filme mais sério, que abre possibilidades de discussão importantes, trazendo uma evolução de protagonista validada devido a maturidade na condução. Se Killmonger não é o melhor vilão da Marvel Studios – o que o antagonista não é mesmo  ele certamente é o que tem as motivações mais plausíveis; não necessariamente certas, mas compreensíveis dentro da construção de personagem que foi feita. Apesar de não ser o melhor, Pantera Negra é o maior fenômeno solo da Marvel. Uma conquista merecida; um marco do cinema blockbuster. Wakanda Forever!

7º) Guardiões da Galáxia Vol. 2
(104 pontos)

Nunca irei entender o porquê de Guardiões da Galáxia Vol. 2 não ter se tornado o sucesso que merecia ser. A identidade musical da obra é assumida com ainda mais coração do que no filme anterior, sendo parte essencial da obra e não um mero acessório de James Gunn. As relações estão inspiradíssimas e as piadas conectam personagens de uma maneira impressionante. Para mim, merecia estar mais na frente dessa lista, senão em primeiro, apenas pelo Baby Groot. Que coisa fofa!

6º) Homem de Ferro
(120 pontos)

As notas, daqui em diante, começam a estar muito próximas, com diferenças bem pequenas. Chegamos ao ápice do Universo Cinematográfico Marvel. Em sexto lugar, Homem de Ferro, o filme que começou tudo isso. A posição, mais que merecida – talvez ainda mais na frente – nos mostra o impacto desse pontapé inicial, dirigido por Jon Fraveau. A mística da identidade de super-heróis é quebrada, o “realismo” é aliado com a comédia e Robert Downey Jr. é escalado para viver uma figura que em muito se parece consigo mesmo. O casting mais acertado da Marvel Studios, enfim, dá vida a jornada de um personagem que, anos antes, seria considerado de segunda escalão. Hoje, a maior figura desse universo de super-heróis. Um filme que, talvez, não fosse ser feito hoje, mas que precisou ser feito 10 anos atrás.

5º) Guardiões da Galáxia
(121 pontos)

UCM - Guardioes da Galaxia

A maior injustiça dessa lista é Guardiões da Galáxia não estar em primeiro colocado. Quem um dia pensaria que esses personagens, completos desconhecidos, ganharia um filme solo? A maior surpresa da Marvel Studios não teria sido feita se Kevin Feige tivesse em mãos o Quarteto Fantástico ou os X-Men. Que bom que ele não tinha, pois Guardiões da Galáxia é um máximo, engraçado, cantarolante e energético.

4º) Capitão América: Guerra Civil
(122 pontos)

O conflito entre Steve Rogers e Tony Stark é outro nos quadrinhos. No cinema, o âmbito vai além do ideológico e atinge um contexto pessoal. Alguns fãs queriam centenas de heróis nas telas, mas os Irmãos Russo, que já haviam dirigido o aclamadíssimo Soldado Invernal, investem em uma narrativa mais contida. Que bom que os votantes não seguiram uma linha conservadora, visto que há rejeição de certas pessoas pelo fato da Guerra Civil se parecer mais com uma Briga de Rua Civil. O filme inclusive conseguiu um primeiríssimo lugar.

3º) Vingadores: Guerra Infinita
(125 pontos)

O mais recente filme da saga já está dando o que falar, tornando-se, aos poucos, uma das maiores bilheterias de todos os tempos. Se Guerra Civil ousou em colocar os heróis para se enfrentarem, Guerra Infinita triplica a quantidade de personagens e cria um épico de super-herói nunca antes visto nas telonas. Já nos quadrinhos, sim. O lugar onde Kevin Feige queria chegar é esse, e ele é completamente satisfatório para os fãs que acompanham a saga desde 2008.

2º) Os Vingadores
(129 pontos)

Dou esse espaço para relembrarmos a visão de Ritter Fan sobre essa colocação: “Esse filme, apesar de longe de ser fraco, só está em primeiro lugar porque os críticos aqui desse site, com honrosas exceções (e todas as exceções ganharam sardinhas, como focas treinadas que são), agiram como crianças surtadas vendo seus “bonequinhos” lutando junto na telona do cinema. Só por isso. Mais nada. Certamente muito bacana, mas também certamente longe de ser merecedor do primeiro lugar. Eu já disse que a democracia é um sistema ruim?”

O filme mais importante da Marvel Studios não é necessariamente o melhor, mas para quase metade dos participantes, ele é.

1º) Capitão América 2: O Soldado Invernal
(133 pontos)

Todos amam O Soldado Invernal. Para mim, é mais um exercício de diferenciação da natureza das obras lançadas anteriormente do que a perfeita harmonia da proposta com a execução. Merecia estar em primeiro lugar? Talvez não. Mas essa posição apenas realça o impacto desse filme para os fãs deste Universo Cinematográfico, que mais e mais ansiavam por obras diferentes.

♦ ♦ ♦ ♦ ♦ 

GABRIEL CARVALHO . . . Sem saber se essa é a vida real ou é uma fantasia, desafiei as leis da gravidade, movido por uma pequena loucura chamada amor. Os anos de carinho e lealdade nada foram além de fingimento. Já paguei as minhas contas e entre guerras de mundos e invasões de Marte, decidi que quero tudo. Agora está um lindo dia e eu tive um sonho. Um sonho de uma doce ilusão. Nunca soube o que era bom ou o que era ruim, mas eu conhecia a vida já antes de sair da enfermaria. É estranho, mas é verdade. Eu me libertei das mentiras e tenho de aproveitar qualquer coisa que esse mundo possa me dar. Apesar de ter estado sobre pressão em momentos de grande desgraça, o resto da minha vida tem sido um show. E o show deve continuar.