Crítica | O Crítico – Série Completa

estrelas 4,5

Exibida pela televisão estadunidense entre janeiro de 1994 e maio de 1995, a série de animação O Crítico é uma das poucas referências da telinha sobre essa classe de indivíduos que separam longos minutos de seus dias escrever sobre filmes. A profissão é quase uma lenda urbana e gera desconfiança em muita gente. Se alguém perguntar: “o que você faz?” e a resposta for “crítica de cinema”, um olhar de pesar lhe será lançado e provavelmente você irá ganhar um chocolate como uma espécie de compensação.

Na série criada pela dupla Al Jean e Mike Reiss, temos como protagonista o simpaticíssimo crítico de cinema Jay Sherman, que a muitos anos apresenta um programa na TV chamado Filmes em Cartaz. Odiado por quase todo o país, Jay tem apenas um amigo, um ator australiano que fez carreira nos Estados Unidos após o sucesso de seu filme Crocodilo Gandhi, uma revisão da trajetória do líder hindu e seu papel na independência da Índia, nos anos 1940. O roteiro da série tem como foco a paródia e a crítica ao chamado “cinema caça-níquel” especialmente às inúmeras continuações de filmes, que recebem nomes muito especiais aqui: Arthur 3 – A Vingança do FígadoRoboClap, e uma espécie de crossover cinematográfico, Rocky VI & O Massacre da Serra Elétrica IV.

A linha narrativa fora do cinema está, claro, ligada à vida pessoal de Jay, que está rodeado de pessoas malucas e sempre, sempre se mete em confusões, seja com as mulheres que raramente consegue conquistar, seja na recepção de seu programa pelo público ou no oportunismo de seu chefe, que insiste em fazê-lo falar bem de bombas como Querida, eu Comi as Crianças, com Anthony Hopkins no papel principal ou Doido Pra Brigar, Doido Pra Tudo, com Clint Eastwood e um Orangotango no papel principal. O bacana é que não são apenas os títulos espirituosos que fazem parte dos episódios mas são mostrados trechos dos filmes e então podemos conferir pelo menos um trecho dessas obras-primas, que, à parte as brincadeiras, não é difícil aparecerem por aí mais dia menos dia – se é que já não apareceram.

A direção e a produção dos episódios são os elementos mais inconstantes da série, especialmente ao final das temporadas. Embora os criadores e diretores tragam boas ideias na condução dos capítulos, contextualizando-os bem ao período que representam, como a cena de Suspenda o Gás Mostarda, uma clássica comédia muda dos anos 20, sempre fica algo para trás, seja no trabalho com as outras cenas, na edição ou até mesmo no roteiro, que está excelente a maior parte do tempo mas passa por episódios bastante escorregadios, como o último da segunda temporada, I Can’t Believe It’s a Clip Show, provavelmente o pior da série.

Fora de todos os padrões típicos de beleza e afins, Jay é um crítico de cinema gordinho, careca e muito inteligente. Ele odeia filmes comerciais e mais ainda as continuações destes. Seu currículo conta com uma temporada na ABC, de onde foi expulso por “motivos políticos”, e entrevistas lendárias com James Stewart e Cher, além de um programa fracassado ao lado de Kareem Abdul-Jabbar. No meio da série, vemos o crítico virar caminhoneiro, ser sequestrado, ameaçado de morte e passar pelas mais diversas provações no trabalho e na família (adotiva), onde só é bem aceito pela irmã e pelo pai senil. Entre clássicos como Ervilhas Congeladas Rosebud, um filme perdido perdido de Orson Welles e neocults como Perfume de Babaca, Edward Mãos de Desentupidor e O Marreteiro de Veneza, Jay acompanha diariamente a queda do cinema de Hollywood e luta em vão para que as pessoas não vejam essas “novas maravilhas”.

Para cinéfilos em geral e críticos de cinema amadores ou profissionais, essa série é um verdadeiro deleite. Vale muito a pena conferi-la, especialmente pelo cuidado extremo com que os roteiristas tiveram na maior parte da série em criar piadas e referências para o seu público-alvo. Jay Sherman se tornará uma personagem inesquecível na sua lista de personalidades fictícias, e quem sabe você também não se empolgue e filme o seu próprio L’artiste est Morte.

O Crítico (The Critic) — EUA, 1994 – 1995
Criadores: Al Jean, Mike Reiss
Elenco principal (vozes): Jon Lovitz, Nancy Cartwright, Christine Cavanaugh, Gerrit Graham, Doris Grau, Judith Ivey, Nick Jameson, Maurice LaMarche, Charles Napier, Kath Soucie
Duração: 24 min. (cada episódio)

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.